PremiumPreços de Lisboa levam promotores para as periferias

Responsável da Coldwell Banker Portugal diz ser “incomportável ter um produto final em Lisboa acessível à classe média”. Preços dos terrenos, custos da obra e fiscalidade estão a levar os promotores para fora da cidade.

Os promotores imobiliários estão a sentir “necessidade de virem para as periferias de Lisboa”. A afirmação é de Jorge Madrugo Garcia, diretor de expansão da rede imobiliária Coldwell Banker, em entrevista ao Jornal Económico. Questionado sobre quais as razões que levam os promotores a optar por saírem de Lisboa, o responsável refere que “o preço do terreno é muito elevado, daí o mercado da classe média não conseguir corresponder em termos da procura no centro de Lisboa”. O responsável dá o exemplo do concelho de Almada que “começa a surgir com produto de qualidade e adequado a essas necessidades”.

Outro cenário que leva a essa mudança deve-se aos “problemas de fiscalidade e ao custo da obra”, assumindo que “é incomportável ter um produto final hoje em Lisboa acessível à classe média”. Olhando para a evolução do mercado português, Jorge Madrugo Garcia salienta que “temos assistido nos últimos anos a um crescimento efetivo e muito significativo”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

INE: taxa de juro no crédito para aquisição e habitação subiu para 1,081% nos contratos celebrados entre outubro e dezembro de 2019

Num período de tempo mais alargado, o INE notou que na totalidade do crédito à habitação, que inclui financiamento para outros destinos que não apenas a aquisição de habitação,  a taxa de juro implícita desceu para 1%, o valor mais baixo desde de julho de 2019, mês em que estava nos nos 1,081%, tendo vindo sucessivamente a descer, para os níveis registados no mês passado.

Fundo britânico compra edifício em Lisboa por 22,3 milhões de euros

Localizado na Avenida Miguel Bombarda, o empreendimento outrora ocupado pelo banco e empresas do grupo Santander, é composto por nove andares acima do solo e cinco subterrâneos, disponibilizando uma área bruta locável de 7.240 m2 e 91 lugares de estacionamento.

Será que deve comprar uma segunda habitação para arrendamento?

Comprar uma segunda habitação pode ser um investimento viável, seja pelo potencial rendimento do arrendamento como pela venda posterior por um valor mais alto. No entanto, deve ter em conta algumas considerações antes de tomar esta decisão. Descubra tudo neste artigo.
Comentários