Portucel Moçambique distinguida pela União Europeia pelo trabalho desenvolvido no país durante a pandemia

Este projeto tem um investimento de longo prazo estimado em 2,5 mil milhões de dólares, a realizar em duas fases, com operações nas províncias de Manica e da Zambézia e exportações anuais estimadas, na primeira fase, de 100 milhões de dólares e, na segunda fase, de mil milhões de dólares.

A Portucel Moçambique, empresa participada da The Navigator Company, da Navigator International Holding SGPS e do International Finance Corporation (membro do Banco Mundial) foi recentemente distinguida, pela União Europeia (EU), face aos procedimentos de atuação e trabalho desenvolvido naquele país durante o período de confinamento imposto pela pandemia do Covid-19.

“A empresa é responsável por um projecto de base florestal integrado com a indústria, que gera valor, emprego e prosperidade para o país e que é baseado numa relação forte com os seus ‘stakeholders’ e na partilha de valor com as comunidades. Este projeto tem um investimento de longo prazo estimado em 2,5 mil milhões de dólares, a realizar em duas fases, com operações nas províncias de Manica e da Zambézia e exportações anuais estimadas, na primeira fase, de 100 milhões de dólares e, na segunda fase, de mil milhões de dólares. Prevê-se que, na primeira fase, sejam gerados mais de 2.000 empregos e, na segunda fase, mais de 8.000 postos de trabalho”, avança um comunicado da The Navigator Company.

De acordo com esse documento, “a Portucel Moçambique trabalha, em estreita parceria, com o Governo, as comunidades e a sociedade civil na implementação deste projecto que respeita os direitos das comunidades locais, cumpre as leis moçambicanas e preserva os recursos naturais, contribuindo para os Objectivos do Desenvolvimento Sustentável”.

“No final de 2019, a empresa já havia investido mais de seis milhões de dólares no Programa de Desenvolvimento Social traçado para o país, plantado cerca de 20 milhões de árvores, originando assim um ‘stock’ de carbono de 1,5 milhões de toneladas de CO2 [dióxido de carbono]”, acrescenta o referido comunicado.

Os responsáveis da Portucel Moçambique assinalam que, “com o surto da pandemia da Covid-19, a empresa adotou um plano de contingência rigoroso, em estreita sintonia com as linhas de atuação definidas pela The Navigator Company, em Portugal, e adaptado às diretrizes emitidas pelas autoridades moçambicanas e às necessidades específicas do projeto”.

“As prioridades deste plano visam proteger os funcionários e as suas famílias, salvaguardar a continuidade operacional e os empregos, prestando, ao mesmo tempo, apoio contínuo às comunidades cuja necessidade se tornou ainda mais importante num contexto de agravamento das condições socioeconómicas causadas pela pandemia”, explica o comunicado em questão.

Para o grupo Navigator, “as atividades da Portucel Moçambique exigem o estreito relacionamento com as comunidades das duas províncias onde são administradas, tanto nas operações florestais, através do Programa de Desenvolvimento Social, como na comunicação e interação regulares com as comunidades”.

“Para além das medidas de segurança, proteção e higiene definidas no plano de contingência, foram implementadas, ainda, medidas específicas de proteção às comunidades, entre as quais se destacam a preferência do contacto ‘porta a porta’ em detrimento das reuniões com toda a comunidade, a implementação contínua dos pontos que integram o Programa de Desenvolvimento Social, o fornecimento de ‘sprays’ desinfetantes para as ferramentas usadas pelos trabalhadores no campo, a distribuição de gel desinfetante e o fornecimento de material e equipamento às autoridades distritais na área de influência do projeto, para ajudar na prevenção da Covid-19”, adianta o comunicado.

No entender do Grupo Navigator, “o investimento da Portucel Moçambique gera impactos económicos positivos e muito significativos”, acrescentando que, “localmente, já foram pagos cerca de 11 milhões de dólares em salários, pelo trabalho ocasional dos membros das comunidades”.

“Até ao momento, a empresa já entregou cerca de 4,6 milhões de dólares em taxas, impostos e contribuições ao Estado Moçambicano e tem, atualmente, cerca de 550 fornecedores nacionais, aos quais pagou perto de 67 milhões de dólares americanos, desde 2010”, adianta o referido comunicado.

A nota sublinha que “a Portucel Moçambique tem, em execução no país, um Programa de Desenvolvimento Social, que está a ser implementado desde 2015, cujo investimento ronda os cerca de 40 milhões de dólares para o desenvolvimento de políticas locais de segurança alimentar, geração de rendimento para as comunidades locais e apoio ao bem-estar das famílias”.

“Deste total, já investiu na sua execução cerca de seis milhões de dólares, beneficiando atualmente mais de sete mil famílias com baixos rendimentos, num total de cerca de 40 mil pessoas”, conclui o comunicado da Navigator Company.

 

Ler mais
Recomendadas

BNI Europa agravou prejuízos para 6,6 milhões de euros até junho

O ativo líquido total era em junho passado de 351,5 milhões de euros, neste caso menos 66,5 milhões de euros face a junho de 2019.

Banco de Portugal obriga financeiras em regime de livre prestação de serviços a reporte

Centenas as instituições estão registadas em Portugal como instituições de crédito da União Europeia em regime de livre prestação de serviços e entidades de moeda eletrónica com sede na Europa em regime de livre prestação de serviços, caso dos bancos digitais N26, Openbank ou Revolut.

Transportes Metropolitanos de Lisboa aprovado pelo Conselho Metropolitano

A Área Metropolitana de Lisboa detém a totalidade da empresa, que vai o património da empresa OTLIS – Operadores de Transportes da Região de Lisboa.
Comentários