#Portugexit: PCP vai fazer campanha pela saída do país da UE em março

Comité Central nega que a iniciativa vise aproveitar a onda anti-Europa, expressa pelo referendo de 23 de junho no Reino Unido que conduziu ao Brexit.

O Partido Comunista está a preparar uma campanha a favor da saída de Portugal da zona euro e a renegociação da dívida. A iniciativa prevê a distribuição de folhetos, outdoors, cartazes e sessões nas empresas e universidades de norte e sul do país.

Ao Público, Vasco Cardoso, membro da Comissão Política do Comité Central, diz que ainda não há uma data formal para o início da campanha mas que a ideia é começar agora em janeiro os preparativos para os próximos meses.

Vasco Cardoso afirma ao jornal que em fevereiro será publicado um texto coletivo com a sistematização da posição comunista sobre a “renegociação da dívida, a preparação para a saída do euro e a recuperação do controlo público da banca”, bem como uma análise ao cenário atual do país.

Em março e abril, a expetativa é iniciar as sessões de debate em várias empresas e universidade, “privilegiando o meio académico dos cursos de economia, gestão e relações internacionais”. Nesta altura chegaram também às ruas várias mensagens em outdoors e em folhetos dados em mão ou colocados em postes.

Nos dois meses seguintes, Vasco Cardoso quer realizar algumas manifestações nas ruas ou comícios de maiores dimensões para dar a conhecer a iniciativa comunista. Será também em maio e junho que entrará em vigor a dimensão mais formal da campanha, com a apresentação de iniciativas legislativas na Assembleia da República e no Parlamento Europeu.

“O PCP vai insistir na necessidade da realização de uma conferência intergovernamental sobre a renegociação da dívida pública e na consignação, no orçamento europeu, de uma compensação para os Estados-membros que queiram sair do euro por comprovadamente a moeda única lhes ter trazido consequências negativas”, salienta Vasco Cardoso ao Público.

A campanha, semelhante a uma verdadeira campanha eleitoral, foi anunciada depois da análise do Comité Central às conclusões do XX Congresso do partido em Almada. O Comité esclarece, no entanto, que esta estratégia não tem em vista aproveitar a onda anti-Europa, expressa pelo referendo de 23 de junho no Reino Unido que conduziu ao Brexit.

Ler mais
Recomendadas

Governo suspende 18 obras na ferrovia no norte e centro

A modernização da Linha do Oeste, entre Mira Sintra-Meleças e Caldas da Rainha, só deve arrancar no fim de 2020, sendo esta a data em que as obras deveriam estar concluídas e a ligação estabelecida e em funcionamento.

Angola: Orçamento Geral do Estado vai hoje a votos

A proposta final global prevê mais receitas e despesas para 2020. Dos 15,9 biliões de kwanzas (29,3 mil milhões de euros) consagrados, cerca de metade. é para pagar a dívida pública que é neste mo momento e 90% do Produto Interno Bruto angolano.

PSD quer debate alargado na concertação social para inverter declínio demográfico

Os social-democratas defendem que cabe ao Estado criar condições que incentivem a natalidade e que só um acordo entre os parceiros sociais pode levar a uma economia mais amiga das famílias e mais saudável. “Embora a decisão de ter filhos seja do foro pessoal, cabe ao Estado criar condições que favoreçam esta decisão”, defendem.
Comentários