Presidente da REN21 sobre a passagem para as Renováveis: “Para que a transição energética aconteça tem de haver uma liderança política”

De uma forma geral 92% da procura de energia nos transportes continua a ser satisfeita por petróleo, e apenas 42 países têm metas nacionais para o uso de renováveis nos transportes, conclui o Relatório anual da situação global das Renováveis.

O total da potência elétrica instalada a nível mundial em 2017, 70 % (178 GW) foi correspondente a renováveis. É o maior aumento de potência anual em centrais renováveis na história moderna, segundo o Relatório da Situação Global das Renováveis (Renewables 2018 Global Status Report) da REN21.

“No entanto, nos setores do aquecimento e arrefecimento e transportes – que, no seu conjunto, representam quatro quintos da procura final de energia a nível global, – a transição para fontes renováveis e sustentáveis continua muito aquém do progresso do setor elétrico”, revelam em comunicado a APREN – Associação Portuguesa de Energias Renováveis e a REN21.

Arthouros Zervos, Presidente da REN21, considera que “para que a transição energética aconteça tem de haver uma liderança política – por exemplo acabar com os subsídios para os combustíveis fósseis e para o nuclear, investir nas infraestruturas necessárias e estabelecer metas e políticas ambiciosas para o aquecimento, arrefecimento e transportes. Sem essa liderança, será difícil o mundo atingir os compromissos climáticos ou de desenvolvimento sustentável”, refere o comunicado.

Nos transportes, “o aumento da eletrificação está a oferecer oportunidades para o aumento das renováveis, apesar da predominância dos combustíveis fosseis: Em 2017, foram vendidos 1,2 milhões de automóveis elétricos de passageiros, mais de 58% em relação a 2016”, diz o estudo.

A eletricidade fornece 1,3% das necessidades energéticas para os transportes, mas deste 1,3% apenas um quarto tem origem renovável.

Por sua vez, os biocombustíveis suprem 2,9% das necessidades. De uma forma geral, no entanto, 92% da procura de energia nos transportes continua a ser satisfeita por petróleo, e apenas 42 países têm metas nacionais para o uso de renováveis nos transportes. Assim, para ocorrer uma mudança, tem de ser posto em prática um enquadramento legislativo que incentive a inovação e a integração de novas tecnologias de energias renováveis nestes setores.

Ambas, a APREN e a REN21, anunciam que a transformação do setor elétrico está a acelerar, mas que são necessárias ações urgentes nos setores do aquecimento, arrefecimento e transportes. “No setor energético a transição para as renováveis está a acontecer, mas a um ritmo mais lento do que seria possível ou desejável. O compromisso assumido no Acordo de Paris em 2015 para limitar o aumento da temperatura global “bem abaixo” dos 2°C em relação aos níveis pré-industriais, torna clara a natureza deste desafio”.

De acordo com o relatório, as centrais solares tiveram um crescimento assinalável no ano de 2017: A potência das novas centrais solares fotovoltaicas foi, só por si, superior ao acréscimo verificado nas centrais nucleares, térmicas a carvão e gás natural combinadas; e o aumento da capacidade em energia solar fotovoltaica foi 29 % superior ao de 2016, representando 98 GW.

De acordo com a REN21, destaca-se ainda que “o valor do investimento em nova capacidade de produção renovável foi mais do dobro do investimento em combustíveis fósseis e energia nuclear combinados, apesar dos elevados e incessantes subsídios para a produção energética via combustíveis fósseis. Este desempenho foi possível graças à cada vez maior competitividade das energias renováveis”.

A nível regional, o investimento em renováveis concentrou-se essencialmente na China e Estados Unidos da América que contabilizaram aproximadamente 75% do investimento global em renováveis em 2017.

“Quando contabilizado por unidade de PIB, as Ilhas Marshall, Ruanda, Ilhas Salomão, Guiné-Bissau e outros países em desenvolvimento estão a investir tanto ou mais em energias renováveis do que os países desenvolvidos e as economias emergentes”, diz a nota.

Apesar do progresso verificado, tanto a procura de energia como as emissões de CO2 relacionadas com a sua utilização aumentaram substancialmente pela primeira vez em quatro anos. A nível mundial as emissões de CO2 relacionadas com a energia aumentaram 1,4 % e a procura de energia aumentou cerca de 2,1 %, em 2017, lê-se no comunicado.

“Em parte, tal crescimento deveu-se a um crescimento das economias emergentes e ao aumento de população”, refere.

No relatório é ainda mencionado que, se o mundo quer atingir as metas previstas no Acordo de Paris, então os setores do aquecimento, arrefecimento e transportes terão de seguir o trajeto do setor elétrico.

A análise do progresso destes setores evidencia pequenas mudanças no aumento das renováveis no aquecimento e arrefecimento – a energia renovável “moderna” forneceu aproximadamente 10% do total global de produção de calor em 2015. As metas nacionais para a energia renovável no aquecimento e arrefecimento existem apenas em 48 países, enquanto 146 países têm metas para as energias renováveis no setor elétrico.

De acordo com Rana Adib, Secretária Executiva da REN21, “Associar ‘eletricidade’ e ‘energia’ está a levar à inação”. “Podemos estar no bom caminho para um futuro com 100% de renováveis no setor elétrico, mas no que que diz respeito ao aquecimento, arrefecimento e transportes, estamos à deriva como se tivéssemos todo o tempo do mundo, e não temos.”, lê-se no comunicado.

 

Ler mais

Recomendadas

Portugueses recorrem cada vez mais ao crédito. 635 milhões em setembro

Os portugueses recorreram mais ao crédito no mês de setembro num total de 635 milhões de créditos contraídos. De acordo com uma nota publicada pelo Banco de Portugal esta sexta-feira, 15 de novembro, relativa à evolução dos novos créditos aos consumidores, os portugueses pediram um total de 295 milhões de euros em crédito pessoal, num […]
marcelo_rebelo_sousa_legislativas

Marcelo considera aumento do salário mínimo “razoável” e promulga hoje o diploma

O Presidente da República vai promulgar hoje o diploma que estabelece um aumento do salário mínimo nacional para 635 euros em 2020, que considera “uma solução razoável, a pensar na economia e na sociedade portuguesa”.

Carlos Costa: Instabilidade financeira iria “criar muitos problemas que alimentariam” populismos

Governador do Banco de Portugal voltou a apelar a uma vontade política decisiva para avançar com a conclusão da União Bancária e o desenvolvimento da União dos Mercados de Capitais, a fim de fortalecer a estabilidade da zona euro.
Comentários