Preços das casas de luxo em Lisboa já superam Madrid, Barcelona e Dubai

Valor do metro quadrado ronda os 10 mil euros e já está ao mesmo nível de cidades como Amesterdão e Miami. Estudo da consultora imobiliária Savills aponta para uma subida de entre 6% a 7,9% para 2020.

O valor do preço por metro quadrado das habitações de luxo em Portugal já ultrapassam os registados em Madrid, Barcelona, mas também no Dubai, Emirados Árabes Unidos, e na Cidade do Cabo, África do Sul, rondando em território nacional, os 10 mil euros/m2 em 2019. Por outro lado, este valor já coloca Portugal ao mesmo nível de cidades como Amesterdão e Miami. Os dados foram divulgados esta quinta-feira, 20 de fevereiro, durante a apresentação do “Residential Market Report”, pela consultora imobiliária Savills.

Para este ano, a consultora estima que estes preços possam ter um aumento de entre 6% a 7,9%, na cidade de Lisboa, algo que também deverá acontecer em Moscovo. Por sua vez, cidades como Paris, Londres e Berlim deverão ver um crescimento dos preços do metro nas zonas prime variarem entre os 2% e 3,9%, enquanto Madrid e Barcelona, devem manter o mesmo registo de 2019.

Ainda assim, os valores do mercado português encontram-se muito distantes quando comparados com o líder deste ranking, que é ocupado por Hong Kong, onde os preços do metro quadrado se situam nos 45 mil euros, dos cerca de 25 mil euros de Nova Iorque ou dos 20 mil euros de Tokyo que fecha o top-3. Das 28 cidades que integram esta lista, somente nove estão no continente europeu.

Na apresentação deste estudo a consultora aproveitou também para lançar as suas projeções para os próximos três anos, em relação ao mercado residencial para as áreas metropolitanas de Lisboa (AML) e do Porto (AMP) e da região do Algarve.

Para a AML está previsto um pipeline de 15 mil fogos, dos quais 7.550 estarão destinos para a capital portuguesa. O Centro Histórico (2.400) é aquele que receberá a maior parte das unidades residenciais, seguindo-se a denominada Zona Envolvente que vai desde a freguesia dos Olivais até Benfica (1.150), seguida por Arroios (720).

Em termos dos preços/m2 os valores mais elevados de acordo com as projeções da consultora serão nas freguesia de Santo António (9,500 euros/m2), Santa Maria Maior (9 mil euros/2) e Misericórdia (8 mil euros/2). Em sentido inverso Santa Clara (3 mil euros/m2) e Olivais (3.500 euros/m2) são as zonas com os valores mais baixos.

Olhando para a AMP estão previstos 11.600 fogos, dos quais 5.830 vão estar disponíveis na cidade do Porto. Tal como acontece em Lisboa, é no Centro Histórico (2.450) que estão previstas mais unidades residenciais, seguindo-se Paranhos (1.100) e Bonfim (660). Já os preços/m2 diferem significativamente dos praticados na capital.

O valor mais elevado encontra-se projetado para zona da Foz do Douro (5 mil euros/2), a qual se segue o Centro Histórico (4.300 euros/m2) e nas freguesias de Lordelo do Ouro e Massarelos (4.100 euros/m2). Os preços mais baixos são praticados na zona da Campanhã e Ramalde, ambas com 2.800 euros/m2.

Por fim a região do Algarve tem projetados para os próximos três anos 4.400 fogos, sendo as freguesias de Quarteira e Portimão duas das que mais unidades têm previstas. A consultora destaca também a chamada zona do ‘Triângulo Dourado’ que engloba Vilamoura, Vale do Lobo e Quinta do Lago, que deverão contar com 1.400 unidades, com um valor de 7 mil euros/m2.

Ler mais
Recomendadas

Parlamento aprova a suspensão das rendas e da caducidade dos contratos de arrendamento

As alterações na legislação sobre habitação autorizam que as famílias podem suspender o pagamento da renda durante o Estado de Emergência se registarem uma quebra superior a 20% dos rendimentos do agregado familiar, face aos rendimentos do mês anterior ou do período homólogo do ano anterior.

Preços das casas em Portugal sobem mais de 11% no primeiro trimestre

Lisboa continua a ser a cidade mais cara do país, seguida do Porto e Faro. Já as cidades mais económicas são Guarda, Castelo Branco e Bragança.

CMVM prorroga até 31 de maio deveres de reporte dos peritos avaliadores de imóveis

A Comissão de Mercado de Valores Mobiliários informou que foi prorrogado até dia 31 de maio de 2020 o prazo de reporte de informação, previsto na lei, para os peritos de avaliação de imóveis. Esse prazo é sucessivamente prorrogado por um mês até ao encerramento do Estado de Emergência.
Comentários