Portugal recebe cada vez mais turistas dos Estados Unidos, Canadá e Brasil

Os quinze principais mercados emissores representaram 83,0% das dormidas de não residentes na hotelaria em dezembro.

A procura por Portugal como destino turístico tem crescido cada vez mais. Ainda que a procura por parte dos habitantes do Reino Unido e de Espanha tenha aumentado, países como a Polónia e os Países Baixos têm registado um enorme decréscimo no número de dormidas em Portugal.

Os mercados emissores que registaram um maior crescimento em 2018 foram os Estados Unidos (19,9%), o Canadá (16,7%) e o Brasil (9,4%). Os mercados com maiores quebras nas dormidas em 2018 foram a Polónia (-15,4%), os Países Baixos (-11,4%), o Reino Unido (-7,5%) e a Dinamarca (-7%). Os dados foram divulgados esta quinta-feira pelo INE.

O INE afirma que o mercado britânico é o que mais visita Portugal, com um total de 8,5 milhões de dormidas em 2018. No entanto, este mercado que enfrenta o processo político do Brexit recuou 7,5% face a 2017. Mesmo assim, reteve a maior quota de mercado (21%).

Segundo os dados divulgados pelo INE esta quinta-feira, o mercado alemão ocupa a segunda posição com um total de 5,4 milhões de visitas (13,2% do total). Todavia, o número de alemães recuou 4,3%.

Em terceiro, surge o mercado espanhol com um total de 4,1 milhões de dormidas, mais 1,9% face a período homólogo, e uma quota de 10,1%.

Na quarta posição, surge o mercado francês com uma queda de 2,7% para 3,8 milhões, com uma quota de 9,4%.

Na quinta posição, o mercado brasileiro foi responsável por 2,2 milhões de dormidas, mais 9,4% em 2018 para uma quota de 5,4%.

Ler mais
Recomendadas

Facebook expande programa de ‘fact checking’ independente em Portugal

A rede social anuncia expansão do programa de fact-checking em Portugal com o Polígrafo.

PremiumAeroporto do Montijo só vai ter reserva de combustível para três dias

Resumo não técnico do estudo de impacto ambiental elenca cenários de ocorrência de acidentes graves envolvendo substâncias perigosas.

PremiumCrescimento das trotinetes é insustentável

O vereador da mobilidade da CML diz que a micromobilidade em Lisboa já vale mais de 50 milhões de euros, mas o novo general manager da Lime entende que há ‘players’ a mais. “É insustentável existirem nove concorrentes em Lisboa e 25 em Madrid”, diz.
Comentários