Presidente da ANA não antevê novo aeroporto antes de 2035/2040

O presidente do Conselho de Administração da ANA -Aeroportos de Portugal disse, esta segunda-feira, que Portugal não deve ter uma nova infraestrutura aeroportuária antes de 2035/2040 e pediu uma solução política célere.

Na conferência Dia Mundial do Turismo, organizada pela Confederação Portuguesa do Turismo, que decorreu esta tarde em Coimbra, José Luís Arnaut falou de uma situação “esquizofrénica”, em que existe um concessionário que quer investir e há “um conjunto de vicissitudes externas e de constrangimentos de contexto” que não permitem avançar.

“A única solução que tem declaração de impacte ambiental é o Montijo, que pode ser construída amanhã. De Alcochete não sabemos e a nova versão do Montijo também não. Portanto, é preciso que haja esse estudo, que o poder político e os partidos se entendam sobre a convergência e nos deem a possibilidade e nos deixem construir”, frisou.

O presidente da ANA salienta que se tivesse sido cumprido o acordo assinado com o Governo em 2016, que previa a construção do novo aeroporto no Montijo, em 2024 o país teria “uma nova infraestrutura aeroportuária”.

“A TAP e Portugal precisam de um novo aeroporto”, sustentou José Luís Arnaut, salientando que 95% dos turistas chegam a Portugal de avião e sem uma nova infraestrutura “o turismo não cresce”.

Com o novo aeroporto, acrescenta, Lisboa poderia receber anualmente mais 10 milhões de passageiros, “que se perdem, o que é um valor económico imensurável”.

Salientando que não há “soluções perfeitas”, o responsável máximo da ANA pede uma solução para um equipamento que “é necessário e torna-se urgente”.

Sobre o movimento atual de passageiros, o presidente da ANA adiantou que nos meses de julho e agosto os aeroportos portugueses estavam a 66% do tráfego registado em 2019.

A Madeira e Açores são casos de “recuperação fantásticos”, com 95% e 87%, respetivamente, “quase ao nível de 2019”, e o Porto já vai nos 65%.

“Lisboa está a recuperar bem, com 54%, e Faro, com a limitação dos ingleses, tem ainda alguma dificuldade, mas queremos crescer mais e há capacidade de crescer mais. Os turistas se não vierem para Lisboa vão para outro sítio”, defendeu José Luís Arnaut.

A Conferência Dia Mundial do Turismo decorreu na Antiga Igreja do Convento São Francisco, em Coimbra, com a presença do Presidente da República na sessão de encerramento.

Relacionadas

Linha de Apoio à Qualificação da Oferta com 20 milhões aprovado, diz Rita Marques

A Secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, na conferência do Turismo, fez um ponto da situação do Plano Reativar o Turismo. Recorde-se que foi um plano apresentado maio deste ano, com quatro eixos de atuação.

Como retomar o crescimento no turismo? Veja a conferência do Dia Mundial do Turismo

Coimbra recebe a conferência do Dia Mundial do Turismo em que Portugal debate qual a melhor forma para a retoma do setor que mais caiu com a pandemia da Covid-19. Recorde-se que as receitas do turismo até julho caíram 80,59% em 2021 face a 2019, de acordo com o Banco de Portugal

Turismo: Siza anuncia nova linha de 150 milhões e apoio a fundo perdido de 15 mil euros por empresa

“Vamos lançar, nas próximas semanas, uma nova linha de crédito de apoio à tesouraria” das empresas do setor turístico, disse o ministro da Economia. Além disso, será lançado nos próximos dias o programa “Adaptar Turismo”, que funcionará como “um incentivo financeiro a fundo perdido aos investimentos no sector, num montante de até 15 mil euros por empresa”.
Recomendadas

Crédito a empresas vai cair este ano face a 2020, avisa Paulo Macedo

As empresas “recorreram às linhas para alongar maturidades e por isso vão precisar menos de crédito a curto prazo”, avisou o CEO da CGD que teceu ainda críticas ao Programa Retomar. “Alguém se candidatou? Só por curiosidade”. Em alternativa defendeu o prometido “Programa Capitalizar”. Banca vai ter primeiro stress test ambiental já em 2022, anunciou.

Toyota movido a hidrogénio bate recorde: 1.360 km sem reabastecer

O Toyota Mirai bateu o recorde de distância com um único tanque para os automóveis a hidrogénio.

Presidente demissionário da CP explica decisão no Parlamento. Veja em direto

A pedido do PSD, Nuno Freitas é ouvido esta quarta-feira na Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação a pedido do PSD, para falar da sua saída e do futuro da empresa.
Comentários