Presidente da Fed: “estamos a monitorizar o coronavírus com cuidado”

Jerome Powell, presidente da Reserva Federal norte-americana optou por não prestar muitos detalhes quando foi questionado sobre o vírus que teve origem em Wuhan, na China, uma vez que a situação “ainda está nos estágios iniciais”. Mas admitiu que “terá implicações pelo menos de curto-prazo na produção da China e, presumo que também para alguns dos seus vizinhos próximos”.

O presidente da Reserva Federal (Fed), Jerome Powell, disse esta quarta-feira que o banco central norte-americano está a “monitorizar o coronavírus com cuidado”, na conferência de imprensa que se seguiu ao anúncio da manutenção da taxa de juro nos Estados Unidos.

“O enquadramento do nosso trabalho é [averiguar] as possíveis ramificações para a economia dos Estados Unidos e para o êxito do nosso mandato”, disse Jerome Powell, sobre o coronavírus.

O presidente da Fed optou por não prestar muitos detalhes quando foi questionado sobre o vírus que teve origem em Wuhan, na China, uma vez que a situação “ainda está nos estágios iniciais” e porque “ainda é incerto até onde se poderá propagar e quais serão os efeitos que terá na economia chinesa e nos seus parceiros comerciais e vizinhos mais imediatos”.

Ainda assim, Jerome Powell reconheceu que estamos perante uma “situação muito séria” e que já causou “sofrimento humano considerável”. Além disso, admitiu que “provavelmente causará disrupção na atividade económica da China e possivelmente a nível global com base na propagação do vírus até ao momento, devido às restrições nas viagens e encerramentos de estabelecimentos comerciais e empresariais que já foram impostos”.

“Claramente, terá implicações pelo menos de curto-prazo na produção da China e, presumo que também para alguns dos seus vizinhos próximos. Teremos de ver qual o efeito global” do coronavírus, disse o presidente da Fed.

Esta quarta-feira, na primeira reunião de 2020, a Fed  decidiu manter inalteradas as taxas de juro no intervalo entre 1,50% e 1,75%, numa decisão unânime dos membros do Federal Open Market Committee (FOMC), e em linha com os analistas.

Economia global em modo de “optimismo cauteloso”

Jerome Powell utilizou a expressão “optimismo cauteloso” para se referir ao outlook da economia global. “Muitos analistas estão a prever a retoma do aumento do crescimento este ano, embora ainda com taxas de crescimento relativamente modestas”, referiu o presidente da Fed.

Os analistas justificam-se com “melhores condições financeiras, o esfriar das tensões comerciais, menos hipóteses de um hard Brexit, e que a industria manufatureira de alta tecnologia está em retoma”, pelo menos na China”, explicou Jerome Powell.

No entanto, “eu considero que nada disto está assegurado”.  “Vimos que o último trimestre do ano passado foi fraco, mais fraco do que esperávamos, e não temos como segura a retoma da economia mundial, embora existam sinais e razões para esperá-la”, disse Jerome Powell.

Sobre a incerteza na economia global causada pelas tensões comerciais, Jerome Powell disse que, apesar de os Estados Unidos e a China terem assinado um acordo de primeira fase, “a incerteza permanece elevada”.

“As empresas devem continuar a idenficá-la como um risco continuado”, frisou o presidente da Fed.

Ler mais

Relacionadas

Emprego nos EUA e economia levam Fed a manter as taxas de juro na primeira reunião de 2020

A Reserva Federal norte-americana (Fed) realçou que o mercado de trabalho continuou a melhorar em dezembro e que a economia “tem subido a um ritmo sólido”. “Os ganhos no emprego têm sido fortes, em média, nos últimos meses, e a taxa de desemprego manteve-se baixa”, disse a Fed em comunicado.
Recomendadas

Wall Street aguenta, mas perdeu fôlego ao longo do dia

Os principais índices do outro lado do Atlântico estiveram a subir, mas no final do dia acabaram por ceder. Mesmo assim, dizem os analistas, os investidores continuam a confiar em novos estímulos à economia.

Sexta sessão em queda. Bolsa de Lisboa penalizada por perdas do BCP e Galp

Num quadro pintado de encarnado, a EDP Renováveis e a Sonae sobressaíram pela positiva, ao subirem ambas cerca 0,20%. Nas restantes praças europeias, igualmente pessimistas, destacam-se as transações de M&A da banca espanhola – desta feita, entre o Unicaja e o Liberbank.

Depois das fortes quedas de quarta-feira, Wall Street abre em baixa

As inscrições no desemprego nos Estados Unidos aumentaram na última semana, sugerindo uma recuperação mais lenta do mercado laboral devido às medidas restritivas para limitar a propagação de covid-19, indicam os números divulgados hoje.
Comentários