Portugal teve a quarta taxa de natalidade mais baixa da União Europeia em 2018

Portugal teve, em 2018, a quarta taxa de natalidade mais baixa entre os Estados-membros da União Europeia (UE), registando também uma perda de população para 10,28 milhões de pessoas, segundo dados comunitários divulgados esta quarta-feira.

Dados hoje divulgados pelo gabinete de estatísticas da UE, o Eurostat, revelam que a taxa de natalidade de Portugal foi, no ano passado, de 8,5‰, sendo a quarta pior da União e apenas ultrapassada por Itália (7,3‰), Espanha (7,9‰) e Grécia (8,1‰).

Em 2017, a taxa de natalidade tinha sido de 8,4‰ em Portugal. No que toca à taxa de mortalidade, Portugal ficou no ano passado a meio da tabela dos 28 países da UE, com 11‰, maior do que a registada em 2017 (10,7‰).

No dia 01 de janeiro deste ano, o país tinha, assim, cerca de 10,28 milhões de pessoas, menos do que as 10,29 milhões registadas no período homólogo anterior.

Em termos absolutos, foram registados 87 mil nascimentos e 113 mil mortes em Portugal no ano passado.

Acresce que, no início deste ano, a população portuguesa representava 2% de todos os residentes na UE.

Ao todo, a população da UE era de quase 513,5 milhões de pessoas no início deste ano, mais do que as 512,4 milhões de pessoas registadas em janeiro de 2018, aumento que tem em conta, principalmente, o fenómeno das migrações.

Durante todo o ano de 2018 foram, por seu turno, registadas 5,3 milhões de mortes e cinco milhões de nascimentos em toda a União.

Ler mais
Recomendadas

Amadora-Sintra transfere mais 32 doentes e monta enfermaria no Hospital da Luz

O enfermeiro-chefe do Hospital de Amadora-Sintra garante que a rede de oxigénio está neste momento estável e anunciou, em conferência de imprensa, que serão transferidos mais 32 doentes e que uma enfermaria será completamente transferida para o Hospital da Luz.

Fernando Medina reforça apoio a empresas e famílias com verba de 35 milhões de euros

Também as indústrias criativas, a atividade industrial, atividades desportivas e recreativas, atividades turísticas e as lojas com História passam a estar englobadas nos novos apoios a fundo perdido, caso verifiquem quebras superiores a 25% na faturação e não apresentem dívidas. No total serão alocados oito milhões de euros para estes sectores de atividade.

AstraZeneca responde a Bruxelas. CEO relembra que Reino Unido fechou acordo três meses antes da UE

“Não estou à procura de desculpas, honestamente. Estamos a dar o nosso melhor”, afirmou Pascal Soriot, garantindo que é totalmente falso sugerir que a AstraZeneca pudesse estar a “tirar vacinas aos europeus para vender a outros, com lucro”.
Comentários