PremiumPortugal entre os sete países imunes à vaga de deputados populistas

Partidos de Marine Le Pen e de Matteo Salvini lideram vaga que vai alterar paisagem política em Estrasburgo. Mas sem contribuição portuguesa.

Portugal deverá estar entre os sete países que não vão eleger deputados de partidos populistas, eurocéticos e de extrema-direita para o Parlamento Europeu, sendo um dos raros Estados-membros da União_Europeia em que os representantes do Partido Popular Europeu (PPE), que continuará a contar com PSD e CDS-PP, contêm a vaga que irá alterar o equilíbrio de forças em Estrasburgo.

Entre os países da Europa Ocidental, Portugal só terá a companhia da Irlanda enquanto “aldeia gaulesa” rodeada de delegações cada vez maiores à direita do PPE. Nomeadamente em França, onde o Reagrupamento Nacional de Marine Le Pen disputa a vitória com os centristas do República em_Movimento fundado pelo presidente Emmanuel Macron, e na Itália, à beira da meia centena de eurodeputados da Liga (Aliança Europeia de Pessoas e Nações), do Movimento Cinco Estrelas (Europa da Liberdade e da Democracia Direta) e do Irmãos de Itália (Conservadores e Reformistas_Europeus).

Mas também no Reino Unido, cujos eleitos estarão a prazo, até à formalização da saída da União Europeia, comandados pelo recém-criado Partido do Brexit, que concentra um contingente de até 35 eurocéticos e populistas. Os restantes cinco países imunes à vaga populista não são necessariamente imunes à degradação do “arco da governação” europeísta em Estrasburgo.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Populismo e extremismo aumentam riscos para as empresas na Europa

Mapas de Risco Político e de Terrorismo e Violência Política de 2019 da Aon apontam novos desafios para as empresas.

“O populismo traz menos competitividade às empresas”, defende presidente da Confederação Europeia de Empregadores

Em entrevista ao Jornal Económico, Pierre Gattaz diz que “a Europa é uma necessidade”. Para o líder da BusinessEurope – Confederação Europeia de Empregadores a participação eleitoral nas eleições de 26 de maio são a resposta à ascensão do populismo na Europa.
Recomendadas

PremiumNovo Banco vende terrenos da Matinha por 140 milhões

Terrenos não estavam incluídos em nenhuma carteira de malparado do Novo Banco.

PremiumCiclo de crescimento mundial entra na última fase

BlackRock aconselha investidores a continuarem ‘overweight’ nos próximos 18 meses. Em 2021, a economia mundial deverá entrar em recessão.

PremiumLuísa Augusto: “Os ciberataques estão a mudar diariamente”

A ‘associate director’ da Accenture Technology explica como a tendência tecnológica “Secure Us to Secure Me” é uma das que as organizações devem considerar para serem bem-sucedidas.
Comentários