Portugal Blue quer distribuir 75 milhões de euros em investimentos na economia azul

A Portugal Blue quer mobilizar mais de 75 milhões de euros de capital privado, público e europeu para fomentar o ecossistema da economia azul portuguesa, disponibilizando capital de risco e expansão a mais de 30 empresas, em todos os estágios de desenvolvimento. O programa de investimento cobrirá até 70% da dimensão dos fundos selecionados, com o intuito de potenciar a capacidade crítica da plataforma local da economia azul.

Com o objetivo de apoiar o investimento em empresas portuguesas que operem nos setores relacionados com o oceano, a chamada economia azul, o Fundo Europeu de Investimento (FEI) aliou-se à Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD) criando o ‘Portugal Blue’ para mobilizarem mais de 75 milhões de euros de capital privado, público e europeu.

A nova parceria – Portugal Blue, consiste num fundo-de-fundos subscrito em 25 milhões de euros por cada uma das instituições e deverá ainda atrair 25 milhões de euros adicionais de capital privado de investidores institucionais alinhados com as prioridades de ação climática, bem como com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) definidos pelas Nações Unidas.

A Portugal Blue quer mobilizar mais de 75 milhões de euros de capital privado, público e europeu para fomentar o ecossistema da economia azul portuguesa, disponibilizando capital de risco e expansão a mais de 30 empresas, em todos os estágios de desenvolvimento. O programa de investimento cobrirá até 70% da dimensão dos fundos selecionados, com o intuito de potenciar a capacidade crítica da plataforma local da economia azul. Adicionalmente, o programa irá selecionar uma ou duas equipas a operar a partir de Portugal, dotadas de um conhecimento profundo do ecossistema azul português e que se proponham a atuar em conformidade com os Princípios Financeiros da Economia Azul Sustentável.

O FEI será responsável pela seleção das equipas de investimento, estando já a decorrer a fase de candidaturas na sequência do lançamento de um convite público à manifestação de interesse.

Alain Godard, diretor-geral do FEI, afirma que “o lançamento da Portugal Blue é um marco importante para o FEI, uma vez que consiste na primeira parceria de capital risco celebrada com uma instituição de fomento nacional com um objetivo de impacto positivo nos domínios do desenvolvimento sustentável e da ação climática. O sucesso desta iniciativa-piloto servirá de referência para parcerias semelhantes que venham a ser estabelecidas no futuro”.

O vice-presidente do BEI, Ricardo Mourinho Félix, também comentou a iniciativa, dizendo que “investir no mar e no ecossistema marinho e assegurar a sua sustentabilidade é da maior importância para Portugal, em especial no quadro da recuperação da economia portuguesa. Esta iniciativa é única e irá permitir apoiar startups, PMEs e MidCaps em Portugal, que acrescentam valor no âmbito da economia azul e, ao fazê-lo, promovem a ação climática e um desenvolvimento sustentável e inclusivo numa Europa que assume o valor inestimável dos Oceanos”.

O administrador da IFD, Frederico Serras Gago, considerou que «o Portugal Blue é uma operação histórica que reforça a relação estratégica entre a IFD e o FEI. Este terceiro programa tem por base os programas já existentes Portugal Tech e Portugal Growth, contribuindo agora para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU e as políticas ambientais, sociais e governativas (ESG). Esta investimento no Portugal Blue representa um compromisso firme para com a economia azul em Portugal.»

Por fim, a presidente do conselho de gestão do Fundo Azul, Helena Vieira, concluiu que “o Portugal Blue representa uma extraordinária oportunidade de investimento para o Fundo Azul, o fundo do Ministério do Mar, permitindo-nos investir diretamente na economia azul portuguesa e nos seus agentes, promovendo as empresas inovadoras, o empreendedorismo azul e a conservação e sustentabilidade dos oceanos aliada à ação climática e aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”.

Ler mais
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários