Preços negativos da eletricidade: quem é o culpado?

As energias renováveis ​​não são de forma alguma a única causa dos preços negativos. Ainda mais porque foram implementados novos regulamentos que visam confrontar os produtores de eletricidade verde com os desafios da flexibilidade do sistema elétrico.

Hoje, a eletricidade não pode ser armazenada de forma eficiente em grande escala. Como resultado, em períodos de baixo consumo e produção abundante, pode ser vendida a preços negativos. A energia renovável é regularmente apontada como a causa desses preços negativos. No entanto, um olhar mais atento mostra que este fenómeno, que ocorre principalmente no norte da Europa, resulta da ocorrência simultânea de vários elementos.

Em 20 de abril de 2020, o preço do barril West Texas Intermediate (WTI) ficou negativo pela primeira vez na história (BBC News, 20 de abril de 2020, “US oil prices turn negative as demand dries up”). Mas o petróleo não é a primeira commodity a enfrentar o desafio da capacidade limitada de armazenamento quando a procura diminui.

Desde 2008, os mercados de eletricidade têm enfrentado regularmente a combinação de preços negativos e volatilidade crescente, fornecendo sinais preocupantes para investimentos em nova capacidade de geração. Como a eletricidade não pode ser armazenada de forma eficiente em grande escala, esta situação deve-se a um desequilíbrio clássico da baixa procura e produção abundante, nenhum dos quais pode ser facilmente ajustado.

Na Europa, foram registados preços de energia negativos durante os primeiros nove meses de 2020, com um excesso de energia no mercado fazendo com que os consumidores sejam pagos em vez de cobrados pelo uso da eletricidade, de acordo com um estudo da Empresa de análise de dados EnAppSys.

O estudo mostrou que, nos nove meses anteriores a setembro de 2020, os países europeus, em média, registaram preços negativos quase 1% das vezes. Estes níveis foram geralmente três a quatro vezes superiores aos observados entre 2015 e 2018 e mais do que o dobro dos de 2019. Por exemplo, a Alemanha registou preços negativos de -83,94 € / MWh durante oito horas no dia 21 de abril. Durante esse tempo, a Alemanha experimentou uma combinação de geração eólica acima da média mensal com alta geração solar, cobrindo cerca de 88% da procura alemã.

A energia renovável é frequentemente apontada como a principal causa dos preços negativos mencionados acima. Estará correto? Antes de examinar mais detalhadamente os vários fatores que causam preços negativos da eletricidade, é importante notar que este fenómeno é o resultado de uma combinação simultânea de vários fatores e não de uma única causa.

Do lado da oferta

Vejamos primeiro o lado da oferta, a geração de energia. Na Europa, existem várias formas de estimulação preferencial das energias renováveis. Por exemplo, as taxas preferenciais são usadas na França, os descontos sobre os preços de mercado são usados ​​na Bélgica e os leilões são organizados pelos reguladores na Península Ibérica.

A geração de energias renováveis ​​beneficia fortemente das obrigações de compra. Este mecanismo garante uma tarifa preferencial ao produtor de energia renovável e a garantia de que toda a sua produção será injetada prioritariamente na rede. As centrais renováveis ​​com obrigação de compra representam, portanto, uma fonte primária de falta de elasticidade do lado da oferta.

Isso significa que a geração renovável vende toda a sua produção com obrigação de compra, independentemente dos preços de mercado. Tecnicamente, portanto, as fontes de energia renováveis não são as principais responsáveis ​​por ofertas negativas nos mercados. São as chamadas fontes convencionais que são inflexíveis, como a hidráulica comum ou certas termelétricas, que preferem recompensar o consumidor em vez de assumir os custos associados à modulação de sua potência.

Do lado da procura

A falta de elasticidade também está do lado da procura. Se os clientes tivessem como mudar seus padrões de consumo no curto prazo, eles aproveitariam a oportunidade para aumentar o consumo quando os preços estão muito baixos ou negativos. Não é o caso hoje, mas em breve, o aumento da disponibilidade de capacidade de armazenamento na rede elétrica, bem como o aumento do volume e o desenvolvimento de veículos elétricos, deverão permitir remediar esta situação.

Conclusão

As energias renováveis ​​não são de forma alguma a única causa dos preços negativos. Ainda mais porque foram implementados novos regulamentos que visam confrontar os produtores de eletricidade verde com os desafios da flexibilidade do sistema elétrico.

Estes regulamentos obrigam os produtores de energias renováveis ​​a reduzir a sua injeção na rede quando ocorrem preços negativos ou, como o último regulamento espanhol, tornam o produtor parcialmente confrontado com a realidade do preço de mercado. A maioria das novas fábricas mudou para esses novos modelos. Flexíveis e controláveis, eles não contribuem mais para a criação de preços negativos.

Portanto, o aparecimento de preços negativos da eletricidade deve-se à falta de flexibilidade. É o caso de players históricos (consumidores, fornecedores e gestores) bem como dos primeiros fornecedores de geração renovável que beneficiam de obrigações de compra ou taxas preferenciais. Num sistema elétrico com novos ativos renováveis ​​controláveis ​​e procura cada vez mais flexível como resultado do boom de veículos elétricos e armazenamento estacionário, o fenómeno dos preços negativos tende a desaparecer.

Ainda assim, as fontes renováveis ​​de energia com perfis de produção comparáveis ​​para uma determinada geografia criarão um excesso de oferta de eletricidade em determinados horários, o que levará automaticamente a uma redução dos preços nos mercados nessas faixas horárias. Estes devem tender a zero, sem se tornarem negativos, assumindo que os recursos são controláveis.

A crescente penetração de energias renováveis ​​eólicas e solares distribuídas numa escala de utilidade intermitente agora é imparável e evidente na maioria, senão em todos, os países ao redor do mundo. Integrar a energia renovável na rede é um ato de equilíbrio. As concessionárias precisam pensar numa estratégia integrada que reúna todos os desafios em um plano holístico, considerando uma subida abrupta do mercado nascente de armazenamento de rede e a incrível redução nos preços da tecnologia de armazenamento.

Recomendadas

Municipalização da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto poderá iniciar-se a 1 de janeiro

“O Estado assumiu toda a dívida financeira da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto, S.A. e transferiu já as verbas do défice operacional deste ano, resultante da pandemia, estimado em 15,8 mil euros”, aponta o ministério do Ambiente e da Ação Climática em comunicado.

‘Greenchain’, um GPS energético sustentável

Esta é, sem dúvida, a grande mensagem a passar. O rastreio energético é um serviço cada vez mais difundido, associado ao crescimento do mercado de contratação corporativa de energia sustentável.

CMVM cria área dedicada às Finanças Sustentáveis

“Perante o número de iniciativas nacionais e internacionais e a rápida evolução que se está a verificar no enquadramento legal e regulatório nacional e europeu, a disponibilização estruturada e tempestiva de informação pela CMVM visa contribuir para a defesa dos investidores e o desenvolvimento do mercado nacional”, diz o regulador dos mercados.
Comentários