Primeiro-ministro garante Governo “coeso, estável e mais paritário”

O Governo enaltece a criação de dois ministérios transversais: Modernização do Estado e da Administrativa Pública (simplex/descentralização/ recursos humanos) e Planeamento focado na conclusão do PT2020 e no lançamento do novo Quadro e na reconstrução das competências de planeamento e análise prospetiva no Estado.

Cristina Bernardo

Com a apresentação do novo elenco governativo ao Presidente da República, o gabinete do primeiro-ministro emitiu uma nota sobre o novo Governo assegurando que esta nova composição é “coesa, estável, com competência técnica e política e mais paritário”: “oito mulheres como ministras a 11 ministros”.

De acordo com o gabinete do primeiro-ministro, existe um reforço do núcleo central do Executivo: com quatro Ministros de Estado, Pedro Siza Vieira, Augusto Santos Silva, Mariana Vieira da Silva e Mário Centeno, o que irá para permitir ao Primeiro-Ministro e ao Ministro dos Negócios Estrangeiros assegurar plenamente a condução da Presidência Portuguesa da UE;

O Governo enaltece a criação de dois ministérios transversais: Modernização do Estado e da Administrativa Pública (simplex/descentralização/ recursos humanos) e Planeamento focado na conclusão do PT2020 e no lançamento do novo Quadro e na reconstrução das competências de planeamento e análise prospetiva no Estado.

Vai ainda existir coordenação transversal dos quatro desafios que no programa do Governo são definidos como estratégicos: Ação Climática no Ministro do Ambiente e Ação Climática; Demografia na Ministra Estado e da Presidência; Desigualdades na Ministra Estado e da Presidência; Transição Digital no Ministro Estado, da Economia e da Transição Digital.

O Governo esclarece ainda que vai haver mais autonomização do Ministério da Coesão Territorial, “como manifestação da prioridade à valorização do território”.

Vai ainda existir uma transferência das Florestas para o Ambiente unificando a tutela ICNF, “robustecendo a prevenção incêndios e reforçando o combate às alterações climáticas”;

 

Ler mais
Relacionadas

Costa bate recordes. Maior executivo em ministérios desde 1976 e com número recorde de ministras

A primeira composição do XXI Governo de António Costa, que tomou posse em 26 de novembro de 2015, integrava 17 ministros, além do primeiro-ministro, o que já o tornava um dos maiores dos vinte Governos Constitucionais desde 1976, que tiveram em média 16 ministérios.

Tomada de posse do novo Governo a 21 ou 22 de outubro

O primeiro-ministro sublinhou, mais uma vez, que estamos perante um novo Governo, “mas, agora, em melhores condições, reforçado politicamente”, embora numa lógica de continuidade

António Costa apresenta Governo com poucas alterações e quatro ministros de Estado

Mário Centeno, Pedro Siza Vieira, Augusto Santos Silva e Mariana Vieira da Silva são ministros de Estado. Alexandra Leitão, Ana Mendes Godinho, Ana Abrunhosa, Maria do Céu Albuquerque e Ricardo Serrão Santos passam a ser ministros, enquanto Vieira da Silva, Capoulas Santos e Ana Paula Vitorino deixam o Governo.
Recomendadas

Marques Mendes: 1,2 mil milhões “não vão chegar” para a TAP

O comentador político espera que o Governo opte por fazer uma auditoria financeira à companhia área. E está convencido que os 1,2 mil milhões de euros a injetar não vão ser suficientes.

Jerónimo quer gestão privada fora da TAP

Jerónimo de Sousa, que falava num comício no Porto, acusou ainda o Presidente da República de “branquear o PSD” e a “política de direita”.

Cinco personalidades pedem “apreciação dos abundantes conflitos de interesses” no Parlamento

Paulo de Morais, Henrique Neto, João Paulo Batalha, Óscar Afonso e Mário Frota escreveram uma carta a Eduardo Ferro Rodrigues onde instam o presidente da Assembleia da República a pedir à Comissão de Transparência e Estatuto dos Deputados que faça a apreciação dos “abundantes conflitos de interesses que subsistem”.
Comentários