Portugueses precisam de trabalhar 11 anos e sem gastar dinheiro para comprar casa

Em termos de comparação, os habitantes dos Estados Unidos conseguem comprar casa ao fim de 4,1 anos, enquanto na Nova Zelândia são necessários 18,7 anos.

São necessários 11,4 anos, sem gastar dinheiro, para que os portugueses comprarem casa própria, avançam novos dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económicos (OCDE), citados pelo “Diário de Notícias” esta terça-feira, 15 de junho. Este período temporal, com todo o rendimento depois dos impostos e descontos para a Segurança Social, permite que os portugueses comprem uma casa de 100 metros quadrados sem recorrer a empréstimos.

Portugal surge num grupo onde o rácio preço por rendimento durante o ano de 2020 apresentou um aumento constante, estando ao lado de países como Áustria, Finlândia, Alemanha, Luxemburgo, Suíça e Chile. Em termos de comparação, os habitantes dos Estados Unidos conseguem comprar casa ao fim de 4,1 anos, enquanto na Nova Zelândia são necessários 18,7 anos.

Segundo os dados obtidos pelo “Diário de Notícias”, e com base nos preços da última década, os portugueses têm de trabalhar mais alguns anos para comprar uma casa com tipologia T3, com três quartos, uma sala e uma cozinha.

No início da década, os portugueses precisavam de trabalhar durante 9,5 anos para acumular um valor confortável para adquirir uma casa com 100 metros quadrados, verificando-se então um crescimento de 1,9 anos ao longo dos dez anos, correspondendo a 7%.

Analisando os próximos 30 anos, a OCDE revela que Portugal está situado no grupo de países que vai sentir um alívio da pressão dos preços do imobiliário que se tem sentido na última década.

Recomendadas

Volume de investimento imobiliário deve ultrapassar os 2,5 mil milhões este ano, estima JLL

A consultora imobiliária indica que no primeiro semestre o mercado registou um volume de 575 milhões de euros, valor correspondente a uma quebra de 63% face ao mesmo período de 2020, mas com um aumento de 57% em relação primeiro trimestre de 2021.
Claude Berda e José Cardoso Botelho da Vanguard Properties

Claude Berda da Vanguard Properties já tem nacionalidade portuguesa

Segundo um comunicado Claude Berda foi notificado pela Conservatória dos Registos Centrais da conclusão do processo de nacionalização, “com sucesso”.

PremiumFundo da Sonae Capital vende Porto Palácio Hotel por 62,5 milhões de euros

Carteira vendida por fundo gerido pela Sonae Capital integra três edifícios, na zona da Avenida da Boavista, no Porto, com cerca de 48 mil metros quadrados de área. Grupo continua a gerir o hotel.
Comentários