Prémios Kaizen Lean 2018: estas são as empresas premiadas

Amorim Revestimentos, Banco BNP Paribas Personal Finance, Câmara Municipal do Porto, Colep, Fnac, Galp, Instituto Português de Oncologia do Porto, Lipor, Salgado & Neto, Sonae Arauco, Vieira de Castro, Restaurante 100 Maneiras e Unidade Local de Saúde de Matosinhos são as distinguidas este ano.

Na categoria de produtividade, a autarquia do Porto obteve o primeiro prémio, a empresa portuguesa Salgado e Neto ganhou como PME; e a Amorim revestimentos foi distinguida com uma menção honrosa. Em qualidade venceu o primeiro prémio a Galp; o prémio PME a organização Vieira de Castro; e a Fnac com uma menção honrosa. Na categoria saúde venceu o primeiro prémio o hospital Pedro Hispano; e o IPO do Porto com uma menção honrosa.

Na excelência no sistema de melhoria contínua venceu o primeiro lugar na subcategoria de serviços o banco Banco BNP Paribas Personal Finance; no primeiro lugar na subcategoria indústria a empresa Colep; e a Lipor como PME. Na categoria estratégia de crescimento venceu o primeiro prémio a empresa Sonae Arauco, e obteve uma menção honrosa o restaurante 100 Maneiras.

Foram também entregues os galardões embaixador Kaizen a Domingues Sequeira de Almeida – administrador corporativo financeiro da Sonae, assim como o prémio Kaizen a José Ramos – presidente da Toyota Caetano Portugal.

 É com o maior orgulho que cada ano reconhecemos publicamente as boas práticas e os excelentes exemplos de melhoria nas entidades que procuram, de forma continuada, aumentar a rentabilidade e fazer crescer os seus negócios, afirma António Costa, senior partner do Kaizen Institute.

O Kaizen Lean nas suas múltiplas categorias foi atribuído esta quarta-feira à tarde, pelo Kaizen Institute Portugal. O prémio tem como objetivo distinguir as entidades nacionais que demonstraram exemplos na prática da melhoria contínua.

 

Ler mais
Recomendadas

BPI permite moratória nos créditos não abrangidos por lei do Governo

O banco permite ainda que os clientes com crédito pessoal e ao financiamento automóvel tenham carência de capital de seis meses.

Transportes de mercadorias apelam a mais medidas do Governo para apoio ao setor

A clarificação das linhas de crédito para as empresas transitárias e o pagamento dos direitos junto da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT); a injeção direta de capital nas empresas; e a articulação conjunta para conseguir fazer chegar a Portugal o equipamento médico proveniente de outros países, abrindo, para isso, ligações aéreas em cargueiros ou aviões de passageiros exclusivamente com carga são algumas das medidas reivindicadas pela APAT – Associação dos Transitários de Portugal.

Doinn, a startup que sente na pele a queda dos negócios do turismo e limpeza

“Estamos atentos às medidas de apoio anunciadas pelo Gverno apesar de, até agora, não termos ficado impressionados com elas. Não nos adianta muito adiar as obrigações como IVA ou TSU para o segundo semestre se os respetivos pagamentos coincidirão com a época baixa”, disse ao Jornal Económico Weronika Figueiredo, cofundadora da empresa.
Comentários