Portugal apoia plano promovido por Guterres para Covid-19 e valoriza papel da OMS

O primeiro-ministro, António Costa, transmitiu esta sexta-feira o seu apoio ao “plano global” do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, contra a Covid-19 e frisou que Portugal valoriza o papel de coordenação da Organização Mundial de Saúde (OMS).

António Costa | Twitter

Esta posição foi assumida por António Costa na mensagem que enviou à Assembleia Geral das Nações Unidas, cujo debate geral se iniciou na terça-feira e que, devido à pandemia da Covid-19, está a ser realizada por videoconferência com discursos pré-gravados por parte dos chefes de Estado e de Governo dos diferentes países.

No seu discurso, o primeiro-ministro português defendeu a ideia de que o atual “quadro de emergência global” reforça a necessidade de cooperação entre os Estados e as organizações internacionais na resposta ao desafio sanitário e às suas consequências sociais e económicas.

“A ONU é um elemento central desses esforços, incluindo através do Plano Global de Resposta Humanitária à Covid-19, promovido pelo secretário-geral, António Guterres. Apoiamos a sua implementação e valorizamos o papel de coordenação da OMS”, sublinhou.

António Costa afirmou também que uma das “prioridades essenciais” da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia, que começará a 1 de janeiro de 2021, será a da recuperação do crescimento e do emprego “e incrementar a resiliência das economias, das sociedades e do Estado”.

“É necessário, também, reforçar a cooperação para o desenvolvimento e a capacidade do sistema das Nações Unidas de agir nesse domínio. Portugal reforçou as suas contribuições para as várias agências das Nações Unidas, com destaque para a OMS, a Organização Internacional das Migrações, o Alto-Comissariado para os Refugiados, o Programa Alimentar Mundial ou a UNICEF”, acrescentou.

Neste ponto, o primeiro-ministro dramatizou mesmo a missão do combate às desigualdades económicas e sociais no mundo.

“A segurança internacional não é compatível com uma distribuição de recursos tão desigual à escala global, sobretudo em conjugação com os desequilíbrios demográficos e os fenómenos de degradação ambiental que frequentemente lhe estão associados. Precisamos de um novo compromisso global baseado na dignidade humana, equilibrando o acesso concreto às oportunidades e à esperança”, argumentou António Costa naquele que foi o seu segundo discurso de fundo perante a Assembleia Geral das Nações Unidas.

No domínio da agenda ambiental, António Costa avisou que a crise que trouxe a pandemia de Covid-19 “não serve de desculpa para se interromperem as políticas contra a atual emergência climática, que constitui uma ameaça existencial para todos”.

“Pelo contrário, tem de ser aprofundada a coordenação entre a Agenda 2030 do Desenvolvimento Sustentável e o Acordo de Paris sobre o Clima, contribuindo para criar sociedades menos vulneráveis aos impactos de eventos climáticos extremos. Mas também é essencial aprofundar a relação entre oceanos e alterações climáticas, com especial atenção aos pequenos Estados insulares. Por isso mesmo, Portugal reafirma o seu compromisso em coorganizar, com o Quénia, a Conferência dos Oceanos das Nações Unidas, em 2021, e conta com a participação de todos os Estados-Membros da ONU, ao mais alto nível”, afirmou.

António Costa usou ainda da palavra para defender as “sociedades livres, plurais e tolerantes, que rejeitam o racismo, a xenofobia, a homofobia e o populismo e que trabalham pela inclusão, pela igualdade de género e pela liberdade de expressão”.

“A pandemia colocou novas exigências à promoção e proteção dos direitos humanos. Portugal respondeu imediatamente a essas exigências, estendendo, designadamente, o acesso ao Serviço Nacional de Saúde a todos os migrantes e refugiados, independentemente do seu estatuto e situação legal, nas mesmas condições previstas para os cidadãos nacionais. Portugal tem desempenhado um papel ativo no acolhimento de migrantes e refugiados, numa expressão inequívoca de solidariedade”, referiu.

Assim, o primeiro-ministro de Portugal reiterou o “total apoio” do país ao Pacto Global para as Migrações Ordenadas, Seguras e Regulares.

“No quadro da Organização Internacional das Migrações, somos um dos países piloto na sua implementação. Portugal é um país pioneiro na abolição da pena de morte, opondo-se à sua aplicação em quaisquer circunstâncias. Nesse sentido, apelo à aprovação da resolução bienal sobre a moratória da pena de morte, que será apresentada durante esta sessão da Assembleia-Geral”, acrescentou.

Ler mais
Recomendadas

Sindika Dokolo, um homem entre Kinshasa e o Porto

Nasceu no Congo, viveu a juventude na Europa e casou em Angola. Pela mão de Isabel dos Santos, a sua mulher, acabaria por reconhecer em Portugal, mais propriamente no Porto, o lugar certo para fazer descansar de tantas viagens a sua enorme coleção de arte.

Sindika Dokolo: Da pena de prisão à acusação de ‘complot’. Polémicas do empresário e colecionador de arte congolês

Sindika Dokolo, empresário e colecionador de arte congolês, morreu no Dubai, quando praticava mergulho, esta quinta-feira. Para trás ficam alguns episódios polémicos, quase todos relacionados com Isabel dos Santos.

Morreu Sindika Dokolo, marido da empresária Isabel dos Santos

O empresário congolês encontrava-se no Dubai, onde Isabel dos Santos havia postado uma fotografia na sua conta pessoal de Instagram na tarde desta quinta-feira.
Comentários