Prémio Nobel da Paz debate alterações climáticas em Cascais

Além de Rajendra Pachauri, a conferência prevista para hoje contará com a presença do secretário de Estado do Ambiente, José Mendes.

O Prémio Nobel da Paz, Rajendra Pachauri, está hoje em Portugal, para debater as alterações climáticas.

O líder do Movimento Protect Our Planet (POP) e presidente do World Sustainable Development Forum (WSDF) vai participar hoje na conferência “Alterações Climáticas: Preparar o Futuro”, que terá lugar hoje, a partir das 10 horas, na Casa das Histórias Paula Rego, em Cascais, uma iniciativa promovida pelas Conferências do Estoril.

A conferência será dividida em dois painéis. O primeiro terá como mote “O papel dos governos locais e as estratégias a implementar no âmbito das alterações climáticas”, contando com oradores como Joana Pinto Balsemão, vereadora da Câmara Municipal de Cascais; Filipe Duarte Santos, professor universitário e especialista em alterações climáticas; e Nuno Lacasta, presidente da APA – Agência Portuguesa do Ambiente.

O segundo painel terá como “Sul da Europa: um ‘hobspot’ para as alterações climáticas” e contará coma presença do referido investigador indiano Rajendra Pachauri (Prémio Nobel da Paz em 2007), assim como do secretário de Estado do Ambiente, José Mendes, sendo um painel moderado pelo jornalista José Rodrigues dos Santos.

A abertura deste evento estará a cargo de Teresa Valente, director das Conferências do Estoril, e do vice-presidente da Câmara Municipal de Cascais, Miguel Pinto Luz.

Carlos Carreiras, presidente do município de Cascais, será o responsável pelo encerramento deste debate.

 

Ler mais
Recomendadas

Noruega aprova plano de extração de cobre no Ártico, ”um dos projetos industriais mais nocivos ao ambiente”

Acredita-se que até 66 milhões de toneladas de minério de cobre estejam subterradas no solo em Kvalsund, em Finnmark, a região mais setentrional da Europa, no interior do Círculo Polar Ártico.

Catástrofes naturais custam à economia mundial 650 mil milhões. EUA responsável por dois terços do valor

Segundo a consultora Morgan Stanley, os Estados Unidos suportam grande parte dos custos, totalizando 415 mil milhões de dólares, ou seja, 0,66% do PIB norte-americano.

Colapso da barragem em Brumadinho contaminou pelo menos 305km de rio

Pelo menos 305 quilómetros do rio Paraopeba, no sudeste do Brasil, foram contaminados após a rutura da barragem em Brumadinho que causou 166 mortos e 155 desaparecidos, segundo um relatório divulgado por uma organização não-governamental.
Comentários