Portuguesa PHC já tem nova sede. Custou 12 milhões e pretende “revolucionar” o mundo do trabalho

O projeto da nova sede da PHC foi da DST, a linha arquitetónica foi definida pela Openbook, sendo que o financiamento ficou a cargo do BPI. A PHC Software é uma multinacional portuguesa com escritórios em Oeiras, Porto, além de estar em Espanha, Angola, Moçambique e Peru.

Sede da PHC no Taguspark, em Oeiras

A tecnológica portuguesa PHC Software já tem nova sede para desenvolver o negócio. Localizada no parque empresarial de ciência e tecnologia Taguspark, a nova sede representa um investimento de 12 milhões de euros da empresa homónima gestora do parque de empresas cujo objetivo foi alojar a PHC no concelho de Oeiras.

Num comunicado conjunto da PHC e da empresa gestora do Taguspark, é referido que o edifício inaugurado, no dia 9 de abril, “vai acolher a sede da PHC Software, onde a multinacional portuguesa ambiciona redefinir o conceito de escritório e proporcionar a melhor experiência para trabalhar em Portugal”.

“Pensado de raiz para revoluliconar o futuro do trabalho”, as novas instalações da PHC têm 8.000 metros quadrados para acolher os 300 trabalhadores da empresa ao longo de três pisos de superfície, mais dois pisos com 250 lugares de estacionamento.

A nova sede da PHC, cuja construção foi anunciada em outubro de 2019, foi edificado como um “espaço para a criatividade e colaboração”.

“As instalações oferecem luz natural em todos os postos de trabalho e um terraço com vista privilegiada para o mar. Foi ainda feito um investimento no conforto acústico, para aumentar o foco e a produtividade. A pensar num novo e moderno conceito de trabalho na empresa, conta com vários espaços, nomeadamente auditórios, salas de reunião, estúdio de gravação, espaços de lazer e bem-estar e salas para incubação de startups, entre outros”, lê-se no comunicado.

“Quisemos ir além da ideia convencional de empresa e criar uma verdadeira house of digital business, onde os nossos trabalhadores têm todas as condições para ser altamente produtivos e com elevadas condições de bem-estar”, afirma o presidente executivo da PHC Software, Ricardo Parreira.

“Estou certo de que o conceito de escritório apresentado hoje vai marcar as tendências de futuro no mundo do trabalho. É com muita satisfação que vemos a PHC chegar ao Taguspark, o local ideal para continuar a inovar e a desenvolver a sua marca e os seus serviços”, salienta, por sua vez, Eduardo Baptista Correia, CEO do Taguspark.

Neste sentido, a empresa gestora do Taguspark espera que a nova sede da PHC represente “uma nova fase de desenvolvimento do Taguspark, no que diz respeito a novas construções, contribuindo assim para a evolução e modernização da arquitetura da cidade do conhecimento situada no concelho de Oeiras”.

A PHC Software é uma multinacional portuguesa de software de gestão, com escritórios em Oeiras, Porto, Madrid (Espanha), Maputo (Moçambique), Luanda (Angola) e Lima (Peru), e conta com mais de 34 mil clientes espalhados por mais de 25 países.

Ler mais
Recomendadas

PremiumTK Elevator sucede a ThyssenKrupp com 400 profissionais em Portugal

Independente desde 31 de julho de 2020, a empresa conta com uma carteira de 1,4 milhões de elevadores e escadas mecânicas no mercado nacional. Ricardo Malheiro, CEO da TK Elevator, explica ao JE o impacto da pandemia na atividade da empresa.

Depois da polémica com barragens, Governo anuncia investimentos de 90 milhões em Trás-os-Montes

O ministro do Ambiente anunciou investimentos – financiados pelo Orçamento do Estado, fundos europeus e Fundo Ambiental – para os 10 municípios transmontanos onde ficam localizadas as barragens vendidas pela EDP a um consórcio francês. Movimento Terras de Miranda tem exigido o pagamento de 110 milhões de euros em imposto de selo por esta transação no valor de 2,2 mil milhões de euros.
Supremo Tribunal de Justiça

Supremo indemniza maquinista da MTS despedido após levar filha na cabina

Relação de Lisboa já tinha defendido que responsabilidades parentais do trabalhador divorciado se sobrepunham aos direitos da concessionária do metro de superfície em Almada e no Seixal. Segue-se cálculo do valor a pagar a quem foi despedido por nove faltas consideradas injustificadas.
Comentários