Presidente de Torres Novas diz que “Startup é já uma aposta ganha”

A Startup Torres Novas entrou em funcionamento a 17 de outubro de 2016, ainda antes da conclusão das obras e, passado um ano, já avaliou centenas de ideias e deu guarida a cerca de 30 embriões de empresas que geraram 40 empregos diretos.

O complexo do antigo Convento do Carmo, na cidade de Torres Novas, que em tempos mais recentes serviu como hospital, foi comprado pelo município à Santa Casa da Misericórdia. Seguiram-se obras de requalificação e uma inauguração oficial, a 22 de Julho de 2017. O presidente do município, Pedro Ferreira, foi o próprio a reconhecer no dia da inauguração que o processo de recuperação do imóvel, com um custo superior a 5 milhões de euros, tinha sido “lento e desgastante”.

Inicialmente destinado a acolher os paços do concelho, tal acabou por ser inviável, devido a condicionantes impostas pela candidatura a fundos comunitários que tinha sido apresentada pelo anterior presidente da câmara e que só foi aprovada por visar objetivos no âmbito da cultura e não o fim em vista que era de facto a instalação dos serviços.

A autarquia suportou 41% do total do custo das obras de recuperação e o valor restante ficou a cargo de fundos comunitários. Aquele impasse, por força das regras da União Europeia, obriga a câmara a ter de esperar 5 anos para transferir os serviços. Encarou-se então um destino provisório para o edifício construído de raiz na avenida do jardim. Assim se chegou à constituição da Startup Torres Novas neste lugar e prevê-se que o imóvel receba também a Loja do Cidadão.

“Não escondo que uma das preocupações foi a ocupação deste espaço, dada a impossibilidade de a Câmara se instalar imediatamente neste edifício”, disse Pedro Ferreira ao Jornal Económico. “Lançámos o programa Torres Novas Mais, que também inclui o Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) e iniciámos contactos com personalidades especializadas. Descobrimos desde logo potencialidades em Torres Novas para criar uma startup, dado o aparecimento de novas ideias que nunca pensámos virem a ser implantadas aqui”, afirma.

“Valeu a pena a mensagem que na altura divulgámos para o exterior e que originou constantes pedidos de adesão. Basta ver o número de empresas incubadas na Startup e toda a experiência que se criou no sentido do empreendedorismo em Torres Novas e fora, com pessoas que pretendem fazer mais pela sua vida e investir nesta região. Em termos regionais e locais, os números indicam que a Startup Torres Novas está a resultar e é uma aposta ganha”, acrescenta.

O autarca considera que o trabalho até agora efetuado merece aplausos. “Devem ser elogiados todos os aventureiros no bom sentido que quiseram juntar-se a nós e que podem transformar Torres Novas numa porta escancarada para o mundo. Surgiram novos negócios, houve contratação de pessoas. Diminuímos o desemprego. Tudo através de uma estreita relação com startups irmãs, desde logo a Startup Portugal e outras. Neste momento, estamos em conversações com a Nersant (Associação Empresarial da Região de Santarém) também no sentido de criarmos raízes ainda mais fortes com o mundo empresarial”, conclui Pedro Ferreira.

A Startup Torres Novas entrou em funcionamento a 17 de outubro de 2016, ainda antes da conclusão das obras e, passado um ano, já avaliou centenas de ideias e deu guarida a cerca de 30 embriões de empresas que geraram 40 empregos diretos. O coordenador, Nuno Valente, faz o ponto de situação. “Dos 30 projetos incubados, uns já se encontram constituídos em empresa, enquanto outros estão em fase de aceleração. O objetivo é sempre a criação de emprego e isso tem sido conseguido. As startups aqui nascidas resultaram em 40 postos de trabalho e a tendência vai no sentido de serem contratadas mais pessoas” – diz.

Nuno Valente informa que, uma vez conhecidos os projetos, é disponibilizado no edifício espaço e meios gratuitos aos candidatos. “São estabelecidas as condições de capacitação dos empreendedores de forma a permitir que passem rapidamente da fase da ideia à sua estruturação. Pretendemos colocar todas as valências e capacidades ao serviço da comunidade. Temos a média de 6 interessados por mês, o que demonstra existir na região massa crítica e pessoas com vontade de levar para a frente os seus projetos”.

O dirigente diz ainda que a Startup Torres Novas está certificada para participar em concursos no âmbito do programa Portugal 2020: “Projetos nossos ganharam iniciativas ligadas ao empreendedorismo como seja o programa Empreende já do Instituto Português do Desporto e da Juventude (IPDJ) que é a entidade gestora. Se hoje temos 30 projetos, gostaríamos de chegar ao fim do ano com mais 10 ou 15. Embora a quantidade seja importante, não podemos deixar de dar toda a atenção a cada um deles, sempre com o objetivo do escoamento dos seus produtos ou serviços”.

Recomendadas

Do “Cartão Vermelho” ao “Fora de Jogo”: como combater as ilegalidades do futebol português? Veja o “Jogo Económico”

Acompanhe o “Jogo Económico” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

Presidente da República diz que Alemanha e Volkswagen prometeram e cumpriram com Portugal

“A Autoeuropa correu bem porque, em primeiro lugar – como já disse o senhor primeiro-ministro -, nós mostrámos que éramos capazes de fazer bem feito”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, salientando que os portugueses também demonstraram ser capazes de ser consistentes na produção de qualidade, capacidade de resiliência e de inovação.

Portuguesa Blue Oasis Technology foi uma das startups vencedoras do programa das fundações Oceano Azul e Calouste Gulbenkian

A empresa, com menos de um ano de vida, desenha, constrói e instala “recifes” artificiais que permitem a, recuperação de ecossistemas marinhos danificados e a reversão do declínio da biodiversidade do oceano. Noruegueses da Tekslo Seafood e argentinos da FeedVax também se destacaram.
Comentários