Português que lidera a Kraft-Heinz promete “simplificar o negócio”

Kraft-Heinz tem passado dificuldades numa altura em que, no setor, há uma maior procura por produtos mais saudáveis. Miguel Patrício chegou à empresa há sete meses para inverter a tendência.

O português Miguel Patrício é o presidente executivo da multinacional Kraft-Heinz desde o verão de 2019 e, esta segunda-feira, em declarações ao “The Wall Street Journal”, revelou o seu principal objetivo na frente da gigante agroalimentar: “A minha tarefa é simplificar este negócio”. Por isso, o gestor português criou um cargo administrativo para o crescimento da empresa, concretamente o de chief growth officer (administrador do crescimento, tradução livre).

A multinacional cujo capital é maioritariamente detido pelo “oráculo de Omaha”, Warren Buffet, recrutou Miguel Patrício quando atravessava um período difícil, sendo que em 2018  a receita anual da Kraft-Heinz foi de 26 mil milhões de dólares, 10% inferior à receita combinada Kraft Foods Group e da H.J. Heinz em 2014, um ano antes de uma das maiores fusões do setor. A chegada do gestor português também é uma aposta na mudança de estratégia e, nesse sentido, além da criação de um pelouro administrativo para o “crescimento” da multinacional”, o CEO decidiu reduzir pela metade o número de lançamentos de novos produtos.

Porquê limitar o lançamento de novos produtos? O CEO da Kraft-Heinz acredita que a empresa tem falhado na análise ao mercado, concretamente que os consumidores procuram produtos mais saudáveis, sendo que a empresa que agora lidera está associada a produtos alimentares menos saudáveis – daí a quebra nas vendas de marcas conhecidas. O facto de o portfólio da gigante do agroalimentar abranger diversas áreas da distribuição alimentar também não ajuda. O gestor quer, por isso, apostar numa estratégia seletiva.

“Se tentar inovar em 56 categorias diferentes a cada ano, não será possível ter sucesso em todas. Temos de ser mais seletivos”, disse Patricio.

Sem especificar quais as suas apostas, Patrício quererá focar a sua estratégia para o crescimento da marca internacional de produtos alimentares

Apesar dos resultados anuais de 2018 não terem sido satisfatórios para quem investe na empresa, a Kraft-Heinz antevê apresentar apresentar ganhos relativamente ao ano de 2018 (os resultados são divulgados em 13 de fevereiro).

Ler mais
Recomendadas

PremiumIsraelitas já têm planos para mais hotéis em Lisboa

O grupo Fattal vai abrir um hotel de quatro estrelas na baixa de Lisboa em 2022, num investimento de 20 milhões. A companhia detém 200 hotéis e procura mais oportunidades em Lisboa, Porto, Estoril e Algarve.

PremiumPortugueses dominam negócio milionário dos transplantes capilares

Alta tecnologia e investigação científica promovida por Paulo Ramos, associado aos fundos Vallis-Hermes e a CR7, permitiu criar rede que fatura milhões.

PremiumJerónimo Martins vai investir até 750 milhões para ter mais 290 lojas em 2020

Ara, na Colômbia, vai ter mais 130 lojas, e Biedronka, na Polónia, mais 100. Em Portugal, o Pingo Doce vai apostar num novo conceito de loja.
Comentários