Portugal precisa de aprender a gostar de si próprio

A posição de Portugal nos rankings internacionais, que pode ser decisiva para atrair investimento, deve muito à imagem que temos de nós próprios. Para mudar o seu destino, Portugal tem de começar por gostar de si próprio, valorizando o que tem de bom e enfrentando sem medo os problemas que tardam em ser resolvidos.

A posição de Portugal nos rankings internacionais, que pode ser decisiva para atrair investimento estrangeiro, deve muito à imagem que temos de nós próprios. Por muitos problemas que Portugal possa ter, ninguém acredita que os nossos tribunais sejam piores do que os de alguns países africanos, ou que a nossa burocracia nos coloque ao nível de certas nações sul-americanas. Mas é desta forma que Portugal é retratado em estudos internacionais como o Global Competitiveness Index, que é publicado anualmente com base em estatísticas oficiais e em inquéritos realizados junto de empresários e gestores. Curiosamente, o nosso lugar no ranking melhorou desde que há alguns anos a componente estatística passou a pesar mais do que a avaliação subjetiva resultante dos inquéritos, passando da 43ª posição em 2014 para a 34ª em 2019.

Serão os nossos empresários demasiado pessimistas em relação ao país? Serão, como disse há dias o ministro Siza Vieira, excessivamente “queirozianos” na apreciação que fazem sobre a qualidade dos serviços públicos ou a proverbial lentidão da Justiça? A resposta será “sim” e “não” em simultâneo.

É “sim”, porque depois de três séculos em que interiorizámos o nosso atraso face ao norte da Europa, dizer mal de Portugal continua a ser visto como demonstração de inteligência, cultura e ‘mundo’. Seja no grupo de amigos, na crónica do jornal ou na resposta a um inquérito internacional, o português gosta de apontar o que está mal, muitas vezes com base em “achismos” e, se possível, atribuindo as culpas a alguém que não o próprio, a sua família ou clube de futebol (claro que, por esta lógica, nem este texto nem o seu autor escaparão a esta sina). Sendo que quem conhece um pouco do resto do mundo sabe que comparamos muito bem em áreas como a Saúde, as infraestruturas, a capacidade de inovação de algumas empresas, a aposta nas energias renováveis. Para além de sermos um povo tolerante e pacífico, que vive num país bonito e seguro.

Porém, a resposta é também “não”, porque Portugal tem muitos problemas por resolver, como a lentidão da Justiça – veja-se os casos BES e Marquês -, a corrupção, a burocracia que impede o crescimento, a má utilização de recursos públicos e as desigualdades sociais.

No fim de contas, talvez o segredo para tratar a nossa crónica angústia existencial passe por aceitar estas diferentes dimensões, valorizando o que temos de bom e, com isso, ganhar força para resolver o que há de mau. Para mudar de fado, Portugal tem de começar por aprender a gostar de si próprio.

Recomendadas

E se o próximo governador fosse ‘canadiano’?

Com Centeno ou sem Centeno, o país só teria a ganhar se o próximo governador fosse escolhido através de um concurso internacional com critérios bem definidos, de maneira a deixar claro que o mérito deve pesar mais do que o percurso político, as ligações pessoais ou a cor do passaporte. Mas quem quer isso em Portugal?

O caso Vaz das Neves

O sorteio de distribuição de processos pelos juízes, feito através de um programa informático desde maio de 2014, tem tantas exclusões que poderá, afinal, ser dirigido quase tão precisamente como um drone em direção ao destino.

Macron e o Islão Político

A integração das comunidades muçulmanas nas sociedades europeias tem sido tratada pelas elites políticas francesas (e não só) de forma leviana. É um tema de elevada complexidade e tem profundas raízes económicas e sociais.
Comentários