Preço dos iPhones pode disparar e a culpa é da ‘guerra comercial’

No mercado dos EUA, as vendas de iPhones caíram 19% no primeiro trimestre de 2019, e na China essas transações quebraram 25% nos últimos seis meses. O aumento das tarifas aduaneiras pode fazer com que o preço do produto-estrela da Apple sofra um aumento que poderá afetar as vendas.

A guerra comercial entre os Estados Unidos da América e a China pode vir a afetar as empresas norte-americanas que utilizem a mão-de-obra barata chinesa. Com a taxa aplicada aos chineses, passando de 10% para 25%, os cerca de 200 mil milhões de dólares em produtos chineses que chegam aos EUA podem estar em perigo.

Isto significa que a tecnológica Apple poderá ser obrigada a rever em alta os preços dos iPhone. A Morgan Stanley apresentou um relatório onde garante que esta nova taxa pode aumentar o preço deste dispositivo em 160 dólares (142 euros), no caso de um iPhone XS que é fabricado na região chinesa. O smartphone, nos EUA, é vendido por 999 dólares, e em Portugal é vendido por 1179 dólares.

Para que a venda de iPhones não seja afetada, a Apple poderá ser obrigada a assumir os custos de produção sem penalizar o preço final do produto para o consumidor. No entanto, na segunda-feira, a disputa comercial fez com que as ações da empresa sofressem uma quebra de 6%, caindo para os 186 dólares por ação. Esta é a maior queda desde 2013, mas desde o início do mês que as ações de Tim Cook têm apresentado uma desvalorização que já soma 11%.

No mercado dos EUA, as vendas de iPhones caíram 19%, para 14,6 milhões de unidades durante o primeiro trimestre de 2019. No entanto, as vendas na China também apresentaram uma quebra de 25% nos últimos seis meses, onde a Apple detém 7,4% do mercado.

Donald Trump admite que é possível fazer o acordo de forma rápida e afirma que esta troca de taxas pode provocar a saída de empresas da China. A Goldman Sachs afirmou que a guerra comercial pode aumentar os preços já praticados junto dos consumidores e que pode prejudicar o crescimento económicos dos EUA.

Tim Cook assumiu que esta guerra exige “um nível de foco e de atualização e modernização constantes”, e que estão a aumentar os esforços para retirar grande parte da produção para fora da China. Um analista da Loup Ventures assume que “a Apple está a explorar todas as opções” mas que as mudanças vão acontecer lentamente, “porque a empresa não tem uma alternativa fiável para produzir, neste momento, os seus smartphones”. 

Ler mais
Relacionadas

China aumenta tarifas comerciais e retaliação faz-se sentir em Wall Street

Pequim deu indicações para aumentar as tarifas em importações para 53 mil milhões de euros a partir de 1 de junho. Negociações nos EUA já refletem pessimismo dos investidores.

Já viu o “Mercados em Ação” desta semana? Guerra comercial e projeções económicas em debate

Shrikesh Laxmidas (Diretor Adjunto do JE) e Marco Silva (consultor de estratégia e investimento), abordam temas como a guerra comercial entre os EUA e a China, as projeções económicas da Comissão Europeia e a época de resultados das cotadas.

Trump baralha e volta a dar, mas sem trunfos

Na abertura da Europa na sessão de hoje é provável alguma recuperação, com vista a reflectir a melhoria verificada ontem nos EUA após a hora do almoço.
Recomendadas

Que fatores deve considerar se contratar um seguro contra sismos

As seguradoras para estabelecerem o valor concreto do contrato calculam os dados através da utilização de uma tabela que classifica cada concelho do país e regiões e que as organiza por cinco escalões. Perante um risco elevado, muitas seguradoras recusam até mesmo efetuar um contrato deste calibre, pois apresentam fortes indícios de perda financeira.

Incerteza leva famílias portuguesas a poupar mais

A taxa de poupança das famílias deverá continuar em rota ascendente este ano. Por outro lado, a pandemia não altera o perfil de investidor tipicamente conservador das famílias portuguesas.

Aprovada proposta do Governo para mora no pagamento de renda dos contratos não habitacionais até 31 de dezembro

A nova lei define que os donos de estabelecimentos, forçados a encerrar devido à pandemia, possam usufruir de moratória até 31 de dezembro
Comentários