Portugal vai “perder 200 milhões de euros num ano” mas Altice não vai “estorvar” compra da TVI

O processo de compra da dona da TVI pela Altice, por 440 milhões de euros, caiu por terra em junho do ano passado, quando o grupo espanhol Prisa, dono da Media Capital, confirmou a desistência do negócio. Hoje Alexandre Fonseca voltou a criticar a Autoridade da Concorrência (AdC) por durante meses não se ter pronunciado sobre o negócio.

Presidente executivo da Altice Portugal, Alexandre Fonseca | Foto cedida

O presidente da Altice disse hoje que vê com tranquilidade a compra da Media Capital pela Cofina e que o grupo não irá “estorvar”, mas que “como português” está “triste” por Portugal “perder 200 milhões de euros num ano”.

“[Olhamos] com expectativa, com olhos de espectador apenas (…) Estamos a observar com tranquilidade. É uma convergência aparentemente estritamente no setor dos ‘media’ e aí não somos um ‘player’ ativo hoje, ainda, pelo menos de relevo”, afirmou Alexandre Fonseca numa conversa com jornalistas, em Lisboa.

Contudo, disse, a Altice irá avaliar se este movimento poderá levar a empresa a “recuperar um projeto” de produção de conteúdos, depois de há um ano ter desistido da compra da Media Capital.

O processo de compra da dona da TVI pela Altice, por 440 milhões de euros, caiu por terra em junho do ano passado, quando o grupo espanhol Prisa, dono da Media Capital, confirmou a desistência do negócio. Hoje Alexandre Fonseca voltou a criticar a Autoridade da Concorrência (AdC) por durante meses não se ter pronunciado sobre o negócio.

O presidente da Altice disse ainda que “como português” está “triste” por Portugal “perder 200 milhões de euros num ano”, referindo-se ao facto de a Altice ter oferecido 440 milhões de euros pela Media Capital e hoje fontes do mercado indicarem que a compra da Media Capital pela Cofina dever ficar por cerca de metade desse valor.

“Portugal é um país para onde 200 milhões de euros é muito dinheiro. Não podemos dar-nos ao luxo de perder 200 milhões de euros só porque alguma entidade não teve capacidade de esse pronunciar”, afirmou.

Alexandre Fonseca afirmou ainda que a Altice continua à procura de oportunidades de negócio na áreas dos conteúdos, uma vez que a área de ‘media’ é estratégica para o grupo.

“O grupo Altice continua a observar a área dos ‘media’ como uma área que acha convergente com aquilo que é o nosso caminho enquanto estratégia de diversificação de portefólio. Vamos continuar atentos, mas sem estorvar, não podemos entrar naquela lógica que às vezes é muito latina ‘se não posso jogar à bola, ninguém joga’”, disse.

Depois de o Expresso ter dado conta das negociações, no dia 14 de agosto, a Cofina confirmou que estava a negociar com a Prisa a compra da Media Capital, dona da TVI, e um dia depois coube à empresa espanhola confirmar que estava em negociações em regime de exclusividade com a dona do Correio da Manhã.

Em 16 de agosto, a Cofina adiantou estar a negociar com a Prisa a aquisição da Vertix, que detém 94,69% da Media Capital, admitindo lançar uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) sobre a dona da TVI.

No mesmo dia, o Sindicato dos Jornalistas (SJ) manifestou-se “preocupado” com o impacto de uma eventual compra da Media Capital pela Cofina, “nomeadamente no que respeita à concentração dos ‘media’” e à manutenção dos postos de trabalho.

“A excessiva concentração dos ‘media’ tem repercussões ao nível da pluralidade e qualidade da informação e, nesse sentido, o SJ considera que a Entidade Reguladora para a Comunicação Social tem de se pronunciar rapidamente sobre o negócio em curso”, refere o sindicato, em comunicado.

A Cofina detém Correio da Manhã, CM TV, Sábado, Record, Jornal de Negócios, entre outros.

Por sua vez, a Media Capital detém os canais TVI, a rádio Comercial, entre outros meios.

Ler mais
Recomendadas

Diretor executivo de tecnologia da Microsoft escolhido por Siza Vieira para a Transição Digital

O gestor da Microsoft Portugal foi o nome escolhido pelo ministro Pedro Siza Vieira para ocupar a nova secretaria de Estado, que terá como função dar à tecnologia um papel ativo na simplificação de processos.

Cerca de 60 pessoas em protesto contra o fecho dos CTT no Monte de Caparica

Cerca de 60 pessoas protestaram hoje contra o fecho do único posto de correios no Monte de Caparica, em Almada, no distrito de Setúbal, afirmando que vão “lutar até ao fim” para que permaneça na freguesia.

A senhora que se segue no Turismo é Rita Marques, atual CEO da Portugal Ventures

Rita Marques lidera a Portugal Ventures, entidade que resultou da fusão de três Sociedades de Capital de Risco em Portugal – AICEP Capital, InovCapital e Turismo Capital.
Comentários