Portugal sem plano B

Apenas manter as aparências e assumir que “as dívidas são para gerir”, não só não vai retirar-nos da cauda da Europa como irá restringir a nossa liberdade.

Na apresentação da proposta de Orçamento do Estado, o ministro das Finanças foi insistindo na ideia: Portugal tem de continuar a passar uma imagem de responsabilidade e credibilidade para continuar a financiar-se a juros baixos. João Leão foi ainda mais longe e congratulou-se pelo facto de Portugal poder poupar em juros pagos, apesar do aumento da dívida. Não referiu, no entanto, a importância fulcral do contexto de política monetária ultra expansionista por parte do Banco Central Europeu (BCE).

O OE 2021, a par destas declarações, clarifica a estratégia para os próximos anos: aumentar o peso do Estado, persistindo numa trajetória de endividamento alto, mas sem aumentar o PIB potencial. Aprofundar-se-á a dependência das decisões e apreciações de Frankfurt (BCE) e de Bruxelas (Comissão Europeia).

Nesta fase, os ventos sopram de feição à estratégia, dado que o choque económico que se abateu sobre a UE é simétrico e as autoridades estão muito complacentes em termos fiscais e monetários. Mas virá o dia em que estes paraquedas pan-europeus deixarão de existir e, quando os países estiverem prontos a arrancar, continuaremos com uma máquina obsoleta e com cada vez mais lastro.

O caminho para a independência de um país passa por um rácio de dívida/PIB a descer. Tal só pode acontecer liberalizando a economia, tender para a redução de despesa e dando condições ao crescimento do produto, que só os privados poderão assegurar. Apenas manter as aparências e assumir que “as dívidas são para gerir”, não só não vai retirar-nos da cauda da Europa como irá restringir a nossa liberdade. Refém dos juros baixos, Portugal não tem plano B.

Recomendadas

Wall Street fecha semana no verde com perspetiva de estímulo à economia a sobrepor-se à fraca criação de emprego

Apesar dos fracos números da criação de emprego em novembro, os mercados animaram-se com as declarações de Nancy Pelosi sobre um possível acordo bipartidário para um pacote de estímulos à economia americana, isto depois do líder do Senado ter admitido o mesmo na quinta-feira.

Bolsa de Lisboa fecha em alta numa sessão animada em toda a Europa

Galp dispara mais de 5% com subida do preço do petróleo, após o anúncio de um acordo da OPEP+ em suavizar os aumentos previstos de produção de crude. O BCP fechou em alta de mais de 2% e já está acima dos 12 cêntimos.

Vencedor de concurso da Católica Porto Investment Club alerta que CBDC são “questão de segurança nacional”

Nuno Loureiro, vencedor do concurso Champion Chip 2020, organizado pela Católica Porto Investment Club, alerta que a infraestrutura tecnológica que suporta moedas digitais emitidas por um banco central (CBDC) poderão ser alvo de ataques cibernéticos de outros Estados.
Comentários