PremiumPresidente da Asaval: “Não é possível uma plataforma substituir um avaliador”

Dirigente afirma que “pode existir alguma tentação” dos cidadãos em recorrer a estas tecnologias para pouparem custos e ter resultados imediatos. “Conhecimento técnico de um perito não é substituível”.

“Não é possível que uma plataforma digital substitua o conhecimento de um perito-avaliador”. Quem é o diz é Paulo Barros Trindade, presidente da Associação Profissional das Sociedades de Avaliação (ASAVAL), em declarações ao Jornal Económico. Na base desta afirmação poderá estar a recente entrada em cena no mercado imobiliário da Urbiwise, uma plataforma digital, onde o consumidor, seja proprietário, comprador ou interessado, pode consultar, de forma independente e totalmente gratuita, a valorização de qualquer propriedade, quer se trate de uma casa ou de um apartamento.

“A realização de uma avaliação imobiliária é um processo que carece do conhecimento técnico do perito avaliador, não só na matéria especifica das metodologias de avaliação, mas também em outras matérias mais gerais, como os aspetos legais, ambientais e de construção”, refere Paulo Barros Trindade.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

CMVM prorroga até 31 de maio deveres de reporte dos peritos avaliadores de imóveis

A Comissão de Mercado de Valores Mobiliários informou que foi prorrogado até dia 31 de maio de 2020 o prazo de reporte de informação, previsto na lei, para os peritos de avaliação de imóveis. Esse prazo é sucessivamente prorrogado por um mês até ao encerramento do Estado de Emergência.

Investimento na reabilitação urbana em Lisboa caiu 12% em 2019

O investimento total na reabilitação urbana fixou-se nos 5.200 milhões de euros correspondentes a cerca de 10.720 transações.

Quase 100% das imobiliárias registam quebras na procura e negócios

Inquérito realizado pela Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) às imobiliárias revela quebras na procura e nos negócios provocadas pelo surto do coronavírus.
Comentários