Canábis. Portugal recebe sexta operação e aponta português para CEO

A novembro de 2019, a EXMceuticals obteve uma licença do Infarmed para importar, implementar Pesquisa e Desenvolvimento e refinar canabinoides e ingredientes à base de canábis para fins medicinais em Portugal. Paulo Martins foi apontado como CEO das operações em Portugal.

A produtora de canábis EXMceuticals nomeou Paulo Martins como CEO e diretor nacional das suas operações em Portugal. A empresa canadiana, que recebeu em novembro de 2019 uma licença do Infarmed para importar, implementar Pesquisa e Desenvolvimento (R&D, sigla em inglês) e refinar canabinoides e ingredientes à base de canábis no Centro de Inovação em Lisboa, prepara-se para ser a sexta empresa a entrar no mercado da canábis medicinal em Portugal.

Para além de Portugal, a empresa possui uma das maiores pegadas agrícolas para cultivo desta planta e cânhamo no mundo, com acesso a 7 mil hectares de terra fértil na região equatorial da África, segundo uma publicação do Health Europa. Os locais são escolhidos estrategicamente no equador, com as temperaturas ideais e uma abundância de água da chuva e solo fértil de modo a permitir uma operação de alta margem com baixos custos operacionais e de produção. E Portugal enquadra-se nesses critérios.

Num comunicado divulgado no site da empresa, Jonathan Summers, CEO e presidente do conselho da EXM, afirmou: “Temos a sorte de ter alguém do calibre e experiência de Paulo Martins para avançar para liderar a EXM Portugal”. Segundo a nota, Paulo Martins, que integra a equipa há nove meses, foi quem negociou a licença de Pesquisa e Desenvolvimento com o Infarmed.

A EXMceuticals possui licenças completas de importação, cultivo, transformação e exportação no Uganda, na República do Congo (RDC) e uma licença piloto no Malawi. A EXMceuticals também enviou solicitações e negociou com governos locais e parceiros na Etiópia, Malawi, Zâmbia, Suazilândia e Burundi, para obter licenças para permitir o cultivo de canábis e cânhamo, bem como o processamento, transformação e exportação de produtos psicotrópicos e ingredientes não-psicotrópicos de canabinóides.

Em nome do Conselho, Summers acrescentou: “O conselho acredita que o cargo de CEO de Portugal exige atributos adicionais para executar com êxito a estratégia da empresa. Paulo Martins possui as habilidades operacionais e de comunicação, ética e liderança adequadas para proporcionar uma execução aprimorada e desempenho financeiro.”.

Para já, a prioridade da EXMceuticals no primeiro semestre de 2020 será a instalação e o equipamento de uma fábrica de grau farmacêutico no sul de Lisboa que será finalizada de acordo com os padrões de boas práticas de produção. Uma vez licenciada comercialmente, isso permitirá o fornecimento e a exportação de ingredientes de canábis para toda a União Europeia e mais alguns mercados internacionais, sob a égide do Infarmed, informa a publicação.

O hub da empresa Portugal está projetado para purificar os extratos produzidos pela EXMFarming e servirá como porta de entrada para a distribuição de materiais manufaturados para a Europa e América do Norte.

O entusiasmo por Portugal é algo bastante palpável na indústria da canábis medicinal e existe por uma razão. Nos últimos anos, várias empresas iniciaram as suas atividades no país para aproveitar os muitos benefícios que oferece em termos de incentivos governamentais, oportunidades de desenvolvimento e inovação.

Uma das empresas, a Tilray Portugal, tem certificado de Boas-Práticas de Fabrico, além da autorização para cultivo, importação e exportação na zona de Cantanhede e Reguengos de Monsaraz.

As restantes empresas com autorização para cultivo, importação e exportação são a Terra Verde, em Alcochete, a RPK Biopharma, em Sintra e em Aljustrel, a Sabores Púrpura, em Tavira, e a VF 1883 Pharmaceuticals, em Benavente.

Ler mais
Relacionadas

Infarmed já autorizou cinco empresas a cultivar canábis para fins medicinais

A Tilray Portugal tem certificado de Boas-Práticas de Fabrico, além da autorização para cultivo, importação e exportação na zona de Cantanhede e Reguengos de Monsaraz. As restantes são a Terra Verde, em Alcochete, a RPK Biopharma, em Sintra e em Aljustrel, a Sabores Púrpura, em Tavira, e a VF 1883 Pharmaceuticals, em Benavente.

Canadiana lança primeiro fundo de investimento de canábis na Europa

O fundo denominado de Medical Cannabis and Wellness ETF, estará disponível a partir da próxima segunda-feira, 13 de janeiro. Vai estar cotado na Alemanha e disponibilizado para investidores no Reino Unido, Itália e Irlanda.

Primeiro fundo de investimento na Europa dedicado à canábis está atento a Portugal

O fundo Medical Cannabis and Wellness ETF já está disponível e vai ser cotado na Alemanha, sendo válido para investidores do Reino Unido, Itália e Irlanda. Os canadianos explicam que as produtoras de canábis canadianas, localizadas em Portugal, não serão integradas no índice devido à produção para uso recreativo noutros países.

Mercado da canábis vale mais de 12 mil milhões de euros

Em 2021, a Europa representará 13% do mercado global de canábis, o que representa “um crescimento massivo em dois anos”, disse a diretora de serviços de clientes do Brightfield Group, Claire Kaufmann, na apresentação da pesquisa conduzida pela consultora.

Canadianos estão a produzir canábis medicinal no concelho de Reguengos de Monsaraz

Neste novo local de cultivo no Alentejo, conhecido pela produção de vinho, serão realizados o crescimento, a colheita e a secagem de materiais de canábis medicinal. A plantação foi realizada com sucesso em julho e a colheita está prevista para o outono.

De Cantanhede para todo o território europeu. Gigante canadiana de canábis aposta na expansão

Localizada em Cantanhede, a Tilray anunciou esta sexta-feira que vai acelerar o crescimento mundial e reforçar a administração com cinco novos nomes.
Recomendadas

Sindicato dos Maquinistas critica falta de explicações da IP

Apesar das fortes críticas à IP, o SMAQ garante que se vai abster de fazer mais declarações sobre este assunto, preferindo aguardar, “serenamente, e confiante na competência do GPIAFF, pelo relatório final”.
cais do sodré, pink street

PME dizem que novas medidas do Governo “são de bradar aos céus”

“As últimas medidas anunciadas pelo Governo para as Micro, Pequenas e Médias Empresas são de bradar aos céus”, afirma em comunicado a CPPME, acrescentando que “a permissão para os bares noturnos e as discotecas poderem abrir das 08:00 às 20:00, em serviço de pastelaria, só pode ser uma brincadeira de mau gosto”.

Rede da Câmara de Comércio e Indústria retoma prospeção de mercados em setembro

Estão previstas missões empresariais à Sérvia, Marrocos, Polónia, Azerbaijão e Costa do Marfim,
Comentários