Portugal é ‘isto’

Os dados conhecidos esta semana sobre a perceção da corrupção em Portugal são uma realidade terrível.

1. Os dados do Barómetro Global da Corrupção, divulgados esta semana pela Transparência Internacional, não mentem: os portugueses acham que o país que habitam é um antro de corrupção.

Alguns indicadores apurados: 88% dos inquiridos acreditam que há corrupção no Governo; 63% dizem que esse mesmo Governo está capturado pelos grandes interesses; 41% afirma que as coisas pioraram no último ano e outros 41% que “está na mesma”.

Na lista dos maiores suspeitos estão os deputados, os banqueiros e os empresários.

2. O único dado otimista dentro da União Europeia é que – diz o relatório – 64% das pessoas acreditam que os cidadãos comuns podem fazer a diferença no combate à corrupção. Em Itália e Irlanda este número ultrapassa os 80% e em Portugal chega aos 85%.

Confrontados com esta realidade, para a qual muito contribuem diária e generosamente, os propagandistas avençados do regime desabafam nas redes sociais que o problema está no Chega. Ou seja, André Ventura não é uma consequência desta realidade; para aquelas cabecinhas, terá sido ele, Ventura, que, ao chegar, criou este país e esta realidade. Extraordinário, sem dúvida.

3. Este estudo só pode surpreender quem viva na bolha.

Quem viu como foi descartada a anterior Procuradora-Geral da República, Joana Marques Vidal, o ex-presidente do Tribunal de Contas, Vítor Caldeira e alguns diretores da PJ;

Quem assiste à forma monárquica como o PS reina em Portugal e nomeia quem quer e como quer para cargos do Estado que não deveriam ser aprisionados pela ‘confiança política’;

Quem olhou com olhos de ver para o escândalo que rodeou a nomeação do procurador português José Guerra para a Procuradoria-Geral Europeia;

Quem entende como funciona o bloco central de interesses, mesmo em tempos de aparente ‘geringonça’ ou do que resta dela, e como se comportam alguns deputados ao serviço dos seus eternos patrões privados;

Quem vê isto e muito mais a desfilar diariamente aos seus olhos – por exemplo: como se distribuem os grandes negócios – e não se sobressalta, não percebe como tem sido afetada a confiança das pessoas nas instituições nacionais é, com certeza, parte do problema.

4. Neste caldo nacional, a aplicação dos fundos europeus, que significam até 2030 uma injeção financeira maior que a da troika (porque muito desse dinheiro vem sob a forma de ‘fundo perdido’), tem de ser submetida a um controlo férreo que deve envolver toda a sociedade. Pessoalmente, não tenho qualquer dúvida: ou é criada uma rede de segurança e vigilância com vários níveis de proteção ou temos aqui mais uma tragédia anunciada e motivos para novas notícias escandalosas no futuro, razões para temer o pior e o agravamento da perceção da corrupção.

Como se tem visto, mesmo na Europa, num dos espaços civilizacionais mais avançados do mundo, a corrupção é rápida no ligar dos aspiradores. As pessoas são o que são e não há que ter esperanças vãs.

Aquilo que faz a diferença é o escrutínio, uma boa investigação, uma Justiça rápida, estruturas sociais a funcionarem libertas e sem medo. Sem isso não há integridade. E o Governo, os sucessivos governos, deve(m) ser julgado(s) pelo que somos por baixo deste céu bonito. A Liberdade é muito mais do que podermos dizer o que queremos – e, nesse aspeto, o país não cumpriu a utopia de Abril de 1974. Não tem a ver com pessimismo, muito menos com extremismo. É a realidade, o funcionamento do Poder e da economia. É ‘isto’.

Recomendadas

Uma União Europeia a deslizar para a direita

Perante as atitudes de Budapeste e Varsóvia, os líderes europeus avançaram com um novo mecanismo que permite à Comissão Europeia suspender o financiamento de dinheiros do orçamento comunitário a países que não cumpram os preceitos do Estado de direito.

Alargar o acesso ao ensino superior sem reduzir as propinas

Perante os resultados positivos dos programa de bolsas reembolsáveis noutros países, será importante questionar se as políticas públicas em torno do ensino superior em Portugal devem considerar apenas a redução das propinas ou procurar uma via alternativa.

“Não há ditadura sanitária”, pois…

Caros senhores desse protesto que só chamou a atenção, em suma, por causa de um erro tão tonto quanto o próprio protesto, não há, de facto ditadura sanitária. Há, isso sim, uma crise sanitária e outra económica.
Comentários