Portugal reeleito para o Comité dos Direitos Humanos das Nações Unidas

José Manuel Santos Pais, procurador-geral-adjunto da República, entrou para o Ministério Público em 1977 e desde 2009 que representa o Procurador-Geral no Tribunal Constitucional português.

Portugal foi reeleito como membro do Comité de Direitos Humanos da ONU, por mais quatro anos, em eleições realizadas na Assembleia-Geral da organização, na quinta-feira, em Nova Iorque.

Portugal é representado, desde janeiro de 2017, por José Manuel Santos Pais, reeleito esta quinta-feira para o corpo de 18 especialistas independentes que monitorizam a implementação do Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos (PIDCP).

José Manuel Santos Pais, procurador-geral-adjunto da República, entrou para o Ministério Público em 1977 e desde 2009 que representa o Procurador-Geral no Tribunal Constitucional português.

O magistrado português foi conselheiro jurídico do Ministério da Cultura (2006-2009) e membro da Comissão Interministerial sobre Macau (1997-1999), tendo ocupado outros cargos no Ministério da Justiça.

A eleição, inicialmente marcada para 15 de junho, mas adiada devido à pandemia da covid-19, decorreu na quinta-feira, na Assembleia-Geral da ONU, em Nova Iorque, e escolheu os países para continuar os trabalhos do comité que supervisiona os progressos internacionais em direitos humanos.

O comité é formado por 18 especialistas de diferentes nacionalidades. Os outros países eleitos na quinta-feira foram Canadá, Coreia do Sul, Egito, Espanha, Etiópia, Marrocos, Paraguai e Togo.

Desde 1978 que Portugal é membro do PIDCP, um “tratado fundamental para a proteção e promoção dos direitos humanos”, segundo a Missão Permanente de Portugal junto da ONU.

Com a reeleição, Portugal será membro do Comité de Direitos Humanos até 2025.

Ler mais
Recomendadas

Portugal pode ter papel central na definição da política da UE para África

O relatório aponta que Portugal “está em sintonia” com a proposta da Comissão Europeia, apresentada em março, para uma nova relação estratégica com África, que “recomenda uma relação mais forte e equilibrada entre as partes, inclusive através da cooperação em áreas-chave como a transição verde, a transformação digital, o crescimento e emprego sustentável, a paz e a governança e a migração e mobilidade”.

Eleições EUA: Irão e Rússia estão a tentar interferir nas presidenciais

Em relação à Rússia, o diretor nacional dos serviços de informação disse não haver provas até ao momento de que tenha utilizado as informações que obteve.

UE: Presidência portuguesa pode contribuir para relação pragmática com China

Portugal tem “uma das ligações mais antigas de qualquer país europeu com a China” e, “com a exceção do Estado Novo de Salazar, as relações entre os dois países sempre foram estáveis e frutíferas”.
Comentários