Preço da eletricidade acelera no mercado ibérico e atinge valor recorde de 152 euros por MWh

Em dois dias consecutivos, o Mibel atingiu um valor recorde. Esta sexta-feira, preço da energia oscilará entre um mínimo horário de 146,29 euros por MWh e um pico de 159,31 euros por MWh.

Sexta-feira é dia de novo recorde no mercado grossista ibérico da eletricidade (Mibel), depois de esta quinta-feira, 09 de setembro, se te registado um novo máximo de 141,71 euros por megawatt hora (MWh) em Portugal e Espanha, um valor ligeiramente acima daquele verificado a 2 de setembro, altura em que o nível máximo histórico (agora ultrapassado duas vezes) fora de 140,23 euros/MWh.

Amanhã, 10 de setembro, a produção contratada atingirá um valor médio inédito de 152 euros/MWh. É o segundo recorde em dois dias.

Segundo os dados do OMIE, o operador do mercado diário e intradiário do Mercado Ibérico de Eletricidade (Mibel), o preço da energia esta sexta-feira ao longo do dia oscilará entre um mínimo horário de 146,29 euros por MWh e um pico de 159,31 euros por MWh.

Assim, depois de oito máximos históricos durante o mês de agosto (entre os quais cinco dias consecutivos de recordes, entre 9 e 13 de agosto), setembro continua igualmente sob forte pressão no mercado grossista de eletricidade (quatro dias de recordes consecutivos, entre 30 de agosto a 2 de setembro), motivada sobretudo pela contínua necessidade de recurso a centrais de ciclo combinado alimentadas a gás natural que se vêm pressionadas pelos elevados custos do gás natural e das licenças de emissão de dióxido de carbono (CO2).

O secretário de Estado Adjunto e da Energia, João Galamba, garantiu, esta terça-feira, que, com a informação disponível à data, não haverá “subidas significativas” do preço da eletricidade para os consumidores domésticos, mas não se comprometeu com a ausência de subida.

“Não nos comprometemos com valores concretos, não nos comprometemos se sobe 1%, se não sobe de todo […], o que sabemos é [que], face à enorme subida no preço grossista de eletricidade, temos os meios para evitar aumentos significativos dos consumidores domésticos e tudo faremos para que não haja aumentos, só que as contas só se fecham mais à frente e não temos toda a informação e portanto é tão longe quanto podemos ir”, afirmou o governante aos jornalistas, à margem da sessão de apresentação de um estudo sobre o impacto da eletricidade de origem renovável, apresentado ontem pela Associação Portuguesa de Energias Renováveis (APREN), num hotel em Lisboa.

No dia em que os preços no Mibel tinham atingindo os 130,53 euros/megawats/h (MWh), o ministro do Ambiente frisou que Portugal tem “muitas almofadas” para contrariar aumento do preço da eletricidade, frisando que o preço foi reduzido em 11% com este Governo.

“É óbvio que o aumento da eletricidade da produção é um fator que inibe a possibilidade de podermos reduzir o seu custo, temos muitas outras almofadas para o poder contrariar. Quem faz a conta final, é a ERSE”, adiantou.

Em Espanha, a ministra da Transição Ecológica, Teresa Ribera, já admitiu que a fatura da eletricidade pode disparar 25% este ano em relação a 2020, devido aos acréscimos no mercado ibérico, conforme noticiou o “El País”. Além disso, descartou qualquer intervenção pública na fixação de limites.

Em reação, o ministro do Ambiente garantiu que “quem vende eletricidade não tem feito nenhum aumento no preço”, algo que já corroborado pela EDP e Galp, embora a Iberdrola não subscreva à mesma posição.

“A situação de Portugal é completamente diferente da de Espanha, porque se o preço base para Portugal e Espanha é o mesmo, em Espanha a maior parte dos contratos e das variações são mensais. Em Portugal são anuais, não há qualquer comparação”, afirmou Matos Fernandes.

Recomendadas

Venda de smartphones sem carregador é correta à luz da lei?

Se o profissional não inclui um adaptador de corrente com o smartphone e que não informa, de forma cuidadosa, o consumidor – trata-se de uma omissão enganosa e, como tal, conduz ou é suscetível de conduzir o consumidor a tomar uma decisão de compra que não teria tomado de outro modo.

OE2022: Inquilinos defendem mais cinco anos para período de transição de rendas antigas

A Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL) defende o prolongamento por mais cinco anos do período transitório para contratos de arrendamento anteriores a 1990, sendo esta uma das medidas que quer ver incluída no Orçamento do Estado para 2022 (OE2022).

Lisboa. Avenida Fontes Pereira de Melo fecha ao trânsito temporariamente

Segundo a autarquia, a avenida estará encerrada para que se proceda à realização de trabalhos no coletor e reposição da infraestrutura, que estima durarem toda a semana.
Comentários