Portugal tem mais 850 mil eleitores que população em idade de votar

Emigração é a principal razão para haver menos habitantes do que eleitores. A diferença pode aumentar as despesas do Estado.

Há 8,5 milhões de pessoas em idade de votar em Portugal, mas o número de eleitores é de 9,4 milhões. A diferença é explicada pelo número de portugueses a viverem no estrangeiro, mas que mantêm morada no país, segundo noticia esta segunda-feira a “TSF” com base em números do Instituto Nacional de Estatísticas (INE).

A diferença de 10%, ou cerca de 850 mil pessoas, entre o número de eleitores e de habitantes resulta num encargo adicional para o Estado. O número de vereadores ou membros das juntas de freguesia e o financiamento público a campanhas eleitorais é calculado segundo o número de eleitores, o que significa que a diferença influencia a despesa pública.

É nos concelhos do interior que a discrepância é maior, sendo que a diferença é mais do dobro nos concelhos de Vila Pouca de Aguiar, Porto Moniz, Vila Nova de Paiva, Ribeira de Pena, Vimioso, Boticas e Montalegre, de acordo com a “TSF”. Tendo em conta a população real e a legislação, mais de 20 concelhos poderiam ter menos dois vereadores e uma redução no financiamento público.

Recomendadas

“Ninguém governa sozinho”. Costa está disponível para melhorar OE2020 na especialidade

O primeiro-ministro, António Costa, reiterou, no encerramento das Jornadas Parlamentares do PS, que esta é a melhor proposta orçamental que já apresentou desde que é líder do Governo, mas “nada impede” à Assembleia da República de a melhorar no debate da especialidade.
joacine_katar_moreira_livre

Joacine Katar Moreira exonera assessora jurídica do Livre na Assembleia da Républia

Advogada de profissão, Rute Serôdio é membro do partido da papoila e foi candidata às legislativas de 2019 pelo círculo de Santarém.

Personalidades da esquerda e da direita unidas nas críticas a André Ventura

O deputado do Chega propôs a deportação da deputada Joacine Katar Moreira. Em reação, personalidades dos dois lados do espectro político criticaram André Ventura. Bloco e PS defendem condenação das declarações no Parlamento.
Comentários