Primeiro-ministro considera mais restritivo uso obrigatório de máscara do que da ‘app’

Costa admitiu hoje que “houve má compreensão e seguramente má explicação” sobre a utilização obrigatória da aplicação StayAway Covid, em relação à qual há um “grande desconhecimento”, e considerou ser “mais restritivo das liberdades” a obrigatoriedade da máscara.

António Costa | Cristina Bernardo

Enquanto secretário-geral socialista, António Costa participou hoje à tarde num encontro digital promovido pelo PS e foi questionado sobre as críticas à proposta de lei do Governo que torna obrigatório o uso de máscara na rua e a utilização da aplicação de telemóvel StayAway Covid em contexto laboral ou equiparado, escolar e académico, sob pena de multa até 500 euros.

“Pessoalmente, devo dizer-lhe que considero que até é mais restritivo das liberdades a obrigatoriedade do uso da máscara, que parece que teve um consenso total, do que propriamente ter uma aplicação com que eu ando desde o dia 01 de setembro e que nunca me senti minimamente incomodado ou limitado, enquanto com a máscara, para ser sincero, não só me sinto incomodado, como me sinto limitado”, respondeu à jornalista Maria Elisa, que conduziu a sessão.

Na perspetiva de António Costa, “há grande desconhecimento sobre a aplicação” e isso explica “grande parte da reação”.

“Eu acho que houve má compreensão e seguramente má explicação”, disse, deixando claro que do ponto de vista da proteção dos direitos, liberdades e garantias “não há rastreabilidade dos movimentos e é preservado totalmente o anonimato”.

Para o líder socialista, “há um ganho enorme” que se obteve que foi o facto de “as pessoas voltaram a estar alerta para a necessidade de controlarem os seus comportamentos e através dos seus comportamentos controlarem a expansão da pandemia.

O primeiro-ministro justificou esta proposta de lei com a necessidade de “dar uma indicação clara” que não se podia “continuar a deixar andar e que era preciso que as pessoas alterassem o comportamento”.

“Uma das razões pela qual eu tive dúvidas sobre a oportunidade do estado de emergência [quando foi acionado] é porque tive a perceção que se calhar mais tarde seria mais útil o estado de emergência, porque naquela altura as pessoas estavam voluntariamente a ficar em casa”, admitiu.

Segundo o chefe do executivo, “desde o apelo no Conselho de Ministros até agora já houve um crescimento muito significativo do número de descargas” da aplicação.

Ler mais
Recomendadas

AHRESP entende que proibição de circulação não se aplica às reservas feitas previamente

No entanto, porque persistem dúvidas sobre a interpretação desta norma, a associação da restauração e hotelaria garante que irá questionar a tutela sobre o assunto.

OE2020: Saldo da Segurança Social cai 97,5% para 62,8 milhões em setembro

O saldo da Segurança Social caiu 97,5% em setembro em termos homólogos, mas ainda assim foi positivo em 62,8 milhões de euros, revela a execução orçamental publicada pela Direção-Geral do Orçamento (DGO).

Covid-19: Parlamento confirma dois deputados infetados, um inconclusivo e quatro em isolamento

“Até ao momento, apenas foram reportados a este gabinete dois deputados que testaram positivo para a covid-19. Encontram-se bem, nas respetivas habitações, com sintomas de constipação”, refere hoje o gabinete do secretário-geral do parlamento.
Comentários