Portugal já acolheu 80 refugiados do Afeganistão

No grupo de nacionalidade afegã encontram-se atletas da equipa de futebol feminino e respetivos familiares. Assim, Portugal recebeu até à data um total de 178 cidadãos “na sequência da emergência humanitária no Afeganistão”, notam os gabinetes em comunicado.

TIAGO PETINGA/LUSA

Portugal acolheu ao dia de ontem, 19 de setembro, um grupo de 80 cidadãos provenientes do Afeganistão, avisam os Ministérios de Estado e dos Negócios Estrangeiros, da Ministra de Estado e da Presidência, do Ministro da Defesa Nacional e do Ministro da Administração Interna.

O ministro Eduardo Cabrita já tinha admitido a possibilidade de Portugal acolher “várias centenas” de refugiados afegãos, num número que pode ir até aos 400, nomeadamente os grupos definidos como prioritários pela União Europeia, como mulheres e crianças, ativistas de direitos humanos, jornalistas, magistradas e juristas, uma vez que são considerados os mais vulneráveis pelo retorno dos talibã ao poder.

Desta forma, no grupo de nacionalidade afegã encontram-se atletas da equipa de futebol feminino e respetivos familiares. Assim, Portugal recebeu até à data um total de 178 cidadãos “na sequência da emergência humanitária no Afeganistão”, notam os gabinetes em comunicado.

“A chegada deste grupo resulta de uma operação conjunta que envolveu as autoridades nacionais e norte-americanas, tendo os 80 cidadãos sido acolhidos provisoriamente em unidades de acolhimento da Grande Lisboa, devendo ser transferidos, posteriormente, para habitações autónomas de Norte a Sul do país”, escrevem os ministérios.

Até à data, Portugal já tinha acolhido 86 cidadãos afegãos em duas alturas diferentes, tendo sido a primeira de 66 e no mês passado chegaram mais 20 refugiados. A ministra de Estado e da Presidência lembrou no mês passado que a saída dos cidadãos afegãos dos centros de acolhimento dependem das entrevistas e da avaliação da situação.

Recomendadas

Autárquicas: Rosário Farmhouse (PS/Livre) eleita presidente da Assembleia Municipal de Lisboa

A cabeça de lista da coligação “Mais Lisboa” (PS/Livre) à Assembleia Municipal de Lisboa, Rosário Farmhouse, foi esta segunda-feira eleita presidente deste órgão deliberativo do município da capital e comprometeu-se a promover o diálogo sobre o futuro da cidade.

PSD: Rangel considera legislativas antecipadas um cenário “pouco provável”, mas garante estar “preparadíssimo” para tal

O candidato à liderança do PSD considera que Rui Rio tem alienado votantes do leque alargado que o PSD necessita para vencer umas legislativas e acusa o atual líder de esperar que o PS perca eleições, em vez de as tentar ganhar.

Carlos Moedas toma posse e garante compromissos sem contrariar “princípios fundamentais” do seu programa

O novo autarca da capital coloca como prioridades o apoio aos jovens e aos mais idosos, bem como a habitação e a mobilidade, e lembrou que tem ampla experiência na busca de acordos de compromisso com as mais variadas forças políticas.
Comentários