Portugal acabou com a “mentira”: há alternativa à austeridade, escreve o The Guardian

O jornal britânico diz que Portugal é a prova de que há alternativa à austeridade. Num artigo de opinião, que faz Portugal corar de elogios, conta-se como um país acabou com a austeridade, devolveu rendimento às pessoas, e crescimento ao país.

O título do artigo de Owen Jones, uma conhecida figura da esquerda britânica, resume a posição do autor: “Não há alternativa à austeridade? Essa mentira está agora desvendada”. Portugal é o tema central. Mas se há uns tempos o país era a montra da austeridade, hoje é um exemplo exatamente pelo oposto. Mal abrimos o artigo, encontramos o Bairro Alto, em Lisboa. É esta a fotografia escolhida para ilustrar o artigo de opinião que procura contrariar todos os que garantiam que não havia alternativa à austeridade.

Os cortes duros e demorados que foram apresentados como a única solução para a sobrevivência, depois da crise financeira que mergulhou muitos países num caos económico, são para o jornal inglês, uma falácia: “Graças a Portugal, sabemos quão grande foi o falhanço desta experiência forçada na Europa”, lê-se no artigo de opinião.

O colunista refere que Portugal, um dos países europeus mais atingidos pela crise económica, enfrentou um resgate com duras medidas de austeridade “exigidas pelos credores e aplicadas com entusiasmo” pelo governo liderado por Pedro Passos Coelho.

O jornal lembra algumas das medidas tomadas como a privatização de serviços públicos, aumento do IVA, a sobretaxa de IRS, cortes de salários, pensões e outros benefícios. E aponta como os “cortes devastadores” na educação, na saúde, segurança social tiveram “consequências humanas terríveis”. Mas, em tom de ironia, lê-se: “tudo isso era necessário para curar a doença do excesso de gastos. Foi a lógica”.

Depois da crítica à austeridade, o autor refere que mudou a partir do final de 2015 com a “geringonça”, aquilo a que o jornal chama “uma nova experiência de governo” liderada pelo primeiro-ministro António Costa e apoiada pelos partidos da esquerda radical. Prometeram virar a página da austeridade, contra todos aqueles que previam o desastre, ou mesmo uma tragédia grega, à la Syriza, mas o “desastre prometido não se materializou”.

O jornal inglês escreve, mesmo, que o governo português se pode orgulhar, ao ter conseguido um crescimento económico sustentável, um aumento de 13% no investimento, redução do défice em mais de metade para 2,1%, o mais baixo de sempre em quatro décadas, apenas um ano depois de ter assumido o poder. E remata: “esta é a primeira vez que Portugal cumpre as regras orçamentais da zona euro”, referindo-se à saída de Portugal do Procedimento por Défice Excessivo (PDE). “E entretanto, a economia cresce há treze trimestres consecutivos”.

O artigo crer que Portugal “pode oferecer-se como um modelo para o resto do continente”. E diz porquê: “conseguiu aumentar o investimento público, reduzir o défice, reduzir o desemprego e alcançar um crescimento económico sustentado”. Tudo isto devolvendo rendimento e confiança às pessoas e atraindo de novo os investidores. Numa frase: “Portugal conseguiu aquilo que nos tinha sido dito que era francamente impossível”.

O sucesso de Portugal é “inspirador e frustrante” porque levanta questões perturbadoras: “Para quê esta miséria humana na Europa? E a Grécia, onde mais da metade dos jovens caiu no desemprego, onde os serviços de saúde foram dizimados, onde a mortalidade infantil e o suicídio aumentaram? E Espanha, onde centenas de milhares foram expulsos de suas casas? E França, onde a insegurança económica alimentou o crescimento da extrema direita?”. 

A lição à Europa chega no fim: “Portugal dá a todos uma valente repreensão. A esquerda europeia deve usar a experiência portuguesa para remodelar a União Europeia e travar a austeridade em toda a zona euro. Ao longo da década perdida da Europa, milhões de nós consideraram que havia uma alternativa. Agora temos a prova”.

Ler mais

Relacionadas

“A austeridade está a morrer” e é importante ressuscitá-la, defende Fitch

As políticas fiscais estão a seguir o trilho contrário ao que deveriam, afirma o responsável global da Fitch pelos ratings dos países soberanos.

Pós-austeridade: Aumenta vontade de gozar férias e gastar pouco

Mais de metade dos portugueses pretende gozar férias neste verão. Em 2016, só 43% tinha esta intenção. Segundo o Observador Cetelem, 44% dos portugueses prefere passar as suas férias em casa de familiares e amigos.

Portugal sem dívida? Economista defende novo modelo de crescimento

O especialista norte-americano em economias sustentáveis, Robert Young Jr. apresentou pela primeira vez o seu plano de desenvolvimento interno independente em Portugal. Em entrevista ao Jornal Económico, o economista explicou como é que Portugal vê o país a ser economicamente auto-sustentável e a pagar a dívida pública em 25 anos.

Politico: “Portugal de António Costa tem demasiadas coisas boas”

Politico salienta as boas notícias que têm chegado sobre a economia portuguesa. No entanto, adverte que o governo está a ficar sob pressão dos sindicatos e dos partidos à esquerda do PS.

“Consolidação orçamental não é austeridade”

Joaquim Sarmento é o coordenador de um estudo apresentado no passado dia 5 por um ‘think tank’ próximo do PSD. O estudo propõe uma solução “responsável” para a elevada dívida pública nacional.
Recomendadas

“Os problemas do ambiente marinho vão além da sobrepesca ou poluição”, diz ministro do Mar

Celebra-se este sábado o Dia Nacional do Mar. Ricardo Serrão Santos esteve com representantes nacionais das instituições ligadas à pesca, em Sesimbra, onde alertou que “os oceanos de hoje foram levados ao limite pela praga do nosso tempo, o aquecimento global”.

Bloco de Esquerda defende englobamento no IRS para criar mais justiça fiscal

A coordenadora do BE, Catarina Martins, defendeu este sábado o englobamento de rendimentos no IRS como forma de aliviar a carga fiscal para quem trabalha e criar mais justiça fiscal, cobrando a quem ganha rendimentos de capital.

Saudi Aramco começa este domingo o período de subscrição de ações

A maior oferta pública de venda (OPV) de ações da história começa amanhã e estará aberta até ao dia 28 de novembro para investidores privados que somente serão sauditas por decisão da empresa e até 4 de dezembro para investidores institucionais.
Comentários