Portugal com quarto maior aumento dos preços das casas na UE no segundo trimestre

Os maiores aumentos homólogos dos preços das casas foram registados na Hungria (14,0%), no Luxemburgo (11,4%), na Croácia (10,4%) e em Portugal (10,1%), tendo havido um recuo, de 0,2%, em Itália.

Cristina Bernardo

Portugal teve o quarto maior aumento homólogo dos preços das casas (10,1%) no segundo trimestre do ano, mais do dobro do avanço da zona euro e da União Europeia (4,2% cada), segundo o Eurostat.

No segundo trimestre do ano, os preços das habitações, medido pelo índice dos preços das habitações, aumentou 4,2% na zona euro e na União Europeia (UE) face ao mesmo período de 2018 e, respetivamente, 1,7% e 1,6% na comparação em cadeia.

Os maiores aumentos homólogos dos preços das casas foram registados na Hungria (14,0%), no Luxemburgo (11,4%), na Croácia (10,4%) e em Portugal (10,1%), tendo havido um recuo, de 0,2%, em Itália.

Face ao primeiro trimestre do ano, entre abril e junho, os preços do imobiliário para habitação subiram em todos os Estados-membros, com especial destaque para a Letónia (5,6%), Luxemburgo (5,1%) e Chipre (4,2%).

Em Portugal , o preço das casas avançou 3,2% do primeiro para o segundo trimestre do ano.

Recomendadas

Tribunal de Contas dá luz verdes às contas da Presidência da República, deixa dois elogios e faz três recomendações

TdC elogia o empenho do Palácio de Belém na “prestação atempada das contas relativas ao ano económico de 2019, não obstante as exigências decorrentes da situação pandémica Covid-19”, mas deixa três recomendações para este ano.

Despesa corrente em saúde aumentou em 2018 e 2019, diz o INE

De acordo com os resultados da Conta Satélite da Saúde do INE, na base 2016, o crescimento nominal da despesa corrente em saúde nesses anos foi superior ao do PIB mais 1,3 pontos percentuais (p.p.).

CP “empurra” para despedimento 120 trabalhadores dos bares dos comboios, acusa federação dos sindicatos

A Federação dos Sindicatos da Agricultura. Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo (FESAHT) alerta que os 120 trabalhadores dos bares dos comboios da CP estão em risco de “serem vítimas de um despedimento colectivo”. Tudo porque, diz FESAHT, a empresa mantém a recusa da reabertura do serviço de refeições dos bares dos comboios Alfa Pendular e Intercidades.
Comentários