Preços médios de venda e arrendamento de habitação aumentaram em outubro

O valor médio nacional de vendas passou dos 338 mil euros de setembro, para os 342 mil euros, o equivalente a uma subida de 1,12%. Já no arrendamento, as verbas médias nacionais cresceram dos 1.028 euros para os 1.045 euros, mais 1,65%.

Os preços médios da habitação a nível nacional registaram um aumento no segmento de venda e arrendamento no mês de outubro. De acordo com os dados do portal imobiliário Imovirtual divulgado esta segunda-feira, 9 de novembro, o valor médio nacional de vendas passou dos 338 mil euros de setembro, para os 342 mil euros, o equivalente a uma subida de 1,12%. Já no arrendamento, as verbas médias nacionais cresceram dos 1.028 euros para os 1.045 euros, mais 1,65%.

Olhando em termos homólogos para o mês de outubro de 2019, a venda de imóveis, registou uma subida de 5,79% ao passando dos 323.866 mil euros, para os 342.621 mil euros de outubro de 2020. Por seu turno, no arrendamento, verificou-se um decréscimo 10% passando dos 1.157 euros, para os 1.045 euros de outubro de 2020.

Sem surpresas o distrito mais caro para comprar casa em Portugal continua a ser Lisboa, onde um imóvel custa em média 540.200 mil euros, tendo registado um aumento de 1,15%. Além da capital, os três distritos com preços mais elevados para compra são Faro (454.659 mil euros), Região Autónoma da Madeira (327.393 mil euros) e o Porto (306.982 mil euros), sendo que todos registaram um aumento de 2,60%, 3,52% e 0,78%, respetivamente.

Ainda no segmento de venda, em outubro de 2020, os quatros distritos com os preços médios mais baixos foram Portalegre (110.803 mil euros), Castelo Branco (122.531 mil euros), Guarda (121.193 mil euros) e Beja (135.346 mil euros).

Ainda sobre o distrito de Portalegre importa salientar que em relação ao arrendamento, foi aquele que teve a maior subida percentual, face aos outros distritos, enquanto que no segmento de venda, obteve a maior quebra no preço médio comparativamente ao mês de setembro, com menos 5,28%.

Também no segmento do arrendamento, no que ao mês em análise diz respeito, Lisboa continuou a liderar os distritos mais caros com as rendas a chegarem, em média, aos 1.339 euros. Face ao mês anterior, observou-se um crescimento de 1,29%, passando dos 1.322 euros para os 1.339 euros.

Dos restantes distritos, Setúbal com 1,13% e Faro 3,78%, registaram um aumento no preço médio. A exceção foi o distrito do Porto que verificou uma ligeira descida de 0,11%.

Os distritos que em outubro apresentaram valores mais baixos foram Portalegre (342 euros), Guarda (345 euros), Bragança (362 euros) e Castelo Branco (402 euros).

Ler mais
Recomendadas

Imobiliário: Lisboa vista como uma das 10 cidades mais atrativas para investir em 2021

A capital portuguesa ocupa o décimo lugar numa lista que é liderada por Londres, mas onde a predominância é alemã. Estudo indica que cerca de 60% dos investidores europeus planeiam investir mais em imobiliário este ano do que em 2020.

Rendas das casas caíram 18% em Lisboa desde o início da pandemia (com áudio)

A cidade do Porto registou uma descida de 8%, enquanto em Portugal Continental a quebra foi de 6%. O valor médio das rendas fixou-se nos 9,4 euros/m2 nos contratos realizados durante o primeiro trimestre de 2021.

Taxa de esforço para pagar renda da casa. Três cidades portuguesas no top-10 a sul da Europa

Setúbal, Faro e Évora integram uma lista que é liderada por Milão, mas onde também entram Lisboa e Porto, onde a taxa de esforço no pagamento da renda da casa é superior a Roma.
Comentários