Portugal é o sétimo país do mundo com melhor proficiência em inglês

É o melhor registo de sempre no ‘ranking’ “EF English Proficiency Index”, que envolve 2,2 milhões não nativos na língua.

Andrew Boyers / Reuters

Portugal é o sétimo país do mundo com melhor proficiência em inglês, segundo o rankingEF English Proficiency Index” de 2020, que analisou dados de 2,2 milhões não nativos de inglês em 100 países e regiões do globo. O país surge atrás da Áustria (6ª posição), Noruega (5ª), Suécia (4ª), Finlândia (3ª), Dinamarca (2.º) e Holanda, que lidera a tabela deste ano.

Depois de, no ano passado, Portugal ter entrado pela primeira vez no grupo de países com “elevada proficiência” em inglês, este acabou por ser o melhor registo de sempre no ranking elaborado pela empresa de educação internacional.

Em termos de cidades, o Porto é, pelo segundo ano consecutivo, a cidade portuguesa onde melhor se fala inglês, seguindo-se Coimbra (2º), Braga (3º) e Lisboa (4º), segundo o índice que tem por base os resultados do teste EF SET (EF Standard English).

“Embora 2020 tenha sido um ano desafiador, as circunstâncias também destacaram a importância de uma comunicação e cooperação claras além das fronteiras. O inglês como língua franca global continua a unir as pessoas”, afirma o vice-presidente executivo da Education First para Assuntos Académicos, Christopher McCormick.

Há inclusive diferenças de género e idade. Em Portugal, os homens conseguiram obter melhor classificação dos que as mulheres, apesar de este ano o sexo feminino ter tido um nível “muito elevado” de inglês (61,3 pontos) – superior à média dos homens de todo o mundo (49,8 pontos). E os jovens portugueses entre os 21 e os 25 anos de idade continuam a ser os que têm as melhores notas nesta avaliação.

Porém, as organizações continuam a ‘lutar’ por reter talentos nacionais. “Apesar da alta correlação entre a proficiência em inglês e o índice de competitividade global de talentos, um relatório que avalia a capacidade de um país de atrair, desenvolver e reter trabalhadores qualificados, Portugal e a África do Sul fogem à tendência. Os dois países, apesar de terem uma elevada proficiência em inglês e ao contrário do restante grupo que lidera este ranking, estão abaixo da linha de correlação no que respeita à capacidade de atrair e reter trabalhadores qualificados”, refere a empresa.

EF English Proficiency Index 2020 

  • 1            Holanda
  • 2            Dinamarca
  • 3            Finlândia
  • 4            Suécia
  • 5            Noruega
  • 6            Áustria
  • Portugal
  • 8            Alemanha
  • 9            Bélgica
  • 10          Singapura
  • 11          Luxemburgo
  • 12          África do Sul
  • 13          Croácia
  • 14          Hungria
  • 15          Sérvia
  • 16          Polónia
  • 17          Roménia
  • 18          Suíça
  • 19          República Checa
  • 20          Bulgária
  • 21          Grécia
  • 22          Quénia
  • 22          Eslováquia
  • 24          Lituânia
  • 25          Argentina
  • 25          Estónia
  • 27          Filipinas
  • 28          France
  • 29          Letónia
  • 30          Itália
  • 30          Malásia
  • 32          Coreia do Sul
  • 33          Hong Kong, China
  • 34          Nigéria
  • 34          Espanha
  • 36          Costa Rica
  • 37          Chile
  • 38          China
  • 39          Paraguai
  • 40          Bielorrússia
  • 41          Cuba
  • 41          Rússia
  • 43          Albânia
  • 44          Ucrânia
  • 45          Macau, China
  • 46          Bolívia
  • 47          Geórgia
  • 48          República Dominicana
  • 49          Honduras
  • 50          India
  • 51          Arménia
  • 51          Uruguai
  • 53          Brasil
  • 54          Tunísia
  • 55          Japão
  • 56          El Salvador
  • 56          Irão
  • 56          Panamá
  • 59          Perú
  • 60          Nepal
  • 61          Paquistão
  • 62          Etiópia
  • 63          Bangladesh
  • 63          Guatemala
  • 65          Vietname
  • 66          Emirados Árabes Unidos
  • 67          Venezuela
  • 68          Sri Lanka
  • 69          Turquia
  • 70          Kuwait
  • 71          Qatar
  • 72          Jordânia
  • 73          Nicarágua
  • 74          Bahrein
  • 74          Indonésia
  • 74          Marrocos
  • 77          Colômbia
  • 78          Mongólia
  • 79          Mongólia
  • 80          Angola
  • 81          Mongólia
  • 82          México
  • 83          Egito
  • 84          Camboja
  • 85          Sudão
  • 86          Azerbaijão
  • 87          Síria
  • 88          Usbequistão
  • 89          Camarões
  • 89          Tailândia
  • 91          Costa do Marfim
  • 92          Cazaquistão
  • 93          Equador
  • 93          Mianmar
  • 95          Ruanda
  • 96          Quirguistão
  • 97          Arábia Saudita
  • 98          Omã
  • 99          Iraque
  • 100        Tajiquistão
Ler mais
Recomendadas

Agentes da PSP exigem pagamento de retroativos de atualização salarial ocorrida em 2010

A ASPP recebeu esta semana a sentença do Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa que, à semelhança do do Porto, veio dar razão aos dois mil agentes principais da PSP, penalizados entre março de 2010 e dezembro de 2011 na então nova tabela remuneratória.

PremiumEduardo Lourenço: Praticamente 100 anos de reflexão

Desde há muito um dos intelectuais mais consensuais, o autor de livros como “O Labirinto da Saudade” distinguia-se pela serenidade com que, vivendo longe do país, pensava Portugal e aquilo que é ser português. Morreu aos 97 anos, no dia da Restauração.

Covid-19: Ordem atribui prémio a advogado que interpôs ação contra medidas nos Açores

A Ordem dos Advogados atribuiu o Prémio Angelo dAlmeida Ribeiro-2020 a Pedro Bettencourt Gomes, promotor, em maio, de um ‘habeas corpus’ (pedido de libertação imediata) de um “cliente arbitrariamente detido nos Açores” num caso ligado à pandemia de covid-19.
Comentários