Porto: STCP alerta para perturbações na manhã de quinta-feira

A Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) informou esta terça-feira que os serviços vão sofrer perturbações na manhã de quinta-feira, entre as 8h30 e as 14h00, devido à realização de um Plenário Geral de Trabalhadores.

“Todas as viagens com partida até às 8h30 estão asseguradas. A partir dessa hora, poderão começar a verificar-se perturbações de serviço, prevendo-se maior incidência a partir das 9h00”, indica a empresa de transporte público em comunicado.

A operadora refere que estas perturbações poderão fazer-se sentir até às 14h00, hora em que se prevê que o serviço retome progressivamente a normalidade.

Os clientes de títulos Andante poderão usar, como alternativa de transporte, os operadores aderentes – Metro do Porto e CP – Comboios de Portugal e outros operadores rodoviários, nas respetivas áreas de validade/zonamentos.

Contactado pela Lusa, o coordenador da Comissão de Trabalhadores da STCP, Mário Ramos, explicou hoje que o plenário pretende informar os trabalhadores sobre a situação social da empresa que, tal como outros operadores, registou quebras de receita devido à pandemia de covid-19.

A STCP aprovou, no dia 30 de junho, em Assembleia-geral, as contas individuais e consolidadas de 2020, ano em que se registou uma diminuição “nunca antes vista” da procura, transportando menos 27,5 milhões de passageiros, tendo fechado as contas com um prejuízo de cerca de 12 milhões de euros.

Na mesma altura procedeu-se à eleição do novo Conselho de Administração, que passa a ter três membros, em vez de cinco, tendo sido reconduzindo Manuel Queiró como presidente executivo.

No plenário será ainda feito um balanço do processo de intermunicipalização da STCP, que está desde o início do ano na esfera intermunicipal, sendo a gestão da operadora de transporte público assumida pelos municípios do Porto, Gaia, Gondomar, Matosinhos, Valongo e Maia, que assinaram em 28 de agosto de 2019 um memorando de entendimento com o Governo.

“Nós, para todos os efeitos, estamos a começar a falar com as câmaras neste momento. As câmaras tomaram conta efetivamente da empresa em 28 de dezembro do ano passado, certo é que há muitos poucos dias é que houve Assembleia-geral dos acionistas da empresa. Isto ainda é um bebé recém-nascido”, afirmou aquele responsável.

Mário Ramos salienta que, contrariamente ao que acontece com a Carris, em Lisboa, que foi absorvida por uma autarquia, a Comissão de Trabalhadores da STCP tem de dialogar e ouvir seis câmaras, “num contexto de pré-campanha eleitoral que complica tudo isto”.

“A questão da revisão salarial devia estar fechada em março, como está previsto no acordo de empresa, certo é que uma das consequências de não haver assembleia-geral, plano e orçamento aprovado a tempo e horas, foi a de que o percurso normal da empresa não fosse seguido. E, portanto, uma situação que já devia estar ultrapassada desde março, estamos agora a trabalhar nela”, disse, indicando que a revisão salarial será também um dos temas em discussão no plenário de quinta-feira.

Questionado sobre se estaria em cima da mesa uma nova jornada de luta, Mário Ramos considerou ser ainda prematuro abordar a questão, salientando que o plenário servirá para informar, mas também para ouvir os trabalhadores.

A STCP lamenta os inconvenientes que possam resultar desta perturbação de serviço prestado, apelando à melhor compreensão dos seus clientes.

A empresa assegura o transporte coletivo público rodoviário de passageiros na Área Metropolitana do Porto, em regime de exclusividade dentro dos limites do concelho do Porto e no regime geral de concessão nos concelhos limítrofes — Matosinhos, Maia, Valongo, Gondomar e Vila Nova de Gaia.

Recomendadas

Autárquicas: Volt diz ser de “mau tom” que PRR seja utilizado para propaganda eleitoral

O líder do Volt Portugal, que participou numa arruada no Porto, considera que a ideia de que os candidatos socialistas possam ser beneficiados na utilização dos fundos do PRR “é inconcebível” e deve fazer Governo e candidatos refletir.

Reatia, a startup de Leiria que juntou algoritmos à venda de casas

“Somos uma startup de Leiria e, por isso, a nossa sede continua a ser, orgulhosamente, nesta cidade”. É desta forma que o empreendedor português Hugo Venâncio, que em 2019 fundou a tecnológica Reatia, começa por explicar ao Jornal Económico (JE) que as raízes da Beira Litoral não se perdem apesar das provas que esta empresa […]

Salário médio dos CEO subiu 1.304% mais do que um trabalhador médio em 40 anos

Só em 2020, os CEOs das 350 maiores empresas dos Estados Unidos ganharam 24,2 milhões de dólares (20,6 milhões de euros), ou 351 vezes o salário do trabalhador médio.
Comentários