Preços das casas para arrendar caíram mais de 7% em Viana do Castelo e Lisboa

As maiores descidas nos distritos portugueses verificaram-se em Viana do Castelo (-8%), Lisboa (-7%), Braga (-6%), Leiria (-5%), Faro (-2%) e Porto (-2%). No sentido inverso verifica-se que Viseu subiu 20%, a ilha de São Miguel aumentou 19%, Vila Real cresceu 11% e Coimbra aumentou 6%.

Em ano pandémico, os preços das casos no mercado de arrendamento desceram 5,1%, comparando os meses de março de 2020 e 2021, indica o Idealista. De acordo com o índice de preços da plataforma, arrendar uma habitação tinha um custo de 11 euros por metro quadrado em março de 2021, notando-se uma descida trimestral de 1,7%.

Os dados da plataforma mostram que a Área Metropolitana de Lisboa foi onde os preços mais desceram, apresentando uma queda de 6,4%, enquanto no Algarve caíram 2,7% e no Norte registaram uma quebra de 1,33%. Em sentido contrário, a Região Autónoma dos Açores foi a que assistiu a uma maior subida, registando-se um aumento de 19%, seguindo-se o Centro com 4,7%, a Região Autónoma da Madeira com 4,6% e o Alentejo com 2,1%.

Apesar de ter sido a região com a maior descida, a AML continua a ser a mais cara de Portugal, com o metro quadrado avaliado em 12,60 euros. O Norte situa-se em segundo lugar, avaliado em 9,30 euros por metro quadrado, o Algarve com 9,10 euros e a Madeira com 8,3 euros. O metro quadrado no Centro está avaliado em 6,30 euros, no Alentejo está a 7,10 euros e nos Açores com 7,3 euros, sendo caracterizadas como as regiões portuguesas mais baratas.

As maiores descidas nos distritos portugueses verificaram-se em Viana do Castelo (-8,8%), Lisboa (-7,2%), Braga (-6,8%), Leiria (-5,2%), Faro (-2,7%) e Porto (-2,2%). No sentido inverso verifica-se que Viseu subiu 20,8%, a ilha de São Miguel aumentou 19,5%, Vila Real cresceu 11,5% e Coimbra aumentou 6,5%.

Em termos de distrito, Lisboa continua a ser o mais caro, a 12,90 euros por metro quadrado, Porto com 9,90 euros por metro quadro, Faro com 9,10 euros, Setúbal a 8,50 euros e a Madeira a 8,30 euros. Os preços mais económicos encontram-se em Castelo Branco a 4,80 euros, Vila Real a 4,90 euros, Santarém a cinco euros e Viseu a 5,20 euros.

Por sua vez, nas capitais de distrito, Leiria e Lisboa apresentaram as maiores descidas, com uma quebra de 18,6% e 9,6%, respetivamente. Contrariamente, Castelo Branco e Setúbal viram os preços aumentar em 13%, Ponta Delgada em 11,6%, Coimbra em 11,2%, Viseu em 7,8%, Funchal em 3,9% e Faro em 1,6%.

No entanto, Lisboa continua a ser a cidade onde é mais caro arrendar uma casa, com o metro quadrado avaliado em 13,60 euros, seguindo-se o Porto com 10,60 euros e o Funchal com 8,4 euros. As capitais de distrito mais económicas são Castelo Branco a 4,60 euros, Leiria a 4,90 euros e Viseu a 5,20 euros.

Ler mais
Recomendadas

DECO junta-se ao REFIL para incentivar reutilização de embalagens

Apesar de já se encontrar previsto o comércio de bebidas em embalagens reutilizáveis e de produtos a granel, os consumidores ainda não beneficiam de um mercado que lhes permita adquirir, nestes moldes, produtos de limpeza e higiene pessoal, forçando-os a optar por novas embalagens e aumentando, assim, a sua produção de resíduos, colocando em causa as metas portuguesas da sustentabilidade.

Fim da isenção de ISV para ligeiros de mercadorias recebida com desagrado pela ACAP

A Associação Automóvel de Portugal recebeu com desagrado o fim da isenção do Imposto sobre Veículos de mercadorias a partir de julho, medida que aumentará os custos em cerca de 3 mil euros, apenas em ISV.

Portugal com 6.º preço de gasolina mais caro da UE no primeiro trimestre

A carga fiscal aplicada em Portugal (63%) justificou integralmente a menor competitividade dos preços, tendo praticado um valor superior à média registada na UE (60%), em Espanha (55%), na Alemanha (61%) e na Bélgica (62%).
Comentários