PremiumPortugueses da LegalVision vão apoiar mais advogados em Espanha

A ‘legaltech’ com ADN português prepara-se para expandir o negócio na Europa, após ter recebido financiamento no valor de três milhões de euros por parte da Portugal Ventures e de fundo francês.

Miguel Figueiredo e Gonçalo Alves são os dois portugueses por trás da empresa LegalVision, que recorre à tecnologia para agilizar os processos jurídicos corporativos através de uma solução que permite aos profissionais gerir, criar, rever, validar e assinar documentos. A plataforma cria formulários personalizados, que automatizam o processo jurídico desde a recolha e validação dos dados até à garantia de que consta a informação necessária.

Os fundadores da legaltech (startup de tecnologia jurídica) dizem que a adoção do software que desenvolveram registou aumentos nas taxas médias de crescimento mensal de 10% de novos clientes durante o confinamento, reconfirmando que a pandemia acelerou a digitalização de todos os sectores. Ademais, anunciou recentemente que fechou uma ronda de três milhões de euros, no âmbito de uma operação de coinvestimento com a Portugal Ventures e um fundo de capital de risco francês.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Fusões e aquisições em Portugal caíram mas valor movimentado aumentou 5% em 2020

Apesar de ter sido (novamente) o mais ativo, o sector do imobiliário apresentou uma redução de 16% no volume de negócios, com 88 transações de compra e venda. A operação em destaque no quarto trimestre foi a conclusão da aquisição de 81,1% do capital da Brisa pelo consórcio liderado pela APG Asset Management, por 2,4 mil milhões de euros.

PremiumDuarte de Athayde: “Apesar da crise, o nosso volume de negócios subiu 13%”

O ‘managing partner’ da Abreu Advogados refere que, apesar do travão que as restrições causaram, a sociedade teve uma subida de, pelo menos, 18% na cobrança de honorários.

PremiumOrdem recebe queixas de inscrições indevidas na Segurança Social

A sustentabilidade da Caixa de Previdência dos Advogados e Solicitadores está em debate na AR. Jovens defendem que firmas devem comparticipar.
Comentários