Presidente do BPI diz que é preciso “encontrar soluções para moratórias agora, não em setembro”

O presidente do BPI diz encarar com “estranheza” o interesse do Novo Banco no Eurobic e defende que “não devíamos falar em setembro, mas sim agora” sobre o tema das moratórias.

O CEO do BPI, João Pedro Oliveira e Costa, fala durante a apresentação dos resultados de 2020 da instituíção bancária, na sede em Lisboa, 04 de fevereiro de 2021. TIAGO PETINGA/LUSA

João Pedro Oliveira e Costa, presidente executivo do BPI, considera que se deve avançar para um alargamento de prazos ou reestruturação de créditos. Em entrevista à TSF e ao Dinheiro Vivo, publicada este sábado, o banqueiro dá conta que ainda não existe ainda uma solução para a injeção de capital no Novo Banco, cujo interesse no Eurobic considera que provoca “estranheza”.

“As moratórias são um mecanismo com uma lógica de curto prazo e devem manter essa característica”, disse, considerando que não ser “aconselhável, quer para os bancos quer para os clientes, que possam registar-se incumprimentos ou imparidades ou até reestruturações” fora do quadro do sistema bancário europeu.

Para o presidente do BPI “não devíamos falar em setembro, mas sim agora” sobre o tema das moratórias. “O tema é encontrar soluções agora. Os empresários vivem de expectativas e confiança, não podemos ficar à espera de setembro para ver o que acontece”, frisou.

Questionado sobre como encara o interesse do Novo Banco no Eurobic, afirma ver “com bastante estranheza que alguém que está sob resolução, com esforço muito significativo dos principais concorrentes todos os anos, até 2046, entre numa posição de compra de outro banco. O meu sentimento é de estranheza”.

João Pedro Oliveira e Costa disse não comentar nada sobre decisões do CaixaBank, mas garante que a eliminação dos sete mil postos de trabalho conhecidos esta semana pelo CaixaBank “não vão chegar ao BPI”.

Recomendadas

Luís Filipe Vieira vai hoje à Comissão de Inquérito para explicar reestruturação da dívida ao Novo Banco (com áudio)

Fundo que ficou com a maior parte das dívidas e ativos do grupo Promovalor ao Novo Banco não vai conseguir cumprir plano de reembolsos. Como o presidente do Benfica deu o seu aval, poderá ser executado pelo Novo Banco já no próximo ano. Vieira é um dos grandes devedores a ser ouvido nesta segunda-feira pelos deputados.

Vítor Bento será o próximo presidente da Associação Portuguesa de Bancos, avança Marques Mendes

Vítor Bento tem vasta experiência no sector financeiro. O economista foi presidente executivo da SIBS e também foi o último presidente do Banco Espírito Santo e o primeiro do Novo Banco.

20 maiores devedores do Novo Banco deixaram buraco de 1,26 mil milhões de euros

Prejuízo foi pago à entidade bancária pelos contribuintes com base no Acordo de Capitalização Contingente (ACC), entre 1 de julho de 2016 e o final de 2018.
Comentários