Prejuízo da Oi cresce 104%, para mais de 550 milhões de euros, no segundo trimestre

Entre abril e junho de 2020, a receita líquida da participada da Pharol caiu 10,8%, para 4.544 milhões de reais (717 milhões de euros), em termos homólogos e 4,3% em relação ao primeiro trimestre. A portuguesa Pharol detém 5,51% da Oi através da Bratel.

A brasileira Oi registou um resultado líquido consolidado negativo de 3.493 milhões de reais (551,8 milhões de euros) no segundo trimestre, um valor que corresponde a um disparo de 104% face a igual período de 2019, de acordo com as contas trimestrais reveladas pela empresa de telecomunicações, esta sexta-feira, via Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). A Pharol (antiga PT) detém 5,51% da Oi através da Bratel.

“No segundo trimestre, o resultado operacional da companhia antes do resultado financeiro e dos tributos (EBIT) foi negativo de 366 milhões de reais, comparado ao resultado negativo de 298 milhões reais no 2 trimestre de 2019 e ao resultado de 188 milhões de reais do primeiro trimestre de 2020. No trimestre, a companhia registou resultado financeiro líquido negativo de 3.127 milhões de reais e uma despesa de imposto de renda e contribuição social no valor de negativo de um milhão de reais, resultando em um prejuízo líquido consolidado de 3.493 milhões reais”, lê-se no relatório de contas da Oi.

Entre abril e junho, a receita líquida da participada da Pharol caiu 10,8%, para 4.544 milhões de reais (717 milhões de euros), em termos homólogos e 4,3% em relação ao primeiro trimestre.

Já o lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (EBITDA) ascendeu aos 1.359 milhões de reais (214,4 milhões de euros), o que se traduz num recuo de 15%, face ao segundo trimestre de 2019.

A dívida bruta consolidada da empresa brasileira cresceu 54,8%, em termos homólogos, para 26.115 milhões de reais (4,12 mil milhões de euros), e 6,8% face ao registado no início de 2020.

O aumento da dívida em termos homólogos foi justificado pela Oi pelo “resultado do accrual de juros e da amortização do ajuste a valor presente (AVP), que contribuem para o crescimento da dívida a cada período, bem como da desvalorização do real frente ao dólar no trimestre e em doze meses, de 5,3% e 42.9%, respetivamente”.

Ler mais
Recomendadas

Novo Banco: ASF diz que comprovou idoneidade de todos os ligados à compra da GNB Vida

“Os beneficiários desta aquisição são 19, 19 investidores pessoais, que têm participações no fundo Apax. (…) Sabemos quem são os beneficiários últimos, esta pessoa não consta”, afirmou a presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), em audição na comissão de orçamento e finanças.

Carris prolonga horários dos autocarros por causa da derrocada na Praça de Espanha

O serviço noturno do autocarro “746”, que percorre a zona do Marquês de Pombal até Sete Rios, foi prolongado até à 1h00, depois do desabamento nas obras que provocou ferimentos ligeiros em quatro pessoas.

Tecnoplano vai fiscalizar obra de expansão do Metro de Lisboa

Às empreitadas já adjudicadas acrescerá a fiscalização dos subsequentes contratos por adjudicar de acabamentos e equipamentos das estações túneis, poços de ventilação e viadutos, asseguram os responsáveis da empresa.
Comentários