Presidente da Galp: “Futuro da refinaria de Sines é uma das grandes questões estratégicas”

Andy Brown disse hoje que a empresa precisa de estudar o nível de investimento que a refinaria de Sines vai precisar para a “tornar resistente para o futuro” e com a procura por produtos petrolíferos a cair no mercado ibérico. Empresa registou 200 milhões de custos, imparidades e provisões com o encerramento de Matosinhos.

A competitividade da refinaria de Sines foi um dos temas abordados hoje no primeiro contacto com analistas do novo presidente da Galp.

O sucessor de Carlos Gomes da Silva disse que a empresa ainda vai ter de calcular qual o valor de investimento necessário para manter esta refinaria competitiva.

“O futuro de Sines é uma das grandes questões estratégicas. É uma refinaria muito mais rentável do que a de Matosinhos”, começou por dizer Andy Brown esta segunda-feira, 22 de fevereiro.

“Ainda assim, o mundo está a mudar rapidamente: o que vamos precisar de investir nesta refinaria para a tornar resistente para o futuro, e quanto é que este futuro vai durar, é uma consideração importante para nós”, afirmou o gestor britânico.

Andy Brown espera que a empresa recupere as margens de refinação, mas avisou que a “procura ibérica” por combustíveis “também vai diminuir com o tempo”.

“Como é que tornamos Sines numa das principais refinarias ibéricas num mundo assim? Há decisões importantes para tomarmos”, alertou o novo líder da petrolífera portuguesa.

O encerramento da refinaria de Matosinhos também esteve em destaque na primeira chamada de Andy Brown com os analistas.

“O meu coração lamenta pelas pessoas que trabalharam tanto por tanto tempo naquela refinaria e sei que a decisão da administração em fechar a refinaria foi muito pesada”, começou por dizer o novo líder.

“É claro que permanecerá como parque logístico para nós e vamos procurar outras formas de usar essa instalação e estamos a estudar isso com atenção. Alguns dos equipamentos existentes são equipamentos que podemos utilizar noutros projetos, por exemplo em Sines”, explicou.

“Mas a nossa prioridade neste momento é ter certeza que temos um bom plano para as pessoas, temos um bom plano de como vamos desativar e descontaminar o local de maneira muito responsável e depois planear o que podemos fazer, afirmou Andy Brown.

Em relação a Matosinhos, a empresa registou um total de 200 milhões de euros nas contas de 2020 em custos, imparidades e provisões devido ao encerramento previsto da refinaria do Porto.

“Considerando as alterações estruturais dos padrões de consumo de produtos petrolíferos, motivadas pelo contexto regulatório europeu e pelos efeitos da pandemia, a Galp decidiu concentrar as suas atividades de refinação no complexo de Sines, e descontinuar as operações de refinação em Matosinhos a
partir de 2021”, segundo comunicado hoje divulgado pela petrolífera.

“A Galp registou 35 milhões de euros de custos de restruturação bem como imparidades e provisões
no montante de 247 milhões de euros, todos considerados como eventos não recorrentes, num total após impostos de 200 milhões de euros”, pode-se ler.

A companhia portuguesa avançou que está neste momento a “definir um plano de descomissionamento detalhado, assim como a avaliar alternativas de utilização para o complexo, as quais deverão originar opções de valor”.

Apesar de fechar a refinaria, a Galp garante que vai continuar a “abastecer o mercado regional através da
manutenção das principais instalações de importação, armazenamento e distribuição em Matosinhos”.

 

Ler mais
Relacionadas

Galp tem 200 milhões para energias renováveis e admite entrada em novos mercados

O novo presidente da petrolífera admitiu que vai analisar a entrada em novos mercados de energias renováveis. Mais detalhes serão avançados durante o mês de maio.

“Prudência” é a palavra favorita do novo CEO da Galp para “um ano duro”

Na primeira teleconferência com os analistas, Andrew Brown disse que a Galp não quer ser avaliada apenas pelo dividendo, mas concedeu que os investidores precisam de ‘clareza’ sobre o assunto e por isso a empresa vai organizar um ‘Capital Markets Day’ em maio.

Meta de produção da Galp para 2021 desilude e ações tombam 3%

Os analistas ficaram desapontados com o ‘guidance’ empresa sobre a produção de petróleo este ano, que vai ficar entre 125 mil e 135 mil barris por dia, prevendo uma reação negativa do mercado. Em relação à nova política de dividendo, a opinião divide-se entre alguns elogios e desilusão.

Galp. Empresa anuncia dividendo de 35 cêntimos relativo a 2020 e de 50 cêntimos para o exercício de 2021

A empresa vai propor aos seus acionistas um corte de 50% no dividendo de 2020 em comparação com o do ano anterior. Para o exercício de 2021, a Galp pretende pagar 50 cêntimos de dividendo, com um pagamento intercalar no terceiro trimestre deste ano “dependendo da performance” da empresa”.

Galp fecha ano de 2020 com prejuízos

A Galp registou 42 milhões de euros de prejuízo em termos de resultado líquido ajustado, em termos de resultado líquido IFRS registou prejuízos de 551 milhões de euros.
Recomendadas

Ex-autarca do Porto diz que volumetria do projeto do El Corte Inglés é “absurda”

No mês passado, o Bloco de Esquerda denunciou que a Câmara do Porto “abdicou de 31 mil m2 para espaços verdes no projeto do Corte Inglês na Boavista, por considerar não serem necessários devido à proximidade da Rotunda da Boavista”. Para Nuno Cardoso, “tem uma densidade absolutamente desmesurada”.

PremiumPortugal é um mercado “importante” para a chinesa Oppo

A fabricante de smartphones quer crescer na Europa e vai investir 6 mil milhões em ‘R&D’ em três anos. Em Portugal, “reforçar a presença” deve passar por acordos com operadores e retalhistas.

PremiumEDP Renováveis vai construir centrais eólicas marítimas na Grécia

EDPR forjou parceria com companhia helénica para instalar 1,5 gigawatts nos mares gregos. Esta é a segunda parceria fechada em cinco meses na Grécia.
Comentários