Portugal recua “significativamente” no indicador europeu de inovação

Na edição de 2021 deste indicador que demonstra o empenho da UE e dos seus Estados-membros na investigação e inovação, Bruxelas coloca Portugal no nono pior lugar, com 90 pontos, após seis anos consecutivos de melhorias.

Portugal recuou “significativamente” este ano no Painel Europeu da Inovação 2021, da Comissão Europeia, que demonstra o desempenho nesta área na União Europeia (UE), sendo ainda um “inovador moderado” e o nono país com pontuações mais baixas.

“Portugal é um Inovador Moderado. Ao longo do tempo, o desempenho relativo à UE tem vindo a aumentar até 2020 e diminuiu significativamente em 2021”, indica o executivo comunitário no capítulo referente ao país na análise hoje divulgada.

Na edição de 2021 deste indicador que demonstra o empenho da UE e dos seus Estados-membros na investigação e inovação, Bruxelas coloca Portugal no nono pior lugar, com 90 pontos, após seis anos consecutivos de melhorias.

“Os pontos fortes de Portugal estão nos sistemas de investigação atrativos, digitalização e utilização de tecnologias de informação. Os três principais indicadores incluem estudantes de doutoramento estrangeiros, copublicações científicas internacionais e mobilidade profissional de recursos humanos na área da ciência e tecnologia”, elenca a Comissão Europeia.

Porém, segundo Bruxelas, regista-se um “recente declínio no desempenho da inovação”, que a instituição atribui “à queda no desempenho nos indicadores utilizando dados de inquéritos sobre a inovação”, que escondem um “o forte aumento do desempenho no ensino terciário e o apoio do Governo à investigação e às tecnologias ligadas ao ambiente”.

Além disso, “Portugal tem quotas inferiores à média de inovadores em processos empresariais internos e inovadores que não desenvolvem inovações por si próprios”, estando ainda a “apresentar pontuações abaixo da média nos indicadores relacionados com as alterações climáticas”, adianta o executivo comunitário no relatório.

Criado em 2001, o Painel Europeu da Inovação fornece uma análise comparativa do desempenho da inovação nos Estados-membros da UE e noutros países, avaliando pontos fortes e fracos relativos dos sistemas nacionais de inovação e visando ajudar os países a identificar áreas que precisam de melhorar.

O objetivo é fomentar o desenvolvimento de políticas para melhorar a inovação na Europa e informar os decisores políticos no contexto global de rápida evolução.

Em termos gerais, a edição de 2021 do painel da inovação mostra que o desempenho de inovação continua a melhorar na UE.

“Em média, o desempenho da inovação aumentou em 12,5% desde 2014. Existe uma convergência contínua dentro da UE, com os países com desempenho inferior a crescerem mais rapidamente do que os países com desempenho superior, colmatando assim o fosso de inovação entre eles”, assinala o executivo comunitário na informação hoje divulgada.

Recomendadas

Operadora de jogo de Macau MGM China com resultado positivo de 12,6 milhões

A MGM China, operadora de jogo com dois casinos em Macau, anunciou esta quinta-feira um EBITDA positivo (lucros antes de impostos, juros, amortizações e depreciações) no segundo trimestre do ano.

Topo da agenda: o que vai marcar a atualidade esta quinta-feira

«Enquanto os parceiros continentais de Bruxelas e, do outro lado do Atlântico, a Fed insistem que a economia tem ainda alguns passos a dar até se poder pensar numa subida das taxas de juro, Londres deverá manter semelhante posição, podendo, no entanto, sinalizar já alguma abertura a considerar o próximo passo.

Levantamento de restrições e valorização da libra indicam recuperação do turismo britânico em Portugal

A fintech Ebury, especializada em pagamentos internacionais, diz que, tendo em conta a preferência dos portugueses por destinos de praia, os destinos mais vantajosos em termos cambiais são o Dubai (Emirados Árabes Unidos), as Caraíbas e Zanzibar, na Tanzânia.
Comentários