Portugal a saque

Já é tempo de dizer, sem medo das palavras, que, no combate à corrupção, o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa não existe; que o primeiro-ministro António Costa faz figura de corpo presente.

1. A Operação Lex é a ultima prova da grave doença que afeta a democracia portuguesa. Com esta investigação, a corrupção deixou de ser um exclusivo dos meios empresariais, da banca, dos partidos, do poder local, do funcionalismo público, da política, das seitas, da polícia, da investigação.

A corrupção chegou ao interior da Justiça.

Agora também já temos juízes suspeitos de venderem sentenças num tribunal superior!

Ninguém pode ter dúvidas de que Portugal tem vivido anos terríveis; anos da mais absoluta dissolução no que diz respeito a valores, a caráter, a honestidade. Neste domínio, não há inocentes. O que aconteceu, o que provavelmente continua a acontecer na nossa vida pública, até à próxima investigação, ao próximo escândalo, é um libelo contra toda a sociedade portuguesa.

2. Esta interminável onda de horrores deteve um primeiro-ministro, atingiu alguns ministros, abalou famílias políticas, levou a economia ainda mais para baixo do que era devido pelas crises, roubou poupanças a muitos cidadãos, mas também colocou a nossa vida pública num patamar de fingimento notável.

É absolutamente espantoso.

Atores políticos, e a maioria dos sociais, agem como se estivéssemos a viver uma época normal. Calam-se. Assobiam. Seguem. Estarão, até, a discutir um qualquer plano nacional de combate à chaga.

A única mensagem, subliminar ou explícita, é a de que tudo isto constitui uma prova de vida da democracia. Nela, tudo se investiga, tudo se condena, tudo se regenera.

Acredite quem quiser.

3. As meias verdades, o sentimento de aceitação que normaliza a anormalidade, é um dos principais motivos pelos quais Portugal brevemente terá um partido como o Chega com alargada representação parlamentar, provavelmente indispensável a qualquer solução de governo ‘geringonça’ no centro-direita.

A próxima campanha eleitoral para a Presidência da República seria terrível sem o contributo de Ana Gomes, cuja disponibilidade pessoal reduz o campo de intervenção de todo o radicalismo associado ao nojo que esta realidade felizmente ainda convoca.

4. Já é tempo de dizer, sem medo das palavras, que, no combate à corrupção, o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa não existe; que o primeiro-ministro António Costa faz figura de corpo presente e se demite quando lhe ouvimos, repetida, a mesma banalidade ou hipocrisia: “à política o que é da política, à Justiça o que é da Justiça”. É este statu quo que permite a existência da ignóbil realidade.

Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa, refugiados na pandemia e na crise económica, absorvidos pelo “plano” (o dinheiro que aí vem da Europa será a fonte dos novos perigos…), arranjaram um álibi, que a eles lhes parecerá perfeito, para não liderarem um efetivo combate à degeneração moral do país que lhes deveria exigir muito mais do que o dever de reserva.

Tantos anos, tantos processos mediáticos, e Marcelo Rebelo de Sousa nunca achou oportuno uma qualquer intervenção especial que tornasse evidente que também ele vive torturado por esta realidade que aprisionou Portugal.

Não é compreensível.

Já não me parece sequer exagero ou injusto dizer que ambas as instituições, Belém e São Bento, fazem parte do problema da falência do regime. É a partir da inação de ambas que cresce o desalento e a ideia de ser necessária uma nova República que ponha cobro ao saque.

Não é exagero, é o que faz o desespero.

Recomendadas

Sócrates: chegou a hora de o PS fazer a sua autocrítica

O país merece esse gesto de humildade por parte do PS, tal como muitos dos seus próprios militantes e apoiantes que hoje se sentem defraudados por uma pessoa em quem confiaram.

Uma nação indignada

O que revolta mais neste processo, por ser sistémico, é saber que até há pouco tempo muitos dos arguidos usaram o imenso poder que tinham de forma desastrosa, causando danos ao país, às empresas e aos contribuintes.

Ainda somos sujeitos?

Os ‘big data’ só se alimentam do passado. O resultado é algoritmos que são tão filhos da Inteligência Artificial como da segregação. Por exemplo, softwares de reconhecimento facial que imputam rótulos de sociabilidade, marginalidade com base na cor da pele, na etnia, no género.
Comentários