Portugal já paga taxa negativa para vender dívida a 10 anos

O Tesouro emitiu um total de 1.250 milhões de euros em dívida de médio e longo prazo. Na maturidade a 10 anos, a taxa de juro foi de -0,012%. Até agora, Portugal só tinha conseguido taxas negativas em obrigações a seis e oito anos.

O IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública – emitiu esta quarta-feira um total de 1.250 milhões de euros, num leilão duplo de Obrigações do Tesouro (OT) com maturidades em 2030 e 2035, tendo pago pela primeira vez uma taxa negativa para vender dívida a 10 anos.

A agência liderada por Cristina Casalinho emitiu 500 milhões de euros em OT com maturidade em outubro de 2030 e 750 milhões em dívida com prazo em outubro de 2035.

Na dívida a 10 anos, o Tesouro pagou uma taxa de colocação de -0,012%. A última colocação dessa maturidade ocorreu a 9 de setembro, quando Portugal pagou uma taxa de 0,329%. Até à data, o IGCP só tinha conseguido taxas negativas em maturidade de OT, as de seis e de oito anos . Em outubro, no último leilão realizado, o Tesouro pagou uma taxa de -0,085% para emitir dívida a oito anos.

Esta quarta-feira, na maturidade mais longa, o IGCP pagou uma taxa de colocação de 0,319 %.

No leilão a dez anos a procura superou 3,02 vezes a oferta, enquanto no leilão com maturidade mais longa superou 2,55 vezes a oferta.

“O risco de Portugal bem como dos países da periferia europeia, têm vindo a descer para mínimos, movimento que foi mais acentuado no último trimestre de 2020. Este movimento tornou possível voltar a baixar as taxas na emissões realizadas”, diz Filipe Silva, diretor de Investimentos do Banco Carregosa sobre a emissão desta quarta-feira.

No mercado secundário, a taxa das OT portuguesas a 10 anos, o benchmark para a dívida nacional negoceia esta quarta-feira nos 0,019%, em terreno positivo, depois ter entrado em terreno negativo pela primeira vez em dezembro.

A dívidas soberanas da zona euro têm beneficiado da politica acomodatícia implementada pelo Banco Central Europeu (BCE), que inclui taxas de juro em níveis ultra-baixos e programas de compra de ativos.

“COVID-19 fez com que os Bancos Centrais tivessem de aprovar planos de estímulos sem precedentes para suportar cada uma das diferentes economias. Na Europa o pacote aprovado de cerca de 1,8 triliões de euros explica bem este movimento, os países, empresas e famílias, necessitam de suporte o que significa que para já iremos continuar a ter taxas baixas, pois um movimento inverso poderia deitar por terra a recuperação desejada”, salienta Filipe Silva, vincando que “para Portugal também é bastante importante conseguir emitir dívida de longo prazo com taxas baixas e o panorama atual, tem-no permitido, mas tal não seria possível sem o devido suporte do BCE”.

[Atualizado às 11h51]

Ler mais

Recomendadas

Venda de ações reforça noção que a CTG vê a EDP como investimento financeiro, diz o BPI

A estatal chinesa lançou uma OPA sobre a totalidade da EDP em maio de 2018, mas desistiu após a alteração dos estatutos para acabar com o limite de votos de 25% por acionista ter sido chumbada. Desde essa altura, vendeu 1,8% em fevereiro de 2020, mas reforçou no aumento de capital em agosto.

‘Luanda Leaks’. CMVM fez seis comunicações à PJ e não descarta possibilidade de mais

“Estamos a fechar estes trabalhos com nove auditores analisados, em 27 entidades auditoras analisadas”, explicou Gabriela Figueiredo Dias aos jornalistas. “Foram enviados 12 processos para apreciação contraordenacional, relativamente a um auditor e há mais dois que estão em análise relativemente a outros auditores”

Eficácia, eficiência, proximidade, relevância: as metas da CMVM para 2021

A instituição liderada por Gabriela Figueiredo Dias estabeleceu quatro prioridades e quatro objetivos para 2021, um ano que apresenta “um contexto social, económico e financeiro adverso e marcado por elevada incerteza”.
Comentários