Portugueses precisam de trabalhar 11 anos e sem gastar dinheiro para comprar casa

Em termos de comparação, os habitantes dos Estados Unidos conseguem comprar casa ao fim de 4,1 anos, enquanto na Nova Zelândia são necessários 18,7 anos.

São necessários 11,4 anos, sem gastar dinheiro, para que os portugueses comprarem casa própria, avançam novos dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económicos (OCDE), citados pelo “Diário de Notícias” esta terça-feira, 15 de junho. Este período temporal, com todo o rendimento depois dos impostos e descontos para a Segurança Social, permite que os portugueses comprem uma casa de 100 metros quadrados sem recorrer a empréstimos.

Portugal surge num grupo onde o rácio preço por rendimento durante o ano de 2020 apresentou um aumento constante, estando ao lado de países como Áustria, Finlândia, Alemanha, Luxemburgo, Suíça e Chile. Em termos de comparação, os habitantes dos Estados Unidos conseguem comprar casa ao fim de 4,1 anos, enquanto na Nova Zelândia são necessários 18,7 anos.

Segundo os dados obtidos pelo “Diário de Notícias”, e com base nos preços da última década, os portugueses têm de trabalhar mais alguns anos para comprar uma casa com tipologia T3, com três quartos, uma sala e uma cozinha.

No início da década, os portugueses precisavam de trabalhar durante 9,5 anos para acumular um valor confortável para adquirir uma casa com 100 metros quadrados, verificando-se então um crescimento de 1,9 anos ao longo dos dez anos, correspondendo a 7%.

Analisando os próximos 30 anos, a OCDE revela que Portugal está situado no grupo de países que vai sentir um alívio da pressão dos preços do imobiliário que se tem sentido na última década.

Recomendadas

Imobiliário: tecnologia “abre a porta” a investimentos nacionais e estrangeiros

A tecnologia está a transformar de forma profunda a gestão das transações e o fecho das operações deste sector, numa tendência que já se verificava e que se intensificou com a pandemia e o incremento das soluções tecnológicas, exemplifica Ricardo Sousa, CEO da Century 21 Portugal.

DST executa projeto no Porto Business Plaza numa empreitada de 3,8 milhões

Em comunicado a o grupo DST, diz que a sua subsidiária DTE, “empresa de instalações especiais do dstgroup, está a concluir os trabalhos no Porto Business Plaza, correspondente à reabilitação e reconversão do antigo Central Shopping, no centro do Porto, através da execução do projeto de AVAC e instalações especiais”.

Belas Clube de Campo. Clientes estrangeiros pesam 60% das vendas

Das vendas feitas no empreendimento ‘Lisbon Green Valley’, 60% dizem respeito a clientes do mercado estrangeiro. Com as alterações aos vistos gold no início de 2022, a promotora criou um conjunto de soluções para captar este tipo de investidores.
Comentários