PremiumPortugal é um mercado “importante” para a chinesa Oppo

A fabricante de smartphones quer crescer na Europa e vai investir 6 mil milhões em ‘R&D’ em três anos. Em Portugal, “reforçar a presença” deve passar por acordos com operadores e retalhistas.

A fabricante de smartphones Oppo, que anunciou na quinta-feira ter quase seis mil milhões de euros para investir em investigação e desenvolvimento (R&D) do negócio nos próximos três anos, considera Portugal um mercado “importante”.

A empresa chinesa entrou no mercado português em 2020, ano em que registou um crescimento homólogo de 200% nos envios para a Europa Ocidental.

“Apesar da pandemia desafiadora, a Oppo entrou em Portugal no último ano, porque acreditamos mesmo que é um mercado importante”, afirmou fonte oficial da empresa ao Jornal Económico, depois da presidente da tecnológica para a Europa Ocidental, Maggie Xue, ter anunciado, numa videoconferência com diferentes jornalistas europeus, que a marca vai continuar a expandir-se para outros mercados em 2021.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Novo Banco: Avaliadores não veem razões para mudanças de valores de imóveis em seis meses

O responsável, ouvido esta quinta-feira na audição do presidente da ANAI Ramiro Teixeira Gomes na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, referia-se a “perdas de imparidades de uma instituição financeira, neste caso o Novo Banco, por via de ativos” imobiliários.

Cavaco lamenta “interpretações abusivas” acerca de declarações sobre BES

O antigo Presidente da República classificou de “intuitos pouco honestos” as declarações de quem fez “interpretações abusivas” das suas palavras sobre o BES antes da resolução, “chegando ao ponto de afirmar” que “tinha incentivado as aplicações em instrumentos financeiros do BES ou do respetivo grupo não financeiro”.

Sines vai arrancar com Data Centre Campus, um investimento que pode chegar a 3,5 mil milhões

A cerimónia de apresentação do projeto, que pode criar até 1.200 empregos qualificados e é da responsabilidade da empresa star campus, será encerrada pelo primeiro-ministro, António Costa.
Comentários