Portuguesa Musiversal levanta 1,36 milhões de euros em ronda de financiamento

A ronda de financiamento ‘seed’ foi liderada pela Shilling, sociedade de capital de risco portuguesa, e contou ainda com a participação dos investidores iniciais, nomeadamente a LC Ventures, REDangels e Best Horizon. 

Com o objetivo de tornar mais acessível a criação e produção musical, a startup portuguesa Musiversal levantou 1,36 milhões de euros numa ronda de financiamento. A plataforma, que dá nome à empresa, disponibiliza músicos e produtores de estúdio para sessões de gravação de música.

A ronda de financiamento seed (inicial) foi liderado pela Shilling, sociedade de capital de risco portuguesa, e contou ainda com a participação dos investidores iniciais, nomeadamente a LC Ventures, REDangels e Best Horizon.

Com o investimento captado, a plataforma portuguesa de produção musical pretende “acelerar o crescimento, tendo o objetivo de quadruplicar o número de utilizadores”.

A criação da nova plataforma da Musiversal, em setembro de 2020, aconteceu numa altura em que a indústria musical enfrentava uma das piores crises de que há memórias, como consequência da pandemia de Covid-19. A solução da Musiversal é, através de uma subscrição mensal, permitir que músicos, produtores e engenheiros de som, “participem em sessões de gravação de música diretamente de casa”. Em 2021, a plataforma atingiu o marco das 3 mil sessões de gravação por mês.

“Os nossos utilizadores classificam as sessões com cinco estrelas em 98% das vezes que utilizaram a Musiversal, ou seja, sabemos que criámos uma subscrição que é um sucesso para os compositores e produtores de música. Agora, a nossa missão é fazer com que mais compositores experimentem o serviço”, afirma André Miranda, fundador e CEO da Musiversal.

Por sua vez, Ricardo Jacinto, sócio da Shilling salienta que, “a Musiversal está a entrar numa nova fase: esta ronda vai consolidar o seu crescimento e permitir à startup aproveitar a enorme oportunidade que surgiu com a pandemia, no sentido de facilitar o acesso à criação e à produção musical. Estamos muito satisfeitos por apoiar uma equipa tão dedicada, com tanta experiência e já com provas dadas em tão pouco tempo de existência”.

O modelo de negócio da Musiveral, segundo afirmam, permite tornar o processo de produção musical “dez vezes mais barato, facilitando o acesso ao processo de gravação de música” e ao contrário de outras tecnológicas da indústria musical, a Musiversal acredita que um modelo que dá um rendimento fixo aos músicos em vez de um rendimento altamente volátil é uma das “chaves do sucesso para uma expansão global e atrair os melhores músicos para estarem disponíveis na plataforma”.

Relacionadas

Plataforma portuguesa de música quer contratar 100 artistas

Até à data, e desde que foi criada, a plataforma já atingiu três mil sessões de gravação de música por mês. Com a nova contratação de 100 músicos, a Musiversal pretende atingir 20 mil sessões de estúdio por mês, utilizando músicos de estúdio, produtores e engenheiros.
Recomendadas

Lista do quadros do Montepio alerta que 57% dos associados não pode votar presencialmente

“Verificou-se que a atual Administração optou por deixar de fora do voto presencial os Associados dos Açores, Madeira, Faro, Évora, Beja, Guarda, Castelo Branco, Portalegre, Setúbal, Leiria, Aveiro, Coimbra, Viseu, Viana do Castelo, Bragança, Braga, Santarém e Vila Real”, alerta a lista liderada por Pedro Gouveia Alves.

Marcelo defende que Estado e privados se unam na reconstrução do turismo

“É necessário que os agentes privados e os poderes públicos tenham uma visão coletiva a médio prazo. Os privados sabem que a retoma da atividade turística requer um horizonte a vários anos. É bom que Estado partilhe essa necessidade de uma visão a médio e longo prazo para o turismo”, defendeu o Chefe de Estado.

5G: Com novas regras em vigor, propostas somam os 375,4 milhões

As propostas dos operadores no leilão 5G somaram hoje 375,4 milhões de euros, no 180.º dia de licitação principal, de acordo com os dados divulgados pela Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom).
Comentários