Portugal Ventures investiu 17,7 milhões de euros em ano de pandemia

Desde 2012, a Portugal Ventures já investiu 146 milhões de euros em 130 novas empresas. 

Em 2020, ano de pandemia, a Portugal Ventures, sociedade de capital de risco que integra o Grupo Banco Português de Fomento, investiu 17,7 milhões de euros. E prevê acolher mais 59 ‘startups’ no seu portefólio.

“Com um enquadramento económico de grande incerteza financeira, fomos chamados a intervir para apoiar empreendedores e ‘startups’: realizámos 12 novos investimentos e temos 47 projetos em processo de investimento”, asseguram os responsáveis da Portugal Ventures em comunicado.

Entre os novos investimentos apadrinhados pela Portugal Ventures, referência para a Algarve Sun Boat, a primeira empresa de turismo marítimo do Algarve a operar com uma frota 100% ecológica, sem emissões de carbono e em embarcações eletro-solares.

A Barkyn é um serviço de subscrição para animais de estimação, que integra alimentação personalizada e veterinário à distância.

Por seu turno, a Ronda Series A é um coinvestimento com a Indico Capital Partners, a All Iron Ventures e o Fundo 200M.

EatTasty é a designação de uma ‘startup’ que se dedica à confeção e entrega de almoços e jantares acabados de fazer na Grande Lisboa e Almada, através de uma plataforma ‘online’ e sem cobrar taxa de entrega.

A Fülhaus é uma empresa de ‘design’ de interiores que oferece a solução ‘Haus-in-a-Box’ através de um modelo de subscrição mensal para o mercado de AL – Alojamento Local.

Também a HiJiify é uma solução inovadora, que centraliza, automatiza e mede todas as atividades de atendimento ao cliente de hotéis, integrando tecnologia numa plataforma robusta, usada diariamente em mais de 1.400 hotéis, em 30 países.

Entretanto, a Legal Vision é uma ‘legaltech’ que apresenta uma solução ‘all-in-one’, especializada na digitalização e automatização de processos jurídicos.

A Mindprober é a primeira plataforma mundial de ‘media testing’ biométrico que oferece dados acerca do impacto emocional de televisão e outros conteúdos vídeo, através da captura das reações fisiológicas. Trata-se de uma operação em coinvestimento com a Wisenext, Ideias Glaciares, Ganexa, Startup Braga, Medioris e Blue Mind Investment.

A LiMM Therapeutics é uma empresa biofarmacêutica que desenvolve produtos terapêuticos para o tratamento de doenças inflamatórias, metabólicas e oncológicas. Estamos perante uma operação em coinvestimento com a Seventure Funds e o Fundo 200M.

Já a Probely deteta vulnerabilidades e outros problemas de segurança em aplicações web e APIs. É uma operação em coinvestimento com a EDP Ventures.

A Reatia desenvolve, com recurso a IA – Inteligência Artificial, uma plataforma agregadora de imóveis particulares e de agências imobiliárias, inovadora para o acompanhamento do mercado imobiliário. Trata-se de uma operação realizada em coinvestimento com a Olisipo Way e a Wisenext.

Por fim, a Wide Ocean Retreat, constitui o primeiro investimento da edição ‘Call Fostering Innovation in Tourism 2020’, e é especializada na organização de retiros em todo o mundo para a prática de ações de ‘wellness’.

“Num ano especialmente desafiante para as empresas do nosso portefólio, e porque era necessário dotá-las de capacidade financeira para alavancar os seus negócios, realizámos reforços de investimento no valor de 4,2 milhões de euros em 14 empresas do portefólio (…)”, destacam os responsáveis da Portugal Ventures, acrescentando que
“criámos, também, condições de desinvestimento, realizando com êxito seis ‘exits’ para ‘players’ internacionais de referência nos seus setores de atividade”.

Entre as iniciativas lançadas pela Portugal Ventures, desde o início de 2020, contabilizaram-se cinco: ‘Call INNOV-ID’, ‘Call Fostering Innovation in Tourism’, ‘Operação Follow-ons’, ‘Open Day’ e ‘Call Tourism’.

“No primeiro semestre [de 2020], com o lançamento de três instrumentos de financiamento, registámos em mais 150% o número de oportunidades de investimento”, assinalam os responsáveis da Portugal Ventures.

Esta sociedade de capital de risco conta ainda cm uma rede de parceiros: “para estarmos mais próximos do ecossistema e apoiar ‘startups’ e empreendedores de forma eficaz, fizemos crescer a nossa rede de parceiros com mais 27 novos ‘Ignition Partners’, mais três novos ‘Capital Partners’ e quatro parceiros na Rede ‘Corporate Partners'”.

“Na primeira sexta-feira de cada mês, vamos ouvir os empreendedores que tenham projetos com ambição global, com capacidade de internacionalização e com equipas resilientes, comprometidas em encontrar soluções únicas para problemas reais da sociedade”, revela o comunicado da Portugal Ventures.

Na atualidade, esta sociedade de capital de risco tem sob gestão 184 milhões de euros e mais de cem empresas no portefólio, investindo em ‘startups’ que criam soluções inovadoras com capacidade de internacionalização nas áreas de Digital, Engenharia&Indústria, Ciências da Vida e Turismo, nas fases ‘pre-seed’, ‘seed’ e ‘series A’.

Desde 2012, a Portugal Ventures já investiu 146 milhões de euros em 130 novas empresas.

Recomendadas

Trabalhadores da Saint-Gobain mantêm luta, considerando as propostas da empresa insuficientes

Os trabalhadores da Saint-Gobain em Santa Iria da Azóia, Loures, decidiram esta sexta-feira manter as ações de luta, por recusarem o encerramento da fábrica e considerarem que as propostas da empresa não são uma alternativa ao despedimento dos 130 funcionários.

Efacec: Empresa e alguns trabalhadores alvo de despedimento coletivo chegam a acordo

A primeira sessão do julgamento relativo ao despedimento coletivo efetuado em agosto de 2018 pela Efacec terminou hoje, sexta-feira, com acordo entre a empresa e alguns trabalhadores, enquanto outros continuam a reclamar a reintegração, avançou fonte sindical.

Siza Vieira: Efacec com restrições no acesso à banca precisa de “novo acionista de controlo”

O ministro da Economia e Transição Digital, Pedro Siza Vieira, admitiu hoje, sexta-feira, estar preocupado com as restrições de acesso à banca da Efacec e disse que a melhor solução é encontrar “um novo acionista de controlo” para a empresa.
Comentários