Canábis. Portugal recebe sexta operação e aponta português para CEO

A novembro de 2019, a EXMceuticals obteve uma licença do Infarmed para importar, implementar Pesquisa e Desenvolvimento e refinar canabinoides e ingredientes à base de canábis para fins medicinais em Portugal. Paulo Martins foi apontado como CEO das operações em Portugal.

A produtora de canábis EXMceuticals nomeou Paulo Martins como CEO e diretor nacional das suas operações em Portugal. A empresa canadiana, que recebeu em novembro de 2019 uma licença do Infarmed para importar, implementar Pesquisa e Desenvolvimento (R&D, sigla em inglês) e refinar canabinoides e ingredientes à base de canábis no Centro de Inovação em Lisboa, prepara-se para ser a sexta empresa a entrar no mercado da canábis medicinal em Portugal.

Para além de Portugal, a empresa possui uma das maiores pegadas agrícolas para cultivo desta planta e cânhamo no mundo, com acesso a 7 mil hectares de terra fértil na região equatorial da África, segundo uma publicação do Health Europa. Os locais são escolhidos estrategicamente no equador, com as temperaturas ideais e uma abundância de água da chuva e solo fértil de modo a permitir uma operação de alta margem com baixos custos operacionais e de produção. E Portugal enquadra-se nesses critérios.

Num comunicado divulgado no site da empresa, Jonathan Summers, CEO e presidente do conselho da EXM, afirmou: “Temos a sorte de ter alguém do calibre e experiência de Paulo Martins para avançar para liderar a EXM Portugal”. Segundo a nota, Paulo Martins, que integra a equipa há nove meses, foi quem negociou a licença de Pesquisa e Desenvolvimento com o Infarmed.

A EXMceuticals possui licenças completas de importação, cultivo, transformação e exportação no Uganda, na República do Congo (RDC) e uma licença piloto no Malawi. A EXMceuticals também enviou solicitações e negociou com governos locais e parceiros na Etiópia, Malawi, Zâmbia, Suazilândia e Burundi, para obter licenças para permitir o cultivo de canábis e cânhamo, bem como o processamento, transformação e exportação de produtos psicotrópicos e ingredientes não-psicotrópicos de canabinóides.

Em nome do Conselho, Summers acrescentou: “O conselho acredita que o cargo de CEO de Portugal exige atributos adicionais para executar com êxito a estratégia da empresa. Paulo Martins possui as habilidades operacionais e de comunicação, ética e liderança adequadas para proporcionar uma execução aprimorada e desempenho financeiro.”.

Para já, a prioridade da EXMceuticals no primeiro semestre de 2020 será a instalação e o equipamento de uma fábrica de grau farmacêutico no sul de Lisboa que será finalizada de acordo com os padrões de boas práticas de produção. Uma vez licenciada comercialmente, isso permitirá o fornecimento e a exportação de ingredientes de canábis para toda a União Europeia e mais alguns mercados internacionais, sob a égide do Infarmed, informa a publicação.

O hub da empresa Portugal está projetado para purificar os extratos produzidos pela EXMFarming e servirá como porta de entrada para a distribuição de materiais manufaturados para a Europa e América do Norte.

O entusiasmo por Portugal é algo bastante palpável na indústria da canábis medicinal e existe por uma razão. Nos últimos anos, várias empresas iniciaram as suas atividades no país para aproveitar os muitos benefícios que oferece em termos de incentivos governamentais, oportunidades de desenvolvimento e inovação.

Uma das empresas, a Tilray Portugal, tem certificado de Boas-Práticas de Fabrico, além da autorização para cultivo, importação e exportação na zona de Cantanhede e Reguengos de Monsaraz.

As restantes empresas com autorização para cultivo, importação e exportação são a Terra Verde, em Alcochete, a RPK Biopharma, em Sintra e em Aljustrel, a Sabores Púrpura, em Tavira, e a VF 1883 Pharmaceuticals, em Benavente.

Ler mais
Relacionadas

Infarmed já autorizou cinco empresas a cultivar canábis para fins medicinais

A Tilray Portugal tem certificado de Boas-Práticas de Fabrico, além da autorização para cultivo, importação e exportação na zona de Cantanhede e Reguengos de Monsaraz. As restantes são a Terra Verde, em Alcochete, a RPK Biopharma, em Sintra e em Aljustrel, a Sabores Púrpura, em Tavira, e a VF 1883 Pharmaceuticals, em Benavente.

Canadiana lança primeiro fundo de investimento de canábis na Europa

O fundo denominado de Medical Cannabis and Wellness ETF, estará disponível a partir da próxima segunda-feira, 13 de janeiro. Vai estar cotado na Alemanha e disponibilizado para investidores no Reino Unido, Itália e Irlanda.

Primeiro fundo de investimento na Europa dedicado à canábis está atento a Portugal

O fundo Medical Cannabis and Wellness ETF já está disponível e vai ser cotado na Alemanha, sendo válido para investidores do Reino Unido, Itália e Irlanda. Os canadianos explicam que as produtoras de canábis canadianas, localizadas em Portugal, não serão integradas no índice devido à produção para uso recreativo noutros países.

Mercado da canábis vale mais de 12 mil milhões de euros

Em 2021, a Europa representará 13% do mercado global de canábis, o que representa “um crescimento massivo em dois anos”, disse a diretora de serviços de clientes do Brightfield Group, Claire Kaufmann, na apresentação da pesquisa conduzida pela consultora.

Canadianos estão a produzir canábis medicinal no concelho de Reguengos de Monsaraz

Neste novo local de cultivo no Alentejo, conhecido pela produção de vinho, serão realizados o crescimento, a colheita e a secagem de materiais de canábis medicinal. A plantação foi realizada com sucesso em julho e a colheita está prevista para o outono.

De Cantanhede para todo o território europeu. Gigante canadiana de canábis aposta na expansão

Localizada em Cantanhede, a Tilray anunciou esta sexta-feira que vai acelerar o crescimento mundial e reforçar a administração com cinco novos nomes.
Recomendadas

Estudo Basef Seguros escolhe Fidelidade

O Basef Seguros – Barómetro de Serviços Financeiros é um estudo de referência realizado há mais de 20 anos pela Marktest, que dá a conhecer o comportamento da população portuguesa em relação ao setor segurador.

Menos de metade das empresas de turismo investiram em inovação no último ano

“Com este estudo, tentámos perceber qual o patamar em que estão as empresas no que respeita à transformação digital e à inovação”, diz Francisco Calheiros.

Quatro sindicatos do setor financeiro juntam-se para criar o “Mais Sindicato”

De acordo com os estatutos, serão agendadas, num prazo de seis meses, eleições para os órgãos diretivos da futura estrutura sindical – Mais Sindicato.
Comentários