Portugal entre os principais destinos para investimento futuro em residências secundárias

Intenções dos proprietários de residências secundárias passam por manter essas residências como um investimento a longo prazo e investir, maioritariamente, em alojamentos no seu país de origem, de acordo com um estudo internacional da consultora imobiliária Savills.

Portugal e Espanha são os principais destinos para investimento futuro em residências secundárias. De acordo com um estudo internacional da consultora imobiliária Savills em conjunto com a HomeAway, plataforma especialista em alojamentos para férias, as intenções dos proprietários de residências secundárias são, em primeiro lugar, manter estas residências como um investimento a longo prazo e investir, maioritariamente, em alojamentos no seu país de origem.

O estudo indica que para a maioria dos proprietários entrevistados, uma segunda casa é um investimento de longo prazo. Apenas 8% dos proprietários pretendem vender a sua residência secundária no próximo ano e 12% pretende fazê-lo nos próximos dois a cinco anos. Com apenas 20% do mercado disponível para venda nos próximos cinco anos, um proprietário deverá manter a sua residência, em média, por cerca de 25 anos. Durante este período, e numa época de taxas de juro baixas e de um modesto crescimento de capital, espera-se que grande parte dos proprietários (43%) planeie continuar a alugar a sua residência secundária para obter rendimentos adicionais.

Portugal e Espanha são os principais mercados para futuros investimentos em residências secundárias. Seguem-se a França, EUA e Itália. O mercado do alojamento local espanhol tem vindo a atrair cada vez mais a atenção de compradores de residências secundárias, que chegam de várias partes da Europa e do mundo. Portugal, em segundo lugar, beneficia de uma vasta procura, tendo sido identificado com um dos três principais destinos de investimento pelos holandeses, franceses, italianos e espanhóis.

Embora Portugal e Espanha estejam identificados como os principais destinos para futuros investimentos em residências secundárias, a maioria dos proprietários revela que a primeira escolha, para a sua próxima aquisição imobiliária, será no seu país de origem. Esta intenção reflete um maior foco no rendimento, uma vez que o conhecimento do mercado local e a maior facilidade de gestão do alojamento podem potenciar significativamente os lucros gerados pelas residências secundárias

Relacionadas

Imobiliário: Boom turístico ‘aguça’ apetite de investidores

O aumento do turismo em Portugal gerou uma euforia na corrida aos imóveis nos centros históricos, provocando uma sobreavaliação do mercado.

Turismo residencial português é o melhor da Europa

Os resorts portugueses foram considerados os melhores na Europa mas com o desafio de melhorar alguns aspectos económicos e demográficos.
Recomendadas

Fesap exige respostas do Governo sob pena de avançar com formas de luta

A decisão foi tomada pela comissão permanente da FESAP, que considerou que o Governo tem de responder aos problemas dos trabalhadores da administração, porque a proposta de Orçamento do Estado para 2022 não o faz.

Comissão Europeia adota programa de trabalhos para o próximo ano com 42 novas iniciativas

De um novo instrumento de emergência do mercado único, à criação de uma iniciativa relativa a um rendimento mínimo adequado, passando por uma nova estratégia para um compromisso energético internacional, entre outros objetivos, a Comissão Europeia prevê 42 novas iniciativas estratégicas para o próximo ano.

Bruxelas reabre debate sobre revisão das regras orçamentais

Instituições europeias, autoridades nacionais, parceiros sociais e universidades podem apresentar as contribuições até 31 de dezembro deste ano. Comissão Europeia dar orientações aos Estados-membros no primeiro trimestre de 2022.
Comentários