Portugal tem uma das taxas de inflação mais baixas da zona euro

Desde a crise financeira, os preços tiveram uma subida anual de 1,1% em Portugal. Mais baixo só a Grécia, Irlanda e Chipre, avança o expresso.

Em janeiro, segundo a estimativa rápida publicada pelo Eurostat esta semana, a inflação na zona Euro situou-se em 1,8%, o valor mais alto em quatro anos. O Banco Central Europeu (BCE) tem como objetivo ter uma inflação abaixo mas próxima de 2% e, desde 2013, que a taxa se mantém abaixo deste patamar.

Neste período de inflação baixa pós-crise financeira internacional, Portugal é um dos países com mais baixo ritmo de evolução dos preços. Entre 2009 e 2016, a taxa média ficou-se em 1,1%, igual à taxa registada na Letónia, e apenas ultrapassou três países da moeda única, todos eles alvo de resgate durante a crise da dívida na zona euro — Chipre (0,8%), Grécia (0,8%) e Irlanda (próxima de 0%).

A zona euro, no seu conjunto, teve uma taxa de inflação média anual de 1,3%. Os países que estão no fim da tabela no período pós-crise estiveram antes entre os que enfrentaram mais rápidas subidas dos preços. Portugal, por exemplo, teve uma taxa média de 2,7% enquanto Irlanda e Grécia ultrapassaram mesmo a barreira dos 3%.

A inflação é o driver do BCE para o seu programa de compra de activos que tem fornecido liquidez ao sistema. Mário Draghi tem dito que o objectivo é que o programa dure até que a inflação da zona euro fique cerca dos 2%.

Recomendadas

Presidente da República promulga diploma para travar práticas comerciais desleais

O governo pretende contribuir para um mercado concorrencial no setor do turismo, livre de práticas comerciais “que desequilibrem as relações económicas”.

Trabalhadores da Fundação Casa da Música em greve por “discriminações salariais” e “falsos contratos”

Os trabalhadores da Fundação Casa da Música filiados no sindicato Cena-STE realizam hoje um dia de greve pelo fim das condições precárias de trabalho. Na base das queixas estão as discriminações salariais, falsos contratos a termo e recibos verdes e ausência de carreiras, entre outras. Sindicato acusa administração de “inflexibilidade negocial”.

Goldman Sachs diz que novas restrições decorrentes da pandemia vão travar a subida da inflação

“Reduzimos a nossa projeção de crescimento anual [da zona euro] para 5,1% para 2021 (queda de 0,1 pp) e 4,3% para 2022 (queda de 0,1 pp), mas aumentamos a nossa projeção de 2023 para 2,5% (subida de 0,1 pp)”, estimam os economistas do banco norte-americano.
Comentários